(istockphoto). - Portal da Biodiversidade dos Açores - Universidade

Loading...

Açores. Foto: Susana Carvalho (istockphoto).

367 pt

A lista Top 100 José Luis Martín1, Paulo A. V. Borges2, Manuel Arechavaleta1, & Bernardo Faria3 1

Servicio de Biodiversidad, Consejería de Medio Ambiente y Ordenación Territorial, Gobierno de Canarias. Centro de Planificación Ambiental, La Laguna, Santa Cruz de Tenerife, España. e-mail: [email protected]; [email protected] 2

Universidade dos Açores, Dep. de Ciências Agrárias – CITA-A (Azorean Biodiversity Group), Terra-Chã, 9700-851 Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, Portugal. e-mail: [email protected] 3 Secretaria Regional do Ambiente e dos Recursos Naturais - Direcção Regional do Ambiente – Rua Dr. Pestana Júnior nº 6 3º Dto 9064-506, Funchal, Madeira, Portugal. e-mail: bernardofaria. [email protected]

Evitar a extinção das espécies é um dos maiores desafios actuais da ciência da conservação. A magnitude da perda de espécies é hoje tão importante que alguns autores defendem que estamos a ser testemunhas da sexta grande extinção na história da vida (Leakey & Lewin, 1995). De facto, no nosso planeta desta vez é a acção devastadora do Homem a força motriz que está a alterar habitats, a colocar em risco ecossistemas, e a extinguir inúmeras espécies, muitas delas desconhecidas para a ciência (Lawton & May, 1995; Pimm et al., 1995, 1996; Chapin et al., 2000). Durante os últimos séculos estas extinções tem sido muito significativas nas ilhas de todo o mundo (Reid & Miller, 1989; Lawton & May, 1995; Sadler, 1999; Steadman & Martin, 2003), o que tem estimulado o debate sobre a questão se os endemismos insulares são intrinsecamente mais sensíveis às ameaças do que as formas continentais (Manne et al., 1999; Sax et al., 2002; Frankham, 2005). Contudo embora não pareça claro que assim seja (Manne & Pimm, 2001; Biber, 2002), o facto é que as ilhas por serem territórios com muitos taxa endémicos de distribuição reduzida a espaços limitados e, como consequência disso, com poucas possibilidades de escapar a uma eventual ameaça –como por exemplo a introdução de um novo predador–, tem o risco de extinção aumentado (Duncan & Blackburn, 2007). Evidências mostram igualmente que nas ilhas o número de espécies de plantas vasculares não nativas tem subido mais do que a extinção do número de espécies nativas mas que nas aves as extinções igualam o ganho de espécies exóticas (Sax et al., 2002). O facto é que, independentemente da maior ou menor propensão ao desaparecimento das espécies insulares, as consequências devastadoras das ameaças externas nos territórios isolados levam a que as extinções nas ilhas sejam mais frequentes do que nos espaços abertos continentais (Quammen, 1997).

368 pt

Um ponto em comum em todas as espécies antes da sua extinção é a apresentação de alterações do seu estado natural e de um declínio progressivo, palpável na diminuição da sua abundância ou da sua área de ocupação (Gaston, 1994; Lawton, 2000) e frequentemente acompanhada de uma desestabilização na estrutura das populações (Gilpin & Soule, 1986; Lawton, 2000). Quando uma espécie entra num processo de declínio e a regressão alcança níveis além do que se poderia considerar natural, diz-se que está ameaçada. Partimos do princípio que dificilmente as espécies se extinguem por causas naturais em espaços temporais tão curtos como a vida das pessoas, de modo que se durante uns poucos anos ou décadas se verifica um desses declínios, pode-se concluir que a espécie está em vias de desaparecer por causas presumivelmente antropogénicas. Por outro lado os estudos clássicos de Ehrlich (1987) mostram claramente que, por exemplo, o tamanho das reservas para a manutenção das (meta)populações de espécies de insectos herbívoros tem sido mal avaliada. De facto, muitas espécies podem ocorrer num local mas estarem em duplo risco de extinção devido ao facto do seu efectivo populacional ser demasiado pequeno para evitar os impactos dos factores independentes da densidade (Lawton, 2000). A crise emergente na conservação dos sistemas naturais do nosso planeta faz parte da agenda política de muitos países e Organizações não Governamentais (ONGAS), e tem levado à criação de grandes movimentos no sentido de tentar ímpedir o processo de extinção de muitas espécies (e.g. iniciativa da DIVERSITAS, IBOY – International Biodiversity Observational Year, ver http://www.nrel.colostate.edu/IBOY). Juntamente com outros países Europeus, Portugal e Espanha assinaram a Convenção da Diversidade Biológica (CDB) promovida pelas Nações Unidas. Um dos objectivos mais importantes da CDB é a “promoção da conservação das espécies”, que deverá acontecer até 2010, de acordo com o “Sixth Meeting of the Conference of the Parties” (http://www.biodiv. org/2010-target/default.asp) (ver Igualmente UNEP, 2002). As sociedades humanas organizadas e sensíveis ao desaparecimento de espécies dispõem de mecanismos legais para activar processos que permitem tentar contrariar as extinções de espécies; são as políticas de conservação da natureza, e entre elas está a declaração de uma espécie como oficialmente ameaçada (Klemm & Shine, 1993). Embora não saibamos quantas espécies se salvaram através de procedimentos legais, o certo é que um estudo recente demonstra que se não fossem os esforços realizados no âmbito de projectos de gestão, entre 1994 e 2004 cerca de 16 espécies de aves, a maior parte delas endémicas de ilhas, estariam extintas (Butchar et al., 2006). Nesta linha, muitas ONGAS elaboraram protocolos que permitem detectar quando uma espécie em declínio deve ser objecto de uma atenção privilegiada com vista à sua preservação, em função das mudanças que sofrem as suas populações (Scarpace & Schimpff, 2001; Miller et al., 2007).

Cap. I A lista Top 100

Podemos compreender então que o conceito de espécie ameaçada não é universal, depende do critério utilizado para a sua definição. Uma espécie que para um determinado colectivo se encontra ameaçada, poderá não está-lo para outro, se ambos se baseiam em critérios diferentes. Esta é uma discrepância frequente entre as entidades governamentais e as organizações não governamentais, dado que os primeiros tem critérios mais restritos que os segundos ao declarar espécies ameaçadas, pois as suas decisões implicam um maior compromisso e obrigatoriedade de acção (Troubis & Dimitrakopoulos, 1998; Bouchet et al., 1999; Jeffrey, 2001). Algo parecido se pode dizer no que respeita ao conceito de ameaça, pois tão pouco se aplica por igual em todas as situações. Um debate clássico é o se a ameaça deve considerar-se como tal quando implica um declínio real e observável ou basta que suponha um risco de perda, embora não se tenha observado nenhum declínio (Martín, 2004). Com base na segunda aproximação, uma espécie que ocupa uma pequena superfície poderia considerar-se ameaçada, embora não se verifique nenhum tipo de declínio, enquanto que na primeira aproximação ter-se-ia de verificar um declínio. Neste segundo caso uma espécie poderia também considerar-se ameaçada se o declínio fosse importante, embora não possuísse uma superfície de ocupação pequena. De facto, uma espécie pode até ser comum e devido a determinados impactos (e.g. fragmentação de habitats, fogo, doença, etc.) pode entrar em declínio rapidamente (Gaston & Fuller, 2008).

Açores.

Foto: Rui Vale Sousa (istockphoto).

369 pt

370 pt

O conceito de pequena superfície também é discutível, pois depende da escala. Numa perspectiva global, a maior ilha dos arquipélagos macaronésicos não deixa de ser um pequeno ponto em relação ao planeta, mas numa perspectiva regional, a ilha maior é uma extensão considerável quando em comparação com as restantes ilhas. Numa visão global um endemismo insular poderia ser considerado uma espécie ameaçada pelo simples facto de ser exclusiva de uma ilha, mas numa óptica regional (= macaronésica) semelhante circunstância não denotaria um estado de ameaça. De facto, os biólogos que trabalham em ecossistemas insulares sabem que na maioria dos casos os endemismos insulares não estão em declínio e por vezes uma espécie endémica pode ser extremamente abundante, e excepcionalmente poderia inclusive comportar-se como uma praga (Tello-Marquina, 1975). No entanto, temos de reconhecer que muitas espécies insulares estão mesmo ameaçadas e possuem populações não estáveis (Gurd, 2006) e, por exemplo, nos Açores observamos muitas populações num processo de relaxamento (Borges et al., em prep.; ver também Gaston et al., 2006). Podemos igualmente argumentar que as ilhas grandes são também muitas vezes as mais habitadas e impactadas pelo Homem, pelo que as populações aí residentes estão em maior perigo (e.g. São Miguel nos Açores ou Tenerife e Gran Canária nas Canárias). As espécies ameaçadas geralmente possuem pequenas populações e ocorrem em poucos lugares e podem designar-se por espécies “duplamente raras” (Gaston, 1994). Deveremos ainda realçar que em termos de conservação da natureza, as espécies duplamente raras estão sujeitas a uma maior probabilidade de extinção e necessitam de manter densidades sustentáveis nos poucos locais onde ocorrem. Aqui colocam-se desafios na forma em que se definem áreas protegidas que garantam a conservação dessas espécies (Gaston, 1994; Lawton, 2000). Será então possível observar que: a) a maioria das espécies ocorrem em poucos locais e são pouco abundantes nesses locais, encontrando-se muitas destas espécies em perigo de extinção; b) outras espécies ocorrem na maior parte dos locais e são em média muito abundantes nesses locais. Se considerarmos os valores de abundância média de cada espécie como a variável dependente (ou resposta) e o número de locais em que cada espécie ocorre (ou alternativamente a área de distribuição) a variável independente (ou explicadora), temos uma relação linear positiva entre a abundância média das espécies nos locais onde ocorrem e a sua distribuição (ver Fig. 1) (Gaston, 1994; Lawton, 2000; Gaston & Blackburn, 2000). Este padrão designa-se por “relação interespecífica positiva entre abundância e distribuição” e foi inicialmente proposta por Brown (1984). Em complemento a este padrão temos a relação intraespecífica entre abundância e distribuição, em que à medida que uma espécie expande (ou diminui) a sua área de distribuição simultaneamente aumenta (ou decresce) a sua abundância local (Gaston, 1994; Lawton, 2000).

Cap. I A lista Top 100

A RIPAD e a relação riqueza de espécies-área (RSA) estão intimamente relacionadas, já que a RSA é gerada por mecanismos de extinção - colonização e esses processos geram também a RIPAD. De facto, as comunidades são μ geralmente compostas por muitas espécies raras e algumas comuns, pelo que numa área de grandes dimensões será de esperar a presença de muitas espécies com uma distribuição resp trita e umas poucas que ocorrem em toda a área. O declive da RSA tende Figura 1. Relação interespecifica positiva entre a abundância média das espécies (μ) e a sua distribuição (p). a ser maior quando dominam as espécies com distribuição restrita. Em termos de conservação da natureza, a RIPAD constitui um modelo de grande relevância para determinar padrões de extinção em sistemas fragmentados. Por exemplo Gonzalez et al. (1998) demonstrou que a simples fragmentação de um comunidade de briófitos resultou na diminuição da área de distribuição das espécies de ácaros e na diminuição local das suas abundâncias . Num exemplo recente Gaston et al. (2006) mostraram que as espécies de artrópodes endémicos dos Açores que constituem “outliers” à curva RIPAD, são espécies que ocupam menos locais do que esperado para a sua abundância média, possuindo uma grande variância espacial na abundância o que indica incapacidade dessas espécies para ocuparem eficazmente a floresta nativa fragmentada. A insularidade dos ecossistemas naturais constitui, assim, um dos factores mais importantes na promoção da extinção de espécies (Hanski, 2005). De qualquer forma as técnicas de identificação de espécies ameaçadas perseguem um mesmo objectivo, i.e., o de assinalar quais as espécies que têm uma necessidade urgente de conservação e classificá-las em diversos graus de importância em função da iminência de desaparecimento. Assim, a magnitude global de espécies ameaçadas é de tal calibre que usualmente não existem recursos suficientes de gestão para enfrentar o desafio da conservação. Isto obriga a reavaliar uma e outra vez sobre as prioridades já estabelecidas, a fim de diminuir a lista de espécies prioritárias, pelo menos até a um nível que possa ser assumido de forma realista pelos meios e capacidade de gestão disponível. Não basta seleccionar-se as espécies em função da sua importância biológica e ecológica, mas há que ter em conta também os recursos disponíveis, juntamente com aspectos muitas vezes falados como, o valor social da espécie, as reais pos-

371 pt

372 pt

sibilidades de recuperação, etc. (Marsh et al., 2007; Miller et al., 2007). Por conseguinte, antes de fixar prioridades convém ter claro qual é o âmbito geográfico do trabalho, a quantidade de espécies implicadas, o conceito de ameaça, a gestão possível, etc. No caso do nosso âmbito de trabalho que é a região biogeográfica macaronésica europeia, i.e., a região constituída pelos arquipélagos dos Açores, Madeira (incluindo Selvagens) e Canárias, que ao pertencerem aos estados de Portugal e Espanha se encontram incluídos na União Europeia. É portanto excluído o arquipélago de Cabo Verde, um estado soberano que não faz parte da União Europeia. Quanto às ameaças, consideraram-se como tal os factores que incidem sobre as populações naturais provocando uma diminuição no número de efectivos populacionais (i.e. abundância) ou nas suas áreas de distribuição. São de natureza antrópica e, ou ocorrem actualmente, ou o terão feito nas últimas 3 décadas e são susceptíveis de se manterem. Excluem-se por tanto os riscos naturais independentes da densidade (que são tratados separadamente) e as ameaças directamente relacionadas com actividades humanas que historicamente têm incidido sobre as populações, mas que desapareceram recentemente. Embora as análises de viabilidade das populações sejam um método eficaz para determinar a importância das ameaças, pela complexidade que apresentam não foram tidos em conta; não obstante recorreu-se a indicadores de viabilidade, tais como considerar somente o número de indivíduos potencialmente reprodutores, deduzir a taxa de sobrevivência de uma população a partir do tempo que esta leva a duplicar-se, e, nos casos possíveis, calcular o tamanho efectivo da população (tendo em conta os desequilíbrios na proporção de sexos).

TIPO DE LISTA Nos livros ou listas vermelhas avaliam-se uma grande quantidade de espécies classificadas em diferentes categorias de ameaça (Scott et al., 1987; Millar et al., 2007), enquanto que neste livro só se caracterizam umas poucas espécies seleccionadas, por se considerarem prioritárias: a lista Top 100. Embora com este estudo se tenha tido em conta o estado de conservação das espécies, outros aspectos também foram considerados, tais como a sua utilidade para o Homem, as opções de gestão, as possibilidades de controlar a ameaça, etc. (Millsap et al., 1990; Marsh et al., 2007). A lista Top 100 é a soma de duas listas de espécies: as que são prioritárias de serem protegidas e as que são tidas como mais prioritárias devido à sua facilidade de gestão. A combinação de ambas definirá a lista de espécies ameaçadas de gestão prioritárias, que não deverá

Cap. I A lista Top 100

confundir-se com uma lista de espécies ameaçadas; de resto é previsível que existam espécies consideradas como ameaçadas, que não se encontram na presente lista, sobretudo se a sua ameaça não é suficientemente conhecida, se não é um taxon endémico ou se a sua gestão é demasiado complexa e dispendiosa. A criação da lista Top 100 obedece em parte a convicção de que não existem meios suficientes para travar a perda de biodiversidade, de modo que os recursos têm de ser distribuídos de forma prioritária pelas espécies ameaçadas com maiores possibilidades de serem preservadas. Por este motivo, esta lista é um caminho directo até à acção, pois identifica quais são as espécies mais vulneráveis cuja gestão apresenta maiores garantias. Na elaboração da lista Top 100 não é só tido em conta a opinião dos especialistas nas espécies, mas tem um peso notável a opinião dos gestores que, independentemente do seu maior ou menor conhecimento sobre elas, conhecem bem a problemática de colocar em prática medidas de conservação úteis e eficazes. Em última instância, a combinação das duas listas de espécies resumirá a opinião dos especialistas nas espécies e a dos gestores que devem assumir a sua salvaguarda (Marsh, et al., 2007). Apesar dos esforços na esfera política para a conservação das espécies e dos ecossistemas que o “Alvo 2010” parece implicar, o facto é que os indicadores são para aferir o sucesso deste tipo de iniciativas são escassos (Mace & Baillie, 2007). Assim este livro

São Jorge, Açores.

Foto: Henri Faure (istockphoto).

373 pt

374 pt

pretende constituir uma ferramenta que irá permitir a utilização dos indicadores apresentados (ver classificações das espécies em Anexo) para aferir da sua variação nas próximas décadas nos arquipélagos dos Açores, Madeira e Canárias.

METODOLOGIA DE TRABALHO O processo utilizado na selecção de espécies prioritárias teve por base a metodologia proposta por Marsh et al. (2007). Consistiu em avaliar por um lado as prioridades de protecção para as espécies ameaçadas, e por outro lado as prioridades em função das possibilidades de gestão, de modo que da conjunção de ambas as avaliações se obtiveram então as espécies consideradas prioritárias para a gestão. Os critérios considerados para abordar as referidas avaliações foram os propostos por Marsh et al. (2007), embora parcialmente modificados de forma a adaptá-los à realidade dos arquipélagos macaronésicos. Para determinar as prioridades de protecção consideraram-se factores como o valor ecológico das espécies, a sua singularidade, a responsabilidade de tutela das administrações competentes e o valor social; por outro lado, para valorizar as possibilidades de gestão das espécies considerou-se, o conhecimento e a capacidade de controlo que temos sobre as ameaças, os factores socioeconómicos que facilitam a gestão (sinergias extrínsecas) e o potencial biológico das espécies. Vários destes critérios foram divididos em subcritérios: a prioridade de protecção foi analisada em função de sete subcritérios e as possibilidades de gestão em função de outros seis. Por um lado recorreu-se a especialistas conhecedores das espécies candidatas ou focais com o objectivo de se atribuir a cada uma delas uma pontuação para cada subcritério.

Los Roques, Tenerife, Canárias.

Foto: Angelika Stern (istockphoto)

Cap. I A lista Top 100

Por outra parte, a gestores que pertencem a instituições relacionadas com a conservação da biodiversidade dos três arquipélagos (Açores, Madeira e Canárias) valorizaram a importância relativa dos diferentes subcritérios. Desta forma, uma vez atribuído um valor às espécies focais tendo em conta a sobreposição dos critérios, obteve-se uma relação ordenada de todas elas em função das prioridades de gestão (Fig. 2) O passo seguinte foi então seleccionar as 100 espécies que obtiveram maior pontuação e que constituem por tanto as 100 espécies de gestão prioritárias para os arquipélagos da Macaronésia. Em adição, obtiveram-se igualmente as 100 especies de gestión prioritarias para cada um dos três arquipélagos de forma a identificar prioridades de gestão regionais. Um dos aspectos inovadores, e por sua vez vantajosos, do método proposto por Marsh et al. (2007) é a participação de forma independente de diferentes agentes sociais no processo de selecção das espécies prioritarias. No nosso caso foi estruturado da seguinte forma: os coordenadores do projecto (os editores deste livro, representantes das três administrações autónomas implicadas) definiram os critérios que permitiram estabelecer as prioridades, os gestores valorizaram a importância relativa dos critérios, e os especialistas nas espécies atribuíram as correspondentes pontuações.

Selecção dos taxa focais Como taxa focais consideraram-se espécies e subespécies, mas não variedades. O processo de selecção dos taxa focais foi abordado de forma diferente nos três arquipélagos. Nas Canárias tomou-se como referencia os taxa considerados como ameaçados, de acordo com o processo de avaliação do estado de conservação das espécies protegidas que o governo das Canárias levou a cabo em 2004 (Martín et al., 2005), assim como outras cujo estatuto havia piorado desde então. Nos Açores e na Madeira, como não existe uma avaliação semelhante, os taxa candidatos foram propostas pelos avaliadores especialistas, de cada arquipélago, susceptíveis de requerer medidas de gestão urgentes. O número de taxa focais foi nos Açores 310, na Madeira 190 e nas Canárias 156. O número de taxa focais mais elevado nos Açores reflecte a falta de trabalho prévio sobre o estatuto de ameaça das espécies neste arquipélago, o que seguindo o “princípio da precaução” obrigou a incluir um naipe maior de taxa à partida.

Pontuações Para atribuir a pontuação a cada taxon consultaram-se os especialistas na sua biologia e ecologia. Estes atribuíram uma pontuação aos taxa para cada um dos subcritérios com um valor de 1 a 4 segundo os parâmetros previamente definidos (ver Quadros II e seguintes), e sem ter conhecimento da ponderação atribuída a cada subcritério.

375 pt

376 pt

Posteriormente realizaram-se diversas reuniões de trabalho nos Açores, Madeira e Canárias entre os coordenadores do projecto e os especialistas para se elaborar uma proposta em comum das pontuações e homogeneizar, dentro do possível, a aplicação dos critérios de prioridade. Participaram nesta fase um total de 36 especialistas.

Peso relativo de cada critério e subcritério A importância relativa dos critérios e subcritérios considerados não tem de ser igual, pois diferentes grupos de trabalho podem atribuir pesos relativos distintos dependendo das particularidades socioeconómicas que tenha a conservação da natureza em cada região, das capacidades das instituições nela implicadas ou da percepção dos técnicos responsáveis. Quadro I. Relação de gestores que avaliaram a importância relativa dos subcritérios.

Ana Calero Ángel Bañares Baudet Ángel Fernández López Antonio Domingos Abreu Bárbara Chaves Dília Menezes Duarte Nunes Elena Mateo Félix Medina Hijazo João Melo José Alberto Delgado Bello Juan Carlos Rando Mª Ángeles Llaría López Manuel Filipe Manuel Martín Rocha Maria Botelho Maria José Bettencourt Mercedes González Martín Miguel Ángel Cabrera Miguel Ángel Rodríguez Nuno Loura Nuno Pacheco Paulo Freitas Paulo Pimentel Pedro Raposo Rui Sequeira Silvia Fajardo González

Cabildo de Fuerteventura, Canarias P. N. del Teide, Canarias P. N. de Garajonay, Canarias Direcção Regional Ambiente, Madeira Serviço de Ambiente de Santa Maria, Açores Parque Natural, Madeira Direcção Regional Ambiente, Madeira Cabildo de Lanzarote, Canarias Cabildo de La Palma, Canarias Jardim Botânico do Faial, Açores Cabildo de Tenerife, Canarias Cabildo de Tenerife, Canarias Cabildo de Tenerife, Canarias Direcção Regional de Florestas, Madeira Cabildo de Tenerife, Canarias Serviço de Ambiente de Flores e Corvo, Açores Direcção de Serviços da Conservação da Natureza, Açores Cabildo de Tenerife, Canarias Servicio de Biodiversidad, Canarias Cabildo de El Hierro, Canarias Serviço de Ambiente de Santa Maria, Açores Secretaria Regional do Ambiente e do Mar, Açores Direcção Regional de Florestas, Madeira Direcção de Serviços da Conservação da Natureza, Açores Serviço de Ambiente da Graciosa, Açores Serviço de Ambiente de São Jorge, Açores Servicio de Biodiversidad, Canarias

Para determinar o peso relativo de cada subcritério enviaram-se inquéritos a técnicos gestores de diferentes instituições públicas dos Açores, Madeira e Canárias implica-

Cap. I A lista Top 100

dos na gestão de espécies selvagens ou com experiência na conservação e gestão dos recursos naturais. Estes atribuíram valores de 0 a 100 a cada um dos 7 subcritérios de prioridade em termos de protecção para os taxa e igualmente de 0 a 100 a cada um dos 6 subcritérios de prioridade em função das possibilidades de gestão, de forma que somaram 100 em ambos os casos. Recebidos os inquéritos obteve-se um valor médio para o peso de cada subcritério, que foi o que se utilizou para ponderar as pontuações. A amostra disponível (24 inquéritos) resultou significativa, com dispersão escassa no que respeita aos valores médios, pelo que não se considerou necessário recorrer a sucessivas consultas seguindo o método DELPHI.

Elaboração das fichas das 100 espécies prioritárias Para elaborar as fichas das 100 espécies seleccionadas como prioritárias remeteu-se aos autores um questionário standard com os itens predefinidos. Com este pretendiase conseguir homogeneizar as respostas para se poder realizar análises e valorações globais. No Anexo II apresenta-se o questionário enviado aos especialistas. DPPSEFOBEPSFT Ftubcfmfdjnfoup!ef!DSJU„SJPT

FTQFDJBMJTUBT!FN!DPOTFSWBƒÍP

FTQFDJBMJTUBT!FN!FTQ„DJFT

QpoefsbŽŒp!eb!jnqpsuŠodjb

QpouvbŽŒp!ebt

ef!dbeb!dsjusjp

ftqdjft!gpdbjt

Sfvojœft!qbsb!upnbs!efdjtœft!dpnvot BŽpsft Nbefjsb Dboˆsjbt

DPPSEFOBEPSFT FmbcpsbŽŒp!eb!mjtub!ef!FTQ„DJFT!QSJPSJUèSJBT!QBSB!B!HFTUÍP

Figura 2. Diagrama ilustrativo do processo metodológico seguido para a elaboração da lista Top 100.

377 pt

378 pt

A classificação dos habitats dos três arquipélagos elaborou-se ad hoc para este livro. Para a elaboração dos formulários sobre as ameaças, os riscos naturais, os factores limitantes, as acções propostas para a conservação e os estudos e investigações necessárias, tendo por base os documentos de referência propostos pelo IUCN (“authority files” ver http://www.iucn.org/themes/ssc/sis/authority.htm), embora com algumas modificações de forma a adapta-los às particularidades dos arquipélagos macaronésicos e aos objectivos deste trabalho.

CRITÉRIOS PARA ESTABELECER AS PRIORIDADES Critérios para estabelecer a prioridade em termos de protecção Para determinar a prioridade de protecção recorreu-se a quatro critérios, alguns dos quais contem por sua vez vários subcritérios: valor ecológico, singularidade, responsabilidade de tutela e valor social. Valor ecológico (Quadro II). Pretende medir qual é a contribuição do taxon nas interacções ecológicas do ecossistema no qual está integrado, de modo que se dá maior importância às espécies que se situam no topo das pirâmides tróficas ou de modo geral às que exercem um papel ecológico chave na manutenção dos ecossistemas. A pontuação atribuída varia em função do grau de exclusividade e do papel que desempenham, de tal forma que é máxima quando a espécie desempenha um papel ecológico importante de forma exclusiva e é mínima quando esse papel ecológico é partilhado com outras cinco ou mais espécies do seu mesmo grupo taxonómico. Quadro II. Conceito e composição do critério de referência “valor ecológico”.

Valor 4

Subcritério 1.1. VALOR ECOLÓGICO Taxon chave ou estruturante, (superpredador, agente dispersor ou polinizador importante, hospedeiro importante de espécies endémicas).

3

Taxon com um papel significativo no ecossistema, podendo partilhar esse papel com uma ou duas espécies do seu grupo taxonómico.

2

O papel ecológico no ecossistema é partilhado por outros 3, 4 ou 5 espécies do seu grupo taxonómico.

1

O papel ecológico no ecossistema é partilhado por mais de 5 espécies do seu grupo taxonómico.

Cap. I A lista Top 100

Singularidade (Quadro III). Este critério tem em conta a raridade em termos de distribuição (subcritério 2.1) e em termos de abundância (subcritério 2.2) das espécies, assim como a sua singularidade genética (subcritério 2.3). A distribuição de cada espécie se determinou-se a uma escala de resolução de 2x2 km, de forma a manter-se uma homogeneidade nas análises e uma correspondência com as directivas da IUCN para a avaliação das espécies ameaçadas (“Standards and Petitions Working Group”, 2006). Quanto mais restringida é a área de distribuição de uma espécie maior é o seu grau de endemismo e, por conseguinte, maior é a sua importância evolutiva e necessidade de se estabelecer programas de gestão. O mesmo se aplica em relação às abundâncias: quanto menor for o número de exemplares adultos, maior será a sua raridade e necessidade de se estabelecerem programas de gestão (ver modelo RIPAD; Fig. 1). Finalmente, quanto menos espécies do mesmo género partilhadas por uma espécie, maior será a sua singularidade genética e, consequentemente a sua importância evolutiva e de conservação. Pelo contrário, as espécies que partilham muitas outras no mesmo género possuem uma certa redundância genética, complementar à singularidade que define cada espécie, o que permite que parte da informação genética, que se perde com o taxon que se extingue persista nas outras espécies do mesmo género. No entanto, quando não existem taxa do mesmo género ou esses são muito poucos, a quantidade de informação que se perde com a extinção de uma espécie é irremediavelmente maior, pelo que quantos menos parentes próximos tiver um taxon ameaçado, maior será a sua importância evolutiva e de conservação. Quadro III. Conceito e composição do critério de referência “singularidade”.

Valor

4

Subcritério 2.1.

Subcritério 2.2.

Subcritério 2.3.

RARIDADE EM TERMOS DE DISTRIBUIÇÃO

RARIDADE EM TERMOS DE

SINGULARIDADE

ABUNDÂNCIA

GENÉTICA

Espécie endémica de uma só ilha da

Taxon com menos de 50

Taxon de uma família

Macaronésia e extremamente rara (área de

indivíduos reprodutores.

monotípica.

Espécie endémica de uma só ilha da

Taxon com menos de 250

Taxon de um género monotípico.

Macaronésia ou subespécie endémica de uma

indivíduos reprodutores.

ocupação < 5% da superfície da ilha). 3

só ilha da Macaronésia e extremamente rara (área de ocupação < 5% da superfície da ilha). 2

Espécie endémica de duas ou mais ilhas da

Taxon com menos de 1000

Taxon que pertence a um género

Macaronésia ou subespécie endémica de uma

indivíduos reprodutores.

com quatro ou menos espécies.

Taxon com mais de 1000

Taxon que pertence a um género

indivíduos reprodutores.

com mais de quatro espécies.

ou mais ilhas da Macaronésia. 1

Taxon nativo na Macaronesia.

379 pt

380 pt

Dado que as espécies de maior importância evolutiva possuem frequentemente uma distribuição muito reduzida e um número de indivíduos reprodutores escasso constituindo espécies “duplas raras” (Fig. 1), é possível que correspondam a espécies ameaçadas cujo desaparecimento num futuro mais ou menos próximo poderia ocorrer caso não se adoptem adequadas medidas de conservação. Previsivelmente, muitas destas espécies também obtiveram uma elevada pontuação na avaliação do critério seguinte, de responsabilidade da tutela. Responsabilidade de tutela (Quadro IV). Este critério permite avaliar as espécies cuja preservação deve ser preferencial por constituir parte do património natural característico da região macaronésica e/ou se encontram em risco de desaparecimento. A avaliação parte da base que as instituições devem intervir, por responsabilidade de salvaguarda do património natural, prioritariamente nos taxa exclusivos da Macaronésia que se encontram em declínio. Consequentemente, o grau de ocorrência da espécie na Macaronésia (subcritério 3.1.) e a magnitude de um eventual declínio que poderá estar a ocorrer (subcriterio 3.2.), permitirá estabelecer prioridades dentro deste critério. Quadro IV. Conceito e composição do critério de referência “responsabilidade da tutela”.

Valor 4

Critério 3.1. OCORRÊNCIA

Critério 3.2. DECLÍNIO

Taxon endémico da Macaronésia.

Taxon cujo declínio (populacional ou de área de ocupação) tenha sido, pelo menos, de 70% em 10 anos ou 3 gerações, ou que contando com uma área de ocupação inferior a 1km2, tenha mostrado um declínio nos últimos 10 anos ou 3 gerações.

3

2

1

Mais de 50% da sua população

Taxon cujo declínio (populacional ou de área de ocupação) tenha sido, pelo menos,

ou da sua área de ocupação está

de 50% em 10 anos ou 3 gerações, ou que contando com uma área de ocupação

na Macaronésia.

inferior a 2km2, tenha mostrado um declínio nos últimos 10 anos ou 3 gerações.

Entre 25% e 50% da sua população

Taxon cujo declínio (populacional ou de área de ocupação) tenha sido, pelo menos,

ou área de ocupação está

de 25% em 10 anos ou 3 gerações, ou que contando com uma área de ocupação

na Macaronésia.

inferior a 3km2, tenha mostrado um declínio nos últimos 10 anos ou 3 gerações.

Entre 25% da sua população ou área Taxon nativo na Macaronésia cujos dados não permitam deduzir um declínio de ocupação está na Macaronésia.

que alcance os limites anteriores.

Valor social (Quadro V). É um critério usado para avaliar a importância que a sociedade dá à espécie, por obter algum benefício directo dela (valor de uso) ou indirecto (valor de não uso). Esta sociedade será a que cedo adoptará as medidas de protecção e gestão necessárias, quer participando de forma directa e activa na conservação das espécies, ou de forma indirecta e passiva através da promoção de normativas e leis através de instituições publicas cujo funcionamento é suportado por essa mesma sociedade.

Cap. I A lista Top 100

Quadro V. Conceito e composição do critério de referência “valor social”.

Valor 4

Subcritério 4.1. VALOR SOCIAL Taxon de alto valor social para a sociedade na Macaronesia ou numa parte significativa desta (arquipélago).

3

Taxon de alto valor social para a sociedade de pelo menos uma das ilhas da Macaronésia.

2

Taxon de alto valor social, no mínimo para um grupo de interesse relevante na região ou parte significativa desta (arquipélago).

1

Taxon geralmente desconhecido para a maioria da sociedade.

Considerou-se que a importância social de uma espécie deve ser separada da importância atribuída ao habitat em que esta vive, pois muitas vezes é mais amplo e está influenciado por outros aspectos que tornariam tendenciosos os critérios de prioridade, tais como presença de outros taxa ou de processos ecológicos não relacionados com a espécie em causa.

Açores.

Foto: Rui Vale Sousa (istockphoto).

381 pt

382 pt

Critérios para dar prioridade em função das possibilidades de gestão Para determinar quais são as espécies prioritárias de forma a garantir uma gestão com êxito recorreu-se a três critérios, que compreendem vários subcritérios: ameaça, sinergias extrínsecas e biologia. Ameaça (Quadro VI). Este critério baseia-se no princípio de que para se poder controlar uma ameaça há primeiro que ter em conta a forma como esta actua. É preciso então avaliar o conhecimento que se tem sobre ela (subcritério 1.1.) e saber se esta permite deduzir em que medida a ameaça é controlável com uma adequada gestão de conservação (subcritério 1.2.). Uma ameaça pode ser impossível de controlar quando não se conhece ou quando depende de factores difíceis de lidar. O primeiro caso é mais comum do que aparentemente poderia pensar-se; é o que ocorre com espécies que se encontram em declínio sem que se saiba exactamente a causa ou espécies que não colonizam áreas contíguas às suas áreas de distribuição sem que exista um factor limitante aparentemente que as impeçam de o fazer. O segundo caso ocorre quando a ameaça é a pressão exercida por outro taxon, geralmente muito abundante e com taxas reprodutivas altas, de forma que é difícil de controlar (por exemplo, pequenos herbívoros ou pragas de insectos), ou quando a ameaça provem de um processo global –por exemplo, as mudanças climáticas– cuja mitigação é muito complexa. Quadro VI. Conceito e composição do critério de referência “ameaça”.

Valor

4

3

Critério 1.1.

Critério 1.2.

CONHECIMENTO

CAPACIDADE DE CONTROLO

Conhecem-se os factores de ameaça e

A capacidade de controlar ou eliminar os

qual a sua importância relativa.

factores de ameaça é alta.

Conhecem-se os factores de ameaça mas

A capacidade de controlar ou eliminar os

pouco se sabe acerca da sua importância

factores de ameaça é média.

relativa. 2

Sabe-se que a espécie está em declínio

A capacidade de controlar ou eliminar os

mas não se conhecem os factores de

factores de ameaça é baixa.

ameaça. 1

Não se sabe se a espécie está em declínio

Não há capacidade de controlar ou

para além de possíveis flutuações

eliminar os factores de ameaça.

periódicas.

Cap. I A lista Top 100

Sinergias extrínsecas (Quadro VII). A adopção de medidas efectivas de gestão não depende unicamente das características da espécie ou do tipo de ameaça que sobre elas incide, mas também de circunstâncias alheias que poderiam constituir um considerável apoio. É o que ocorre quando existe certa disposição da sociedade para se envolver na gestão (subcritério 2.2.), quando o habitat da espécie está protegido (subcritério 2.3.) ou quando as acções necessárias são poucas e os custos baixos (subcritério 2.1.). Os programas de recuperação das espécies mais difíceis são aqueles que requerem um controlo da ameaça e, além disso a adopção de medidas para estimular o crescimento das populações da espécie. Por vezes pode ser necessário abordar programas educativos que permitam neutralizar atitudes negativas por parte dos habitantes da zona. Mas em alguns casos é possível controlar a ameaça, a partir da mera inversão dos gastos correntes de uma instituição pública ou de uma organização não governamental consciencializada para intervir a favor da espécie. Quadro VII. Conceito e composição do critério de referência “sinergias extrínsecas”.

Valor

4

Subcritério 2.1.

Subcritério 2.2.

Subcritério 2.3.

FINANCIAMENTO E CUSTOS

APOIO DA SOCIEDADE

PROTECÇÃO TERRITORIAL

É possível deter as ameaças sem

Há suficiente apoio da sociedade para que ela

A totalidade da população

gastos de tipo algum.

mesma implemente acções de recuperação da

está em áreas protegidas.

espécie, sob a supervisão regular da administração. 3

2

1

É possível deter as ameaças

Há suficiente apoio da sociedade para que esta

Pelo menos 50% da

apenas com os gastos correntes.

elabore com a administração as actividades de

população está em áreas

recuperação.

protegidas.

Deter as ameaças é possível

Existe uma posição polarizada ou neutra da

Menos de 50% da população

apenas com um compromisso

sociedade acerca das medidas de gestão requeridas

está em áreas protegidas.

financeiro específico a longo

ou da catalogação da espécie como ameaçada; é

prazo.

necessário um plano de recuperação.

Não é possível (ou necessário)

É muito provável que a sociedade resista à adopção

Não há população dentro de

controlar as ameaças, ou não

das medidas requeridas para a recuperação;

áreas protegidas.

se sabe quais as ameaças a

são requeridas importantes medidas de gestão,

controlar.

incluindo a aplicação de normas.

Biologia (QuadroVIII). Segundo este critério, as espécies com ciclo biológico mais curto são mais fáceis de recuperar, devido ao facto de que as acções de gestão poderiam ser efectuadas em curtos períodos temporais, em relação às espécies com ciclos biológicos mais longos. O indicador de referência para medir este parâmetro é o tempo

383 pt

384 pt

que a espécie leva a duplicar a sua população, que por sua vez é um reflexo de algum dos parâmetros populacionais característicos de uma espécie, como as taxas de sobrevivência, de natalidade, de mortalidade e de recuperação. De facto, as taxas vitais de uma espécie podem desde logo determinar a sua posição relativa na comunidade em termos de abundância e distribuição. O “Modelo populacional” (Holt et al., 1997), assume que todas as espécies são semelhantes na sua resposta aos factores dependentes da densidade que determinam a sua taxa de nascimento e mortalidade, pelo que as que atingem menores densidades e ocorrem em menos locais são aquelas que possuem uma taxa de mortalidade independente da densidade mas alta, estando em maior risco de desaparecer por factores estocásticos. Quadro VIII. Conceito e composição do critério de referência “biologia”.

Valor

Subcritério 3.1. POTENCIAL BIOLÓGICO

4

A espécie tem capacidade para duplicar a sua população em menos de um ano.

3

A espécie tem capacidade para duplicar a sua população em menos de 5 anos.

2

A espécie tem capacidade para duplicar a sua população em menos de 10 anos

1

A espécie levaria mais de 10 anos a duplicar a sua população.

Gran Canaria, Canárias.

Foto: Carlos Más

Cap. I A lista Top 100

BIBLIOGRAFIA Biber, E. 2002. Patterns of endemic extinctions among island bird species. Ecography, 25: 661676. Bouchet, P., G. Falkner & M. B. Seddon. 1999. Lists of protected land and freshwater molluscs in the Bern Convention and european habitats directive: are they relevant to conservation?. Biological Conservation, 90: 21-31. Brown, J. H. 1984. On the relationship between abundance and distribution of species. The American Naturalist, 124: 255-279. Butchar, S. H. M., A. J. Stattersfield & N. J. Collar. 2006. How many bird extinctions have we prevented?. Oryx. 40: 266-278. Chapin, F. S., E. S. Zavaleta, V. T. Eviner, R. L. Naylor, P. M. Vitousek, H. L. Reynolds, D. U. Hooper, S. Lavorel, O. E. Sala, S. E. Hobbie, M. V. Mack & S. Díaz. 2000. Consequences of changing biodiversity. Nature, 405: 234-242. Duncan, R. P. & T. M. Blackburn. 2007. Causes of extinction in island birds. Animal Conservation, 10: 149-150. Ehrlich, P. R. 1987. Conservation lessons from long-term studies of Checkerspot butterflies. Conservation Biology, 1: 129-138. Frankham, R. 2005. Genetics and extinction. Biological Conservation, 126: 131-140. Gaston K. J. 1994. Rarity. Chapman & Hall, London. Gaston, K. J. & T. M. Blackburn. 2000. Pattern and process in macroecology. Blackwell Science, Oxford. Gaston, K. J. & R. A. Fuller. 2008. Commonness, population depletion and conservation biology. Trends in Ecology and Evolution, 23: 14-19. Gaston, K. J., P. A. V. Borges, F. He & C. Gaspar. 2006. Abundance, spatial variance and occupancy: arthropod species distribution in the Azores. Journal of Animal Ecology, 75: 646-656. Gilpin, M. E. & M. E. Soule. 1986. Minimum viable populations: Processes of species extinction. En M. E. Soule (ed.) Conservation Biology: The science of Scarcity and Diversity. Sinauer Sunderland, MA. pp. 19-34. Gonzalez, A., J. H. Lawton, F. S. Gilbert, T. M. Blackburn & I. Evans-Freke. 1998. Metapopulation dynamics, abundance, and distribution in a microecosystem. Science, 281: 2945-2047. Gurd, D. B. 2006. Variation in species losses from islands: artifacts, extirpation rates, or pre-fragmentation diversity?. Ecological Applications, 16: 176-185. Hanski, J. H. 2005. The shrinking world: ecological consequences of habitat loss. International Ecology Institute, Oldendorf/Luhe, Germany. Holt, R. D., J. H. Lawton, K. J. Gaston & T. M. Blackburn. 1997. On the relationship between range size and local abundance: back to basics. Oikos, 78: 183-190.

385 pt

386 pt

Jeffrey, D. W. 2001. The roles of environmental non-governmental organisations in the next century. Biol. Environ. Proc. R. Irish Acad., 101B (1-2): 151-156. Klemm, C. de & C. Shine. 1993. Biological diversity conservation and the law: legal mechanisms for conserving species and ecosystems. IUCN, Gland Switzerland, Environmental Policy and Law Paper nº 29. Lawton, J. H. & R. M. May. 1995. Extinction Rates. Oxford University Press, Oxford. Lawton, J. H. 2000. Community ecology in a changing world. International Ecology Institute, Oldendorf/Luhe, Germany. Leakey, R. & R. Lewin. 1995. The Sixth Extinction: Patterns of Life and the Future of Humankind, Anchor. Mace, G. M. & J. E. M. Baillie. 2007. The 2010 biodiversity indicators: challenges for science and policy. Conservation Biology, 21: 1406-1413. Manne, L. L. & S. L. Pimm. 2001. Beyond eight forms of rarity: which species are threatened and which will be next?. Animal Conservation, 4: 221-230. Manne, L. L., T. M. Brooks & S. L. Pimm. 1999. The relative risk of extinction of passerine birds on continents and islands. Nature, 399: 258–261. Marsh, H., A. Denis, H. Hines, A. Kutt, K. McDonald, E. Weber, S. Williams & J. Winter. 2007. Optimizing allocation of management resources for wildlife. Conservation Biology, 21: 387-399. Martín J. L., S. Fajardo, M. A. Cabrera, M. Arechavaleta, A. Aguiar, S. Martín & M. Naranjo. 2005. Evaluación 2004 de especies amenazadas de Canarias. Especies en peligro de extinción, sensibles a la alteración de su hábitat y vulnerables. Consejería de Medio Ambiente y Ordenación Territorial, Gobierno de Canarias. 95 pp + CD. Martín, J. L. 2004. Propuesta metodológica para la catalogación de especies amenazadas en Canarias. En J. M. Fernández-Palacios & C. Morici (eds.) “Ecologia insular”. Asociación española de ecología terrestre (AEET)-Cabildo Insular de La Palma: pp. 385-412. Miller, R. M., J. P. Rodríguez, T. Aniskowicz-Fowler, C. Bambaradeniya, R. Boles, M. A., Eaton, U. Gärdenfors, V. Keller, S. Molur, S. Walker & C. Pollock. 2007. National threatened species listing based on IUCN criteria and regional guidelines: Current status and future perspectives. Conservation Biology, 21: 684-696. Millsap, B. A., J. A. Gore, D. E. Runde & S. I. Cerulean. 1990. Setting priorities for the conservation of fish and wildlife species in Florida. Wildlife Monograph, 111: 1-57. Pimm, S. L., J. L. Gittleman, G. J. Russell & T. M. Brooks. 1996. Extinction rates. Science, 273: 293297. Pimm, S. L., G. J. Russell, J. L. Gittleman & T. M. Brooks. 1995. The future of biodiversity. Science, 269: 347-350. Quammen, D. 1997. The song of dodo: island biogeography in an age of extinction. Simon & schuster, New York. Roughgarden.

Cap. I A lista Top 100

Reid, W. V. & K. R. Miller. 1989. Keeping options alive: The scientific basis for conserving biodiversity. World Resources Institute. Sadler, J. P. 1999. Biodiversity on oceanic islands: a palaeoecological assessment. Journal of Biogeography, 26: 75-87. Sax, D. F., S. D. Gaines & J. H. Brown. 2002. Species invasions exceed extinctions on Islands worldwide: a comparative study of plants and birds. The American Naturalist,160: 766-783. Scarpace, E. K. & J. A. Schimpff. 2001. Endangered and Threatened Species Listing Criteria: A review of Agency and Organizational Experiences. Bureau of Integrated Science Services, Wisconsin Department of Natural Resources. Special publication PUB-SS-957. 109 pp. Scott, P., J. A. Burton & R. Fitter. 1987. Red Data Books: the historical background. En R. Fitter & M. Fitter (eds.) “The Road to Extinction”, IUCN, Gland, Switzerland & Cambridge, UK. Standards and Petitions Working Group. 2006. Guidelines for using the IUCN Red List Categories and Criteria Version 6.2. Prepared by the Standards and Petitions Working Group of the IUCN SSC Biodiversity Assessments Sub-Committee in December 2006. http://app.iucn. org/webfiles/doc/SSC/RedList/RedListGuidelines.pd/. Steadman, D. W. & P. S. Martin. 2003. The late Quaternary extinction and future resurrection of birds on Pacific islands. Earth-Science Reviews, 61: 133–147. Tello-Marquina, J. C. 1975. Los lagartos (Lacerta sp.), una plaga de algunos cultivos de las islas Canarias. Bol. INIA, 1975: 1-3. Troubis, A. Y. & P. G. Dimitrakopoulos. 1998. Geographic coincidence of diversity threatspots for three taxa and conservation planning in Greece. Biological Conservation, 84: 1 - 6 UNEP – United Nations Environment Programme. 2002. Report on the Sixth Meeting of the Conference of the Parties to the Convention on Biological Diversity. (UNEP/CBD/COP/6/20/Part2) Strategic Plan Decision VI/26.

387 pt

Laurissilva, Terceira, Açores. Foto: Paulo Borges.

389 pt

A perspectiva macaronésica José Luis Martín1, Manuel Arechavaleta1, Paulo A. V. Borges2 & Bernardo Faria3 1 Servicio de Biodiversidad, Consejería de Medio Ambiente y Ordenación Territorial, Gobierno de Canarias. Centro de Planificación Ambiental, La Laguna, Santa Cruz de Tenerife, España. e-mail: [email protected]; [email protected]

2 Universidade dos Açores, Dep. de Ciências Agrárias — CITA-A (Azorean Biodiversity Group), Terra-Chã, 9700-851 Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, Portugal. e-mail: [email protected]

3

Secretaria Regional do Ambiente e dos Recursos Naturais - Direcção Regional do Ambiente Rua Dr. Pestana Júnior nº 6 3º Dto 9064-506, Funchal, Madeira, Portugal. e-mail: bernardofaria. [email protected]

As 100 espécies seleccionadas como prioritárias para a gestão na Macaronésia europeia (i.e., Açores, Madeira, Selvagens e Canárias) são maioritariamente das Canárias (51 taxa), em segundo lugar do arquipélago da Madeira (26 taxa) e em terceiro lugar do arquipélago dos Açores (23 taxa). Esta distribuição é apenas mais ou menos concordante com a riqueza relativa das três regiões, já que estão registadas apenas 420 espécies endémicas para os Açores (Borges et al., 2005, 2008a), 1284 espécies endémicas para os arquipélagos da Madeira e Selvagens (Borges et al., 2008b) e 3572 espécies endémicas para as ilhas Canárias (Martín et al., 2005). A lista “Top 100” inclui taxa da flora e da fauna dos três arquipélagos macaronésicos acima referidos. O grupo dominante, ao nível do filo ou da divisão, é o das fanerogâmicas ou plantas com flor, no qual se incluem 66 taxa, seguido dos artrópodes, representados por 17 taxa. A distribuição por arquipélagos é desigual, e embora este padrão global se repita entre as espécies da Madeira e das Canárias, no caso dos Açores isso não sucede: o grupo mais numeroso é de longe o dos artrópodes, que compreende 12 dos 23 taxa seleccionados (Quadro I).

390 pt

Quadro I. Distribuição por grupos e arquipélagos das 100 espécies ameaçadas prioritária de gestão.

Açores

Madeira

Canárias

Total

Fanerogâmicas (Div. Spermatophyta)

7

17

42

66

Coníferas (Div. Pinophyta)

1

1

-

2

Fetos (Div. Pteridophyta)

1

2

-

3

Briófitos (Div. Bryophyta)

1

-

-

1

Vertebrados (Filo Chordata)

1

2

5

8

Artrópodes (Filo Arthropoda)

12

2

3

17

Moluscos (Filo Mollusca)

-

2

1

3

Todas as espécies incluídas na lista “Top 100” vivem no meio terrestre, à excepção de duas que habitam o meio marinho, a saber: a foca monge, Monachus monachus, que vive nas águas costeiras das ilhas Desertas (Madeira), e o crustáceo cirrípede, Megabalanus azoricus, que ocupa as zonas de maré e a zona infralitoral de todas as ilhas do arquipélago dos Açores. À excepção da mencionada foca monge, que tem uma distribuição atlântico-mediterrânica, o resto das espécies são exclusivas de algum dos três arquipélagos. Por sua vez, das 99 espécies endémicas, 86 são endemismos insulares com distribuição restrita a uma única ilha (15 dos Açores, 22 da Madeira e 49 das Canárias). Por outro lado, 15 destes taxa fazem parte de géneros que são exclusivos de algum dos arquipélagos, sendo que 5 destes são monotípicos, o que lhes confere uma maior singularidade genética.

ANÁLISE DOS CRITÉRIOS PARA A SELECÇÃO DE ESPÉCIES DE GESTÃO PRIORITÁRIA Tanto ao conjunto dos critérios utilizados para dar prioridade à protecção como ao conjunto dos critérios seguidos para avaliar as possibilidades de gestão foi atribuído um valor máximo de 100, de modo a que ambos tivessem uma importância equivalente. Não obstante, a nível individual, nem os critérios que compõem cada uma destas

Cap. II A perspectiva macaronésica

séries nem os subcritérios que compõem cada critério tiveram um peso similar dentro do seu próprio conjunto, já que isso dependeu da avaliação relativa dos mesmos realizada pelos gestores especialistas participantes no projecto (ver Quadro II). Quadro II. Pesos relativos dos critérios e subcritérios estabelecidos para dar prioridade à protecção e às possibilidades de gestão.

CRITÉRIO/SUBCRITÉRIO

PESO

PRIORIDADES DE PROTECÇÃO

100%

Valor ecológico Papel ecológico

22,93%

Singularidade Raridade em termos de distribuição

16,01%

Raridade em termos de abundância

12,60%

Singularidade genética

11,28%

Responsabilidade de tutela Ocorrência

12,90%

Declínio

15,46%

Valor social Valor social PRIORIDADES DE GESTÃO

8,80% 100%

Ameaça Conhecimento da ameaça

19,83%

Capacidade de controlo da ameaça

22,16%

Sinergias extrínsecas Financiamento e custos

16,85%

Apoio da comunidade

11,50%

Protecção territorial

12,33%

Tempo de duplicação

17,42%

Biologia

No momento de pontuar cada taxon, em alguns destes os valores somados obtidos com base nos critérios e subcritérios para dar prioridade à protecção foram superiores aos valores somados com base no conjunto de critérios e subcritérios para dar prioridade às possibilidade de gestão, mas para a maior parte dos taxa as pontuações foram superiores para os critérios de gestão (Fig. 1). No entanto, o valor de ambos os conjuntos esteve mais equilibrado quando se considera apenas o grupo das espécies da lista “Top 100”.

391 pt

392 pt

Nbdbspotjb

BŽpsft 211

QSJPSJEBEFT!FN!U„SNPT!EF!QSPUFDƒÍP

211 :1

:1

91

91

81

81

71

71

61

61

51

51

41

41

31

31

21

21

1

1

31

51

71

91

211

1

1

31

51

Ftqdjft!gpdbjt

Ftqdjft!gpdbjt

Upq!211!Nbdbspotjb

Upq!211!Nbdbspotjb

211

211

:1

:1

91

91

81

81

71

71

61

61

51

51

41

41

31

31

21

21

1 31

51

71

91

211

Dboˆsjbt

Nbefjsb

1

71

91

211

1

1

31

51

Ftqdjft!gpdbjt

Ftqdjft!gpdbjt

Upq!211!Nbdbspotjb

Upq!211!Nbdbspotjb

71

91

211

QSJPSJEBEFT!FN!GVOƒÍP!EBT!QPTTJCJMJEBEFT!EF!HFTUÍP

Figura 1. Representação dos resultados (ponderados a 100) das pontuações de cada taxon a partir dos vários critérios e subcritérios para dar prioridade à protecção e do conjunto de critérios e subcritérios para dar prioridade às possibilidades de gestão. Apresentam-se todos os taxa focais avaliados e em coloração mais escura os taxa seleccionados para a lista “Top 100”.

Cap. II A perspectiva macaronésica

Critérios e subcritérios para dar prioridade à protecção Valor ecológico O peso deste critério mede-se pela importância do único subcritério que o compõe, “1.1 Papel ecológico”, que foi de 22,93% na distribuição de pesos entre os sete subcritérios utilizados para estabelecer prioridades de protecção. A maior parte das espécies seleccionadas partilham o seu papel no ecossistema com mais de duas espécies do seu grupo taxonómico (62%), embora sejam mais as que partilham com três a cinco espécies (41%) do que aquelas com mais de cinco espécies (25%). As restantes espécies podem ser únicas e constituir taxa chave ou estruturantes (19%) ou partilhar o seu papel ecológico com uma ou duas espécies do seu grupo taxonómico (19%) (Quadro III). Quadro III. Papel ecológico: contribuição do taxon nas interacções ecológicas.

2. O papel ecológico no

1. O papel ecológico no

4. Taxon chave

3. Taxon com um papel

ou estruturante

significativo no ecossistema, ecossistema é partilhado

(superpredador, agente

podendo partilhar esse

por outras 3, 4 ou 5 espécies por mais de 5 espécies do

dispersor ou polinizador

papel com uma ou duas

do seu grupo taxonómico.

importante, hospedeiro de

espécies do seu grupo

espécies endémicas, etc.).

taxonómico.

ecossistema é partilhado seu grupo taxonómico.

Açores

15

78,9%

6

31,6%

2

4,9%

0

-

Madeira

3

15,8%

7

36,8%

14

34,2%

2

9,5%

Canárias

1

5,3%

6

31,6%

25

60,9%

19

90,5%

Total

19

100%

19

100%

41

100%

21

100%

A maioria das espécies que partilham o seu papel ecológico com três ou mais espécies são taxa das Canárias, mas quando se trata de espécies com duas ou menos espécies partilhando um papel ecológico semelhante, dominam os taxa dos Açores e da Madeira. A maior parte dos taxa chave ou estruturantes que desempenham esse papel de forma exclusiva são dos Açores (15), sendo poucos os da Madeira (3) ou das Canárias (1) (Quadro III). Tal facto está relacionado com as espécies cavernícolas troglóbias dos Açores, que possuem um papel ecológico único e não compartilhado. Não obstante, as espécies da Madeira são mais (7) quando se trata de taxa que partilham o seu papel ecológico com uma ou duas espécies do seu próprio grupo, mas com uma diferença muito pequena em relação aos Açores (6) ou às Canárias (6). Neste caso trata-se principalmente de plantas, sobretudo na Madeira, e umas poucas espécies de vertebrados, sobretudo nas Canárias. Entre estas últimas estão incluídas algumas das espécies mais ameaçadas do dito grupo, como é o caso dos répteis Gallotia bravoana ou G. simonyi e das aves Pyrrhula murina, Neophron percnopterus majorensis ou Fringilla teydea polatzeki.

393 pt

394 pt

La Gomera, Canárias.

Foto: Kaye Kerr (istockphoto).

De facto, várias das espécies dos Açores que são chave ou estruturantes exclusivas nos seus ecossistemas são artrópodes cavernícolas, como a Macharorchiestia martini, o Trechus oromii ou o Cixius cavazoricus, ocorrendo o mesmo com o único representante das Canárias, Maiorerus randoi. Destaca-se também o escaravelho dos Açores Gietella faialensis, próprio dos habitats costeiros aerolianos de correntes de lava vulcânica solidificada e ainda não colonizadas por vegetação. Há também meia dúzia de plantas repartidas por todos os arquipélagos, um briófito dos Açores (Cheilolejeunea cedercreutzii) e dois vertebrados da Madeira: a foca monge (Monachus monachus) e o pombo-trocaz (Columba trocaz).

Singularidade O peso deste critério foi de 39,89% do total dos critérios utilizados para estabelecer prioridades de protecção, e resulta da soma dos pesos de cada um dos três subcritérios que o compõem, ou seja, 16,01% do subcritério “2.1. Raridade em termos de distribuição”, 12,6% do subcritério “2.2. Raridade em termos de abundância” e 11,28% do subcritério “2.3, Singularidade genética”.

Raridade em termos de distribuição A distribuição das espécies neste critério reflecte fielmente uma das características dos biota dos arquipélagos: a sua distribuição restrita. De facto, 82% de todas as espécies se-

Cap. II A perspectiva macaronésica

leccionadas são endémicas de uma única ilha e a sua área de distribuição não alcança os 5% da superfície insular (Quadro IV). A proporção de espécies raras por arquipélagos foi maior nas Canárias, onde estão 49 das 82 espécies do grupo. Quadro IV. Raridade em termos de distribuição.

4. Espécie endémica de uma 3. Espécie endémica de uma 2. Espécie endémica de só ilha da Macaronésia e

só ilha da Macaronésia ou

duas ou mais ilhas da

extremamente rara (área

subespécie endémica de

Macaronésia ou subespécie

de ocupação < 5% da

uma só ilha da Macaronésia endémica de uma ou mais

superfície da ilha).

e extremamente rara (área

1. Taxon nativo da Macaronésia.

ilhas da Macaronésia.

de ocupação < 5% da superfície da ilha). Açores

12

14,6%

3

50,0%

8

72,7%

0

-

Madeira

21

25,6%

1

16,7%

3

27,3%

1

100%

Canárias

49

59,8%

2

33,3%

0

-

0

-

Total

82

100%

6

100%

11

100%

1

100%

Entre as espécies mais raras, a maioria são plantas e artrópodes, embora também se incluam quatro vertebrados de distribuição local, possivelmente como consequência de intensas regressões na sua distribuição sofridas durante décadas ou séculos. É o caso dos répteis das Canárias Gallotia bravoana, G. simonyi e G. intermedia, e do priôlo de São Miguel (Açores) Pyrrhula murina. A distribuição destas espécies não alcança em nenhum caso mais de 10 km2. As espécies com distribuição muito restrita são três moluscos (dois deles da Madeira), 15 artrópodes (a maioria dos Açores) e 60 plantas (13 da Madeira, uma dos Açores e as restantes das Canárias).

Raridade em termos de abundância Quase todas as espécies que possuem menos de 1000 indivíduos reprodutores eram endemismos insulares restringidos a uma superfície inferior a 5% da sua ilha. Existe pois uma evidente relação entre a raridade em termos de distribuição do subcritério anterior e a raridade em termos de abundância deste subcritério. De facto, a distribuição e a abundância constituem as duas faces de uma mesma moeda, sendo que a maior parte das espécies raras são consideradas “duplas raras”, i.e., ocupam poucos locais e são em média pouco abundantes nesses locais (Gaston, 1994; Lawton, 2000).

395 pt

396 pt

As três categorias com menos de 1000 indivíduos adultos estão representadas de forma semelhante, enquanto que o intervalo com mais de 1000 indivíduos conta com menos espécies. A maioria das espécies com menos de 250 indivíduos vivem nas Canárias e na Madeira, e a maioria das espécies com mais de 250 indivíduos habitam nas Canárias e nos Açores (Quadro V). Entre as espécies com menor efectivo populacional encontra-se Solanum vespertilium subsp. doramae, da qual se conhece menos de uma dúzia de indivíduos na natureza. Quadro V. Raridade em termos de abundância.

4. Taxon com menos de 50

3. Taxon com menos de 250 2. Taxon com menos

1. Taxon com mais de 1000

indivíduos reprodutores.

indivíduos reprodutores.

indivíduos reprodutores.

de 1000 indivíduos reprodutores.

Açores

2

8,4%

5

17,3%

10

31,3%

6

40,0%

Madeira

11

45,8%

9

31,0%

5

15,6%

1

6,7%

Canárias

11

45,8%

15

51,7%

17

53,1%

8

53,3%

Total

24

100%

29

100%

32

100%

15

100%

Todas as espécies com menos de 50 indivíduos adultos (máxima pontuação na escala) são endémicas de algum dos três arquipélagos, e o mesmo ocorre com as espécies do grupo que tem entre 50 e 250 indivíduos adultos. Contudo, uma das espécies do grupo que tem entre 250 e 1000 indivíduos adultos não é endémica: a foca Monachus monachus, que em todo o mundo conta com uma população de menos de 600 efectivos.

Singularidade genética Quase todos os taxa pertencem a géneros com cinco ou mais espécies (78), uns poucos são o único representante de um género (7) e nenhum é o único representante de uma família, que seria a situação de máxima singularidade genética (Quadro VI). Quadro VI. Singularidade genética.

4. Taxon de uma família

3. Taxon de um género

2. Taxon que pertence a

1. Taxon que pertence a um

monotípica.

monotípico.

um género com quatro ou

género com mais de quatro

menos espécies.

espécies.

Açores

0

-

3

42,8%

2

13,3%

18

23,1%

Madeira

0

-

2

28,6%

3

20,0%

21

26,9%

Canárias

0

-

2

28,6%

10

66,7%

39

50,0%

Total

0

-

7

100%

15

100%

78

100%

Cap. II A perspectiva macaronésica

As sete espécies monotípicas são de grupos variados, e incluem uma ave presente nas Canárias (Neophron percnopterus), um molusco da Madeira (Idiomela subplicata), duas plantas —uma da Madeira (Monizia edulis) e uma dos Açores (Azorina vidalii)—, e dois artrópodes —um opilione das Canárias (Maiorerus randoi) e um anfípode dos Açores (Macarorchiestia martini)—. De todos estes géneros, o Neophron é o único que não é endémico, pois encontra-se também em África, sul da Europa e em parte da Ásia. Apesar disso, a espécie Neophron percnopterus é o único representante vivo do género em todo o mundo, e a subespécie majorensis, das Canárias, restringe-se a este arquipélago. A única espécie não endémica é a foca monge, Monachus monachus, que se enquadra no grupo de géneros não monotípicos mas com menos de cinco espécies. O género conta em todo o mundo com apenas cinco espécies vivas.

Responsabilidade de tutela O peso deste critério foi de 28,36% do total de critérios utilizados para estabelecer prioridades de protecção, e resulta da soma dos pesos de cada um dos subcritérios que o compõem, ou seja: 12,90% do subcritério “3.1. Ocorrência” e 15,46% do subcritério “3.2., Declínio”.

Ocorrência Dado que quase todas as espécies são endémicas de algum dos arquipélagos, terão pontuação máxima neste subcritério, enquanto que a espécie não endémica Monachus monachus, que tem mais de 90% das suas populações fora da Macaronésia, terá pontuação mínima (Quadro VII). Quadro VII. Segundo ocorrência.

4. Taxon endémico da

3. Mais de 50% da sua

2. Entre 25% e 50% da

1. Menos de 25% da

Macaronésia.

população ou área de

sua população ou área

sua população ou área

distribuição está na

de distribuição está na

de distribuição está na

Macaronésia.

Macaronésia.

Macaronésia.

Açores

23

23,2%

0

-

0

-

0

-

Madeira

25

25,3%

0

-

0

-

1

100%

Canárias

51

51,5%

0

-

0

-

0

-

Total

99

100%

0

-

0

-

1

100%

397 pt

398 pt

Declínio Em 25 espécies considerou-se que não haviam dados para deduzir que haviam sofrido um declínio significativo, enquanto que nas restantes 75 espécies o declínio foi manifesto, ou porque se tratava de uma espécie com uma distribuição muito pequena (de 3 km2 ou menos) e registaram-se perdas em algumas localidades ou na sua abundância, ou porque sendo mais comuns, experimentaram uma regressão de pelo menos 25%. Este segundo grupo de espécies com declínio inclui todos os taxa dos Açores, 73% dos da Madeira e 65% dos das Canárias (Quadro VIII). Quadro VIII. Grau de declínio.

4. Taxon cujo declínio

3. Taxon cujo declínio

2. Taxon cujo declínio

1. Taxon nativo na

(populacional ou de área

(populacional ou de área

(populacional ou de área

Macaronésia cujos dados

de distribuição) tenha sido,

de distribuição) tenha sido,

de distribuição) tenha sido,

não permitem deduzir um

pelo menos, de 70% em 10

pelo menos, de 50% em 10

pelo menos, de 25% em 10

declínio que alcance os

anos ou 3 gerações, ou que

anos ou 3 gerações, ou que

anos ou 3 gerações, ou que

limites anteriores.

contando com uma área de

contando com uma área de

contando com uma área de

ocupação inferior a 1km2,

ocupação inferior a 2km2,

ocupação inferior a 3km2,

tenha mostrado um declínio tenha mostrado um declínio tenha mostrado um declínio nos últimos 10 anos ou 3

nos últimos 10 anos ou 3

nos últimos 10 anos ou 3

gerações.

gerações.

gerações.

Açores

3

14,3%

6

-

14

40,0%

0

-

Madeira

5

23,8%

2

-

12

34,3%

7

28,0%

Canárias

13

61,9%

11

-

9

25,7%

18

72,0%

Total

21

100%

19

-

35

100%

25

100%

Cerca de 21 espécies sofreram um declínio muito acentuado, de pelo menos 75% ou alguma perda de localidades e/ou abundância se a ocupação inicial era inferior a 1 km2. Entre elas encontrava-se o Monachus monachus da Madeira. As restantes eram maioritariamente plantas dos três arquipélagos, sobretudo das Canárias (11), dois artrópodes (Pimelia fernandezlopezi das Canárias e Calathus lundbladi dos Açores) e dois moluscos (Parmacella tenerifensis das Canárias e Geomitra turricula da Madeira). Outras 19 espécies sofreram um declínio médio de pelo menos 50% ou alguma perda de localidades e/ou abundância se a ocupação inicial era inferior a 2 km2. A maioria são plantas presentes nas Canárias (11), mas está também incluído um briófito (Cheilolejeunea cedercreutzii) e um invertebrado marinho (Megabalanus azoricus) dos Açores, e dois vertebrados das Canárias (Fringilla teydea e Neophron percnopterus). Finalmente, 35 espécies sofreram um declínio menor, de pelo menos 25% ou alguma perda de localidades e/ou abundância se a sua ocupação inicial era inferior a 3 km2.

Cap. II A perspectiva macaronésica

Neste último caso, a maioria das espécies são das ilhas dos Açores (14), seguindo-se as da Madeira (12) e das Canárias (9). O grupo taxonómico dominante é também o das plantas (22), maioritariamente da Madeira (11), seguido dos artrópodes (11), maioritariamente dos Açores (10). Também está incluído neste grupo o molusco da Madeira Idiomela subplicata e a ave dos Açores Pyrrhula murina.

Valor social São muito poucas as espécies com um elevado valor social para a sociedade, pelo menos num arquipélago (10% do total) ou numa ilha concreta (7%) (Quadro IX). Cerca de 56% é a percentagem de espécies geralmente desconhecida para um amplo grupo da sociedade e 27% são conhecidas por apenas um grupo da sociedade como uma ONGA ou outra organização semelhante. Quadro IX. Valor social, incluindo tanto o valor de uso como o de não uso, do taxon (não do seu habitat).

4. Taxon de alto valor

3. Taxon de alto valor social

2. Taxon de alto valor social, 1. Taxon geralmente

social para a sociedade

para a sociedade de pelo

no mínimo para um grupo

desconhecido para a

na Macaronesia ou numa

menos uma das ilhas da

de interesse relevante na

maioria da sociedade.

parte significativa desta

Macaronésia.

região ou parte significativa

(arquipélago).

desta (arquipélago).

Açores

2

20,00%

4

57,1%

14

51,9%

3

5,4%

Madeira

4

40,00%

0

-

8

29,6%

14

25,0%

Canárias

4

40,00%

3

42,9%

5

18,5%

39

69,6%

Total

10

100%

7

100%

27

100%

56

100%

As espécies mais valorizadas socialmente a nível de arquipélago são os vertebrados (independentemente de serem ou não endémicos) e as plantas de interesse ornamental, medicinal, etc. Neste grupo encontram-se duas aves das Canárias (Neophron percnopterus e Fringilla teydea), a foca monge da Madeira (Monachus monachus), um invertebrado dos Açores (Megabalanus azoricus) e seis plantas, três delas da Madeira (Geranium maderense, Jasminum azoricum e Sambucus lanceolata), duas das Canárias (Lotus maculatus e L. berthelotii) e uma dos Açores (Azorina vidalii). As espécies mais valorizadas socialmente, pelo menos numa das ilhas, são três vertebrados (Gallotia bravoana em La Gomera, G. simonyi em El Hierro e Pyrrhula murina em São Miguel) e três espécies de árvores dos Açores (Prunus lusitanica subsp. azorica, Juniperus brevifolia e Laurus azorica). As espécies menos valorizadas foram os artrópodes e algumas plantas.

399 pt

400 pt

Critérios e subcritérios para dar prioridade à gestão Ameaça O peso deste critério foi de 41,99% do total dos critérios utilizados para estabelecer prioridades de gestão, e resulta da soma dos pesos dos subcritérios que o compõem, ou seja, 19,83% do subcritério “1.1. Conhecimento da ameaça” e 22,16% do subcritério “1.2. Capacidade de controlo da ameaça”.

Conhecimento da ameaça Para a maioria dos taxa seleccionados presume-se um declínio que é alheio às flutuações naturais e tem-se uma ideia de qual o factor de ameaça que o afecta. Em 86 espécies conhece-se bem a importância relativa da ameaça, contudo, para 14 espécies essa não é bem conhecida (Quadro X). Entre estas últimas estão 8 plantas (quatro dos Açores e quatro das Canárias), quatro artrópodes (três dos Açores e um da Madeira), um briófito (Cheilolejeunea cedercreutzii) e uma ave (Fringilla teydea polatzeki). Quadro X. Grau de conhecimento dos factores de ameaça.

4. Conhecem-se os factores 3. Conhecem-se os factores 2. Sabe-se que a espécie

1. Não se sabe se a espécie está em declínio para além

de ameaça e qual a sua

de ameaça mas pouco

está em declínio mas não

importância relativa.

se sabe acerca da sua

se conhecem os factores de de possíveis flutuações

importância relativa.

ameaça.

periódicas.

Açores

15

17,4%

8

57,1%

0

-

0

-

Madeira

25

29,1%

1

7,1%

0

-

0

-

Canárias

46

53,5%

5

35,8%

0

-

0

-

Total

86

100%

14

100%

0

-

0

-

Capacidade de controlo da ameaça A capacidade de controlar a ameaça nas espécies em que esta é conhecida é elevada, sendo muito alta em 34% dos casos, média em 61% e baixa em 4% (Quadro XI). Estas percentagens incluem todas as espécies das Canárias, todas as dos Açores e todas as da Madeira excepto a Euphorbia anachoreta, cuja ameaça se crê não seja controlável.

Cap. II A perspectiva macaronésica

Quadro XI. Capacidade de controlo dos factores de ameaça.

4. A capacidade de

3. A capacidade de

2. A capacidade de

1. Não há capacidade de

controlar ou eliminar os

controlar ou eliminar os

controlar ou eliminar os

controlar ou eliminar os

factores de ameaça é alta.

factores de ameaça

factores de ameaça

factores de ameaça.

é média.

é baixa.

Açores

2

5,9%

20

32,8%

1

25,0%

0

-

Madeira

7

20,6%

15

24,6%

3

75,0%

1

100%

Canárias

25

73,5%

26

42,6%

0

-

0

-

Total

34

100%

61

100%

4

100%

1

100%

Sinergias extrínsecas O peso deste critério é de 40,58%, que corresponde à soma dos pesos de cada um dos três subcritérios que o compõem, isto é: 16,75% do subcritério “2.1. Meios de Financiamento e custos”, 11,50% do subcritério “2.2. Apoio da comunidade“ e 12,22% do subcritério “2.3. Protecção territorial”.

La Palma, Canárias.

Foto: Carlos Más.

401 pt

402 pt

Meios de Financiamento e custos Em quase todas as espécies é possível controlar a ameaça, à excepção da já referida Euphorbia anachoreta que habita no ilhéu de Fora (arquipélago das Selvagens) e conta com muito poucos exemplares. O custo das acções de gestão necessárias para controlar a ameaça, na maioria dos casos (56%) (Quadro XII) não é excessivo e poderia incluirse nos gastos correntes de qualquer administração gestora (47%) ou poderia até não se recorrer a eles (9%) adoptando-se somente determinadas medidas de protecção. Este último caso é o que se verifica com cinco plantas das Canárias (Limonium spectabile, L. vigaroense, Helianthemum tholiforme, Plantago famarae e Tanacetum ptarmiciflorum), um molusco também das Canárias (Parmacella tenerifensis), um invertebrado marinho dos Açores (Megabalanus azoricus) e dois artrópodes, um dos Açores (Turinyphia cavernicola) e outro das Canárias (Pimelia fernandezlopezi). Por exemplo, no caso da aranha cavernícola dos Açores (Turinyphia cavernicola) bastará uma gestão cuidada das actividades de visitação do Algar do Carvão na ilha Terceira (Açores). Em 43 das espécies seleccionadas é necessário um compromisso financeiro a longo prazo para controlar a ameaça (Quadro XII). A maioria é da Madeira (22), seguindo-se as Canárias (14) e finalmente os Açores (7). Quase todas estas espécies são plantas, mas também existem vertebrados (6) e alguns invertebrados. Em todas as espécies deste grupo conhece-se bem qual a sua ameaça e se é controlável, às excepções do carocho Calathus lundbladi e das plantas Argyranthemum thalassophilum, Asparagus nesiotes subsp. nesiotes e Pittosporum coriaceum, em que a capacidade de se controlar a ameaça é considerada baixa. No entanto, no caso de Calathus lundbladi, os esforços recentemente implementados para salvar a espécie de ave endémica da ilha de São Miguel, o priôlo (Pyrrhula murina), poderão reverter esta situação pois tem havido um esforço assinalável para controlar as ameaças de várias plantas invasoras na zona de ocorrência da ave e do carocho Calathus lundbladi. Quadro XII. Meios de financiamento e custos.

4. É possível deter as

3. É possível deter as

2. Deter as ameaças é

1. Não é possível (ou

ameaças sem gastos de

ameaças apenas com os

possível apenas com um

necessário) controlar

tipo algum.

gastos correntes.

compromisso financeiro

as ameaças, ou não se

específico a longo prazo.

sabe quais as ameaças a controlar.

Açores

2

22,2%

14

29,8%

7

16,3%

0

-

Madeira

0

-

3

6,4%

22

51,2%

1

100%

Canárias

7

77,8%

30

63,8%

14

32,5%

0

-

Total

9

100%

47

100%

43

100%

1

100%

Cap. II A perspectiva macaronésica

Apoio da comunidade à recuperação das espécies Para algumas espécies (6), na suas maioria dos Açores (5), prevê-se que ocorra alguma resistência da comunidade na adopção das necessárias medidas de conservação, pelo que e imperioso reverter esta situação. Inclui-se neste grupo de espécies o pombotrocaz da Madeira (Columba trocaz) muito procurado por caçadores, quatro artrópodes cavernícolas dos Açores (Macharorchiestia martini, Cixius cavazoricus, Trechus jorgensis e Pseudoblothrus oromii) que habitam áreas com uso do solo intensivo (habitações ou pastagens intensivas), e o invertebrado marinho dos Açores Megabalanus azoricus, próprio de zonas costeiras e muito procurado para a alimentação humana. Quadro XIII. Apoio da comunidade à recuperação das espécies.

4. Há suficiente apoio da

3. Há suficiente apoio

2. Existe uma posição

1. É muito provável

comunidade para que ela

da comunidade para

polarizada ou neutra

que a comunidade

mesma implemente acções que esta elabore com

da comunidade acerca

resista à adopção das

de recuperação da espécie, a administração as

das medidas de gestão

medidas requeridas para a recuperação; são

sob a supervisão regular da actividades de recuperação. requeridas ou da administração.

catalogação da espécie

requeridas importantes

como ameaçada;

medidas de gestão,

é necessário um plano

incluindo a aplicação

de recuperação.

de normas.

Açores

0

-

7

70,0%

11

13,6%

5

83,3%

Madeira

0

-

2

20,0%

23

28,4%

1

16,7%

Canárias

3

100%

1

10,0%

47

58,0%

0

-

Total

3

100%

10

100%

81

100%

6

100%

A maioria dos taxa seleccionados (81%) enquadram-se na categoria de espécies sobre as quais é segura uma posição polarizada ou neutral da sociedade no que diz respeito à sua recuperação ou à mera catalogação oficial como espécie protegida (Quadro XIII). Para estas espécies considera-se que seria necessário um plano de acção para coordenar as acções de conservação. Só relativamente a três taxa se estima que haja suficiente apoio da sociedade para que ela mesma implemente acções de recuperação, possibilitando diminuir a supervisão das instituições públicas; trata-se do “guirre” (Neophron percnopterus), do tentilhão azul da Gran Canaria (Fringilla teydea polatzeki) e do lagarto gigante de La Gomera (Gallotia simonyi). É possível que tal se deva ao facto destas espécies estarem a receber desde há bastante tempo uma atenção privilegiada, o que indirectamente terá contribuído para criar uma consciência social sobre a necessidade da sua conservação.

403 pt

404 pt

Relativamente a outras dez espécies considera-se que existe apoio suficiente da sociedade para que esta colabore com as instituições públicas na sua conservação. Incluemse nestas: três vertebrados, um das Canárias (Gallotia bravoana), outro da Madeira (Monachus monachus) e outro dos Açores (Pyrrhula murina); três artrópodes, um da Madeira (Chrysolina fragariae) e dois dos Açores (Calathus lundbladi e Turinyphia cavernicola); o briófito dos Açores (Cheilolejeunea cedercreutzii); e três fanerogâmicas dos Açores (Juniperus brevifolia, Laurus azorica e Azorina vidalii). No caso de Calathus lundbladi o apoio é indirecto através dos esforços na recuperação populacional de Pyrrhula murina.

Protecção territorial A maioria das espécies seleccionadas possui todas as suas populações dentro de áreas protegidas (73%) (Quadro XIV). Por arquipélagos, esse valor é máximo nas Canárias e na Madeira —86% e 77% das suas espécies, respectivamente— e mínima nos Açores (39%). Das restantes, 16% tem somente uma parte das suas populações dentro de espaços protegidos e 11% estão completamente fora. Quadro XIV. Presença em áreas protegidas.

4. A totalidade da

3. Pelo menos 50% da

2. Menos de 50% da

1. Não há população dentro

população está em áreas

população está em áreas

população está em áreas

de áreas protegidas.

protegidas.

protegidas.

protegidas.

Açores

9

12,3%

5

45,4%

3

60,0%

6

54,5%

Madeira

20

27,4%

3

27,3%

1

20,0%

2

18,2%

Canárias

44

60,3%

3

27,3%

1

20,0%

3

27,3%

Total

73

100%

11

100%

5

100%

11

100%

Mais de metade das 11 espécies que se encontram fora de espaços protegidos são dos Açores (6), enquanto que três são das Canárias e duas da Madeira. A maioria são artrópodes cavernícolas como Macharorchiestia martini, Thalassophilus azoricus, Trechus oromii, T. jorgensis, Cixius cavazoricus e Pseudoblothrus oromii dos Açores, e Maiorerus randoi das Canárias; quatro são fanerogâmicas, uma das Canárias (Helianthemum aganae) e duas da Madeira (Aichryson dumosum e Jasminum azoricum). A ocorrência fora de áreas protegidas dificulta a gestão destas espécies.

Biologia O peso deste subcritério mede-se pela importância do único subcritério que o compõe, “3.1. Potencial biológico de recuperação da espécie num tempo determinado supondo

Cap. II A perspectiva macaronésica

o controlo das ameaças”, e foi de 17,42% na divisão de pesos entre os seis subcritérios utilizados para estabelecer prioridades de gestão. Corresponde a 62% as espécies que necessitam mais de cinco anos e menos de 10 para poderem duplicar as suas populações e a 28% as que requerem menos de cinco anos (Quadro XV), mas só duas espécies —o molusco Parmacella tenerifensis e a planta Crambe sventenii— têm potencial intrínseco para duplicar as suas populações em menos de um ano se fossem controladas as ameaças que as afectam. As espécies de árvores e vertebrados de maior porte requerem, de modo geral, mais tempo, mais próximo dos dez anos, enquanto que as herbáceas e os artrópodes precisam de menos tempo, embora também tenham influência outros aspectos, como o tamanho da população, a taxa reprodutiva, a taxa de sobrevivência, etc. Quadro XV. Potencial biológico de recuperação da espécie num tempo determinado supondo o controlo das ameaças.

4. A espécie tem

3. A espécie tem

2. A espécie tem

1. A espécie levaria mais

capacidade para duplicar a capacidade para duplicar a capacidade para duplicar a de 10 anos a duplicar a sua sua população em menos

sua população em menos

sua população em menos

de um ano.

de 5 anos.

de 10 anos.

população.

Açores

0

-

1

4,0%

21

35,6%

1

7,1%

Madeira

0

-

8

32,0%

13

22,0%

5

35,8%

Canárias

2

100%

16

64,0%

25

42,4%

8

57,1%

Total

2

100%

25

100%

59

100%

14

100%

ESTATUTO DE CONSERVACÃO Evolução das populações e tendências A análise global da evolução das populações das 100 espécies seleccionadas revela que uma boa parte delas (42%) terão experimentado nas últimas três décadas um declínio no número de indivíduos, enquanto que outras tantas se terão mantido estáveis (Fig. 2). As restantes ou mostraram um aumento (9 taxa) ou não existe informação suficiente para inferir a sua evolução (7 taxa). Quando se fazem previsões do que ocorrerá no futuro, a situação é diferente: em termos absolutos as proporções entre as quatro categorias definidas não variam, mas existem muitas mudanças na dinâmica que as espécies irão experimentar. Todas as

405 pt

406 pt

que têm mostrado declínio terão essa tendência também no futuro —excepto a Stemmacantha cynaroides, que se prevê aumentará o seu efectivo—, e pelo menos cinco das que se terão mantido estáveis previsivelmente também experimentarão declínio, aumentando a proporção de espécies em declínio para os 46%. Consequentemente, o número de espécies que se terão mantido estáveis desce até aos 37% e as espécies em franca recuperação continuarão sendo 9. A evolução da área de ocupação e a sua tendência comportam-se de forma semelhante. O número de taxa em declínio manter-se-á praticamente idêntico (passará de 38% para 39%), mas com uma alteração importante de espécies: cinco das que estão actualmente em declínio estabilizarão e quatro das que mostraram estabilidade, presumivelmente, entrarão em declínio. Por sua vez as espécies que apresentam uma dinâmica estável descem de 54% para 46%, a favor das que se prevê aumentarem a sua área de distribuição (de 5 passam a 8) e de outras de tendência desconhecida (que de 3 passam a ser 7).

Figura 2. Distribuição do número de taxa em cada uma das categorias estabelecidas para caracterizar a evolução e a tendência dos tamanhos populacionais e das áreas de ocupação.

Uma análise pormenorizada por arquipélagos revela alguns dados interessantes. O mais significativo é que nenhuma das espécies da Madeira terá tido uma evolução negativa nas três últimas décadas, nem relativamente ao seu tamanho populacional nem à sua área de distribuição, e além disso nenhuma delas se prevê venha a sofrer declínio no futuro, pelo menos de acordo com a actual tendência. Pelo contrário, praticamente nenhuma das espécies dos Açores terá experimentado um aumento no número de indivíduos ou na sua área de distribuição, nem é previsível que isso venha a ocorrer nas próximas décadas; a única excepção é a ave endémica Pyrrhula murina cuja população

Cap. II A perspectiva macaronésica

terá crescido durante este período, embora os dados actuais apontem para flutuações anuais e não se saiba bem qual a tendência futura. No que respeita às Canárias, em termos globais prevê-se um agravamento da situação: de 28 taxa em declínio populacional passar-se-á no futuro para 30, e de 22 taxa com diminuição gradual de superfície de ocupação passar-se-á a 25. Uma grande parte dos 100 taxa seleccionados (79) tem populações formadas por menos de 1000 indivíduos adultos (potencialmente reprodutores); os restantes (21 taxa), ou superam este valor ou não se conhece o seu tamanho populacional e, o que é mais significativo, 22 deles contam com menos de 50 indivíduos (Fig. 3).

Figura 3. Distribuição do número de taxa por classes de tamanho populacional, em cada uma das categorias estabelecidas para caracterizar a evolução e a tendência dos tamanhos populacionais.

407 pt

408 pt

Destas últimas, 11 espécies (50%) ter-se-ão mantido estáveis nos últimos 30 anos, somente 3 terão experimentado um incremento e outras 8 terão diminuído neste período. Não obstante, as previsões para o futuro das espécies com menos de 50 indivíduos não são animadoras, pois é de esperar que 9 delas (22%) continuem perdendo efectivos nos próximos anos. No entanto, trabalhos recentes na área da conservação de espécies apontam igualmente para a necessidade de mudança desse paradigma, investindo igualmente nas espécies ameaçadas mas com populações maiores (ver detalhes em Gaston & Fuller, 2008).

Figura 4. Distribuição do número de taxa por classes de tamanho de área de ocupação, em cada uma das categorias estabelecidas para caracterizar a evolução e a tendência da área de ocupação.

Cap. II A perspectiva macaronésica

A maior proporção de espécies com tendência a diminuir no futuro encontra-se entre as que possuem entre 50 e 250 ou entre 250 e 1000 indivíduos (33% em ambos os casos). No que respeita à área de distribuição, em termos absolutos não haverá alterações significativas entre a evolução ocorrida e a que se prevê no futuro (Fig. 4). De facto, praticamente as 15 espécies (39%) que possuem uma área de ocupação de 4 km2 (medida em células de 2 x 2 km) e que reduziram a sua área de distribuição, continuarão com essa tendência, e outras 15 das 41 espécies que têm uma área de ocupação de 4 km2 a 100 km2, também irão ter um declínio.

Estatuto de protecção Apesar dos taxa seleccionados serem considerados prioritários para a gestão no âmbito europeu da Macaronésia, só uma pequena proporção deles (apenas 38%) se inclui entre as espécies de interesse comunitário protegidos pela Directiva Habitats 92/43/CEE e pela Directiva Aves 79/409/CEE (Quadro XVI). É o caso de 3 espécies de aves, 2 moluscos, 2 répteis e 32 plantas vasculares (9 das Canárias e 4 da Madeira são consideradas prioritárias). Quanto aos convénios internacionais de protecção de espécies rectificados por Espanha e Portugal, 48 taxa incluem-se na Convenção de Berna, relativa à conservação da flora e fauna silvestre do continente europeu e só 2 na Convenção de Bona, que promove a conservação das espécies migratórias. Finalmente, só as espécies das Canárias contam com protecção específica derivada de decretos legais de âmbito estatal ou autonómico. Das 51 espécies das Canárias 33 (65%) incluem-se no Catálogo Nacional de Espécies Ameaçadas (32 catalogadas “em perigo de extinção” e 1 como “sensíveis à alteração do seu habitat”) e 47 no Catálogo de Espécies Ameaçadas das Canárias (34 “em perigo de extinção”, 11 como “sensíveis á alteração do seu habitat” e 2 “vulneráveis”). Quadro XVI. Número de taxa protegidos por directivas europeias, convénios internacionais e decretos estatais ou autonómicos.

Açores

Madeira

Canárias

Total

Directiva Habitats

4

17

15

35

Directiva Aves

1

-

2

3

Convenção de Berna

-

1

1

2

Convenção de Bona

6

15

27

48

-

-

33

33

-

-

47

47

Catálogo nacional de espécies ameaçadas Catálogo regional de espécies ameaçadas

409 pt

410 pt

Ameaças As ameaças que têm maior impacto para os 100 taxa seleccionados são aquelas que supõem a perda ou degradação dos seus habitats naturais ou as que são consequência do impacto directo de espécies exóticas (Quadro XVII). De resto, 71% dos taxa é afectado pelas primeiras e 69% pelas segundas, e 92 dos 100 taxa seleccionados sofrem consequências de um ou outro tipo de ameaça ou dos dois. Este resultado reflecte o que se passa na maior parte dos ecossistemas do nosso planeta, em que estes dois factores são os principais promotores de extinções ou erosão da abundância de muitas espécies anteriormente comuns (Gaston & Fuller, 2008). Quadro XVII. Ameaças detectadas e número de espécies afectadas em cada arquipélago.

Açores

Madeira

Canárias

Total

Perda e degradação de habitats

23

35,4%

19

27,5%

29

25,9%

71

28,9%

Espécies exóticas

11

16,9%

16

23,2%

42

37,5%

69

28,0%

Actividades humanas

16

24,6%

18

26,1%

18

16,1%

52

21,1%

6

9,2%

7

10,1%

14

12,5%

27

11,0%

Mortalidade acidental

9

13,8%

4

5,8%

8

7,1%

21

8,5%

Não existem

-

-

3

4,3%

-

-

3

1,2%

-

-

2

2,9%

-

-

2

0,8%

-

-

-

-

1

0,9%

1

0,4%

Usos e aproveitamento das espécies

Não se conhecem (ou não se sabe se existem) Outros

Os factores identificados como causas da degradação dos habitats, e em casos extremos do seu desaparecimento, são de diversa índole. Para a maioria das espécies (54 taxa), a degradação de habitats consiste numa ameaça genérica, entendida como perda de qualidade do mesmo. Em outros casos essa ameaça atribui-se a factores concretos como a alteração provocada pela invasão de espécies exóticas (40 taxa), o desenvolvimento de infra-estruturas (24 taxa), as alterações no uso do solo (15 taxa), o desenvolvimento agrícola (15 taxa), urbanístico (13 taxa) e a contaminação (10 taxa), entre outros. Relativamente ao impacto directo das espécies exóticas sobre os taxa, o factor mais importante é a herbivoria, que foi identificada como a causa de declínio em 38% dos casos. É especialmente relevante para as espécies das Canárias devido à existência em grandes áreas do arquipélago de pastoreio livre de gado (cabras e ovelhas) assim como coelhos e grandes herbívoros (“arruís” e muflões). Segue-se em importância, a com-

Cap. II A perspectiva macaronésica

Madeira.

Foto: Ina Peters (iphotostock).

petição com espécies exóticas —fundamentalmente plantas introduzidas que substituem as nativas ou impedem a recolonização de áreas importantes —, e o pisoteio provocado pelo pastoreio de gado que, como já foi referido, têm muita importância nas Canárias. Nos Açores a herbivoria provocada por cabras selvagens está praticamente erradicada, mas o impacto dos coelhos na flora nativa é considerado importante. Determinadas actividades humanas incidem também de forma directa sobre as espécies (52 taxa), provocando a diminuição das populações. Destaca-se neste sentido os danos que ocorrem em áreas críticas (afectam 30 taxa) e as actividades turísticas e recreativas (afectam 28 taxa). Com menor relevância que os factores anteriores, determinados usos e aproveitamentos específicos sobre estas espécies têm também um efeito negativo (afectam 27 taxa). É o caso do coleccionismo e o uso científico, cultural, medicinal e alimentar, entre outros. Por último, detectou-se em alguns destes taxa (21) uma elevada mortalidade acidental devido a diversas causas, como o pisoteio involuntário de especímenes (algo habitual em plantas que crescem perto de trilhos e caminhos), o envenenamento por uso de insecticidas ou outros venenos e as colisões com fios eléctricos (Fig. 5.1. e 5.2.).

411 pt

412 pt

Figura 5.1. Distribuição por arquipélagos do número de taxa afectados pelas ameaças detectadas.

Cap. II A perspectiva macaronésica

Figura 5.2. Distribuição por arquipélagos do número de taxa afectados pelas ameaças detectadas.

Factores potencialmente agravantes do estatuto de conservacão das populações Além das ameaças referidas no ponto anterior existem outros factores ou riscos de carácter antropogénico ou natural que podem potencialmente afectar as populações destas espécies e de outros taxa actualmente comuns nos ecossistemas nativos das ilhas da Macaronésia, provocando um agravamento da sua situação. Embora a sua incidência seja, de um modo geral, de carácter aleatório em determinadas circunstâncias podem provocar uma diminuição substancial do número de indivíduos ou das suas áreas de distribuição abaixo dos limites mínimos que garantem a sobrevivência destas espécies.

413 pt

414 pt

Por afectar um maior número de espécies, considera-se que os factores mais importantes são as derrocadas (60 espécies) e as secas prolongadas e intensas (50 espécies) (Quadro XVIII). As primeiras são relevantes sobretudo para espécies de plantas que contam com baixos tamanhos populacionais e que vivem alojadas em paredes escarpadas ou em zonas de risco em que são frequentes as derrocadas e deslizamentos de terra. No entanto, é de assinalar que muitos desses processos fazem parte da dinâmica da vegetação nativa promovendo processos de sucessão primária. Por outro lado, as secas intensas também podem ser perigosas para muitas espécies de plantas em que a germinação das sementes e a sobrevivência das plantas depende em grande medida de uma elevada humidade edáfica, isto num cenário de aquecimento global como o que se prevê com o aumento da temperatura e a mudança no regime de precipitações. Quadro XVIII. Factores antropogénicos e riscos naturais que podem agravar o estatuto de conservação das populações e o número de espécies potencialmente vulneráveis a eles em cada arquipélago.

Açores

Madeira

Canárias

Total

Derrocadas

8

42,1%

15

34,1%

37

35,6%

60

35,9%

Secas

1

5,3%

18

40,9%

31

29,8%

50

29,9%

Tempestades e vendavais

7

36,8%

6

13,6%

11

10,6%

24

14,4%

Temperaturas extremas

1

5,3%

3

6,8%

8

7,7%

12

7,2%

Incêndios

-

-

2

4,5%

10

9,6%

12

7,2%

Outros

2

10,5%

-

-

7

6,7%

9

5,4%

Por razões óbvias, este último factor tem escassa importância nos Açores; Não obstante considera-se relevante neste arquipélago o impacto que podem ter eventuais tempestades e vendavais.

Factores limitantes para a recuperação das populações Determinados factores podem actuar como limitantes na recuperação das populações. Em alguns casos estes são inerentes à biologia e ecologia das espécies, mas em outros devem-se à situação precária em que as populações se encontram do ponto de vista da conservação. Estes factores interferem nos processos de regeneração natural das populações e em alguns casos dificultam os trabalhos de gestão destinados a garantir a sua sobrevivência, ou porque os tornam mais caros ou porque diminuem a sua eficácia.

Cap. II A perspectiva macaronésica

Contar com baixas densidades populacionais, dispor de baixa superfície de habitat potencial, distribuir-se de forma fragmentada e isolada (reduzindo-se com isso as possibilidades de trocas genéticas entre os indivíduos) e possuir baixas taxas de crescimento populacional são os factores mais relevantes para a maioria das espécies. De resto cada uma destas limitações afecta praticamente metade dos 100 taxa seleccionados (Quadro XIX). Este fenómeno repete-se de forma similar entre as espécies dos três arquipélagos, se bem que com algumas diferenças: nos Açores é mais preocupante uma disponibilidade reduzida de habitat, já que a floresta nativa está reduzida a apenas 2% da superfície terrestre (Gaspar, 2007); na Madeira, é o isolamento entre os núcleos populacionais; e nas Canárias é a baixa taxa de crescimento das populações. Quadro XIX. Factores limitantes na recuperação natural ou induzida das populações e número de espécies potencialmente vulneráveis a estes em cada arquipélago.

Açores

Madeira

Canárias

Total

Baixa densidade populacional

10

19,2%

12

18,2%

27

18,1%

49

18,2%

Superfície de habitat reduzida

16

30,8%

10

15,2%

20

13,4%

46

17,1%

Isolamento de subpopulações/indivíduos

9

17,3%

15

22,7%

21

14,1%

45

16,7%

Baixa taxa de crescimento populacional

4

7,7%

10

15,2%

29

19,5%

43

16,0%

6

11,5%

8

12,1%

14

9,4%

28

10,4%

Dispersão limitada

4

7,7%

8

12,1%

9

6,0%

21

7,8%

Alta mortalidade juvenil

2

3,8%

-

-

10

6,7%

12

4,5%

Baixa capacidade de reprodução

1

1,9%

1

1,5%

6

4,0%

8

3,0%

Escassa germinação

-

-

2

3,0%

6

4,0%

8

3,0%

Outros

-

-

-

-

6

4,0%

6

2,2%

Polinização limitada

-

-

2

3,0%

1

0,7%

3

1,1%

Processos de endogamia ou empobrecimento genético

Desde o ponto de vista da gestão, o facto de ter uma reduzida superfície de habitat disponível é, entre os anteriores factores o mais difícil de atenuar. De modo geral afecta as espécies que vivem em habitats singulares com escassa extensão superficial, ou em habitats muito alterados pelo Homem. Neste sentido, há que realçar que para muitas espécies seleccionadas (12%) este é o único factor limitante.

415 pt

416 pt

Uma análise separada das espécies animais e vegetais, revela as diferenças entre elas. Enquanto que para as primeiras, possuir um habitat potencial escasso e baixas densidades populacionais é determinante na regeneração das suas populações, no caso das plantas vasculares tem maior importância o facto de possuírem núcleos populacionais isolados e uma baixa taxa de crescimento populacional (Quadro XX). Quadro XX. Percentagem de espécies animais e vegetais potencialmente afectadas pelos factores limitantes à recuperação das populações.

Fauna

Flora

Baixa densidade populacional

60,7 %

45.8%

Superfície de habitat reduzida

75,0 %

34.7%

Isolamento de subpopulações/indivíduos

21,4 %

56.9%

Baixa taxa de crescimento populacional

28,6 %

48.6%

Processos de endogamia ou empobrecimento genético

21,4 %

30.6%

Dispersão limitada

3,6 %

27.8%

Alta mortalidade juvenil

7,1 %

13.9%

Baixa capacidade de reprodução

28,6 %

-

Escassa germinação

-

11.1%

Outros

-

8.3%

Polinização limitada

-

4.2%

2.2.6. Acções de conservação propostas Depois de analisar o estado de conservação das populações das 100 espécies seleccionadas, as ameaças que incidem sobre elas, os factores potencialmente agravantes do seu estado de conservação e as limitações biológicas das espécies, propôs-se uma serie de acções de conservação orientadas de forma a melhorar o seu estado. O controlo, na medida do possível, ou a eliminação dos factores que ameaçam tanto as espécies como os seus habitats desempenha um papel relevante para 73% das espécies. Na maioria dos casos as medidas de controlo referem-se à localização de redes e outras formas de controlo de herbívoros (coelhos, cabras, ovelhas, etc.) que afectam as populações de plantas, assim como a erradicação ou redução das populações de espécies exó-

Cap. II A perspectiva macaronésica

ticas, tanto vertebrados introduzidos (ratazanas, ratos, gatos, etc.) que predam espécies animais ameaçadas, como plantas invasoras que colonizam os habitats naturais e seminaturais. Em muitos outros casos se sugere também a necessidade de regular diferentes actividades humanas que interfiram com as espécies, tais como o turismo, actividades recreativas de diversa índole e o desenvolvimento urbanístico (Quadro XXI). Quadro XXI. Acções de conservação propostas para a conservação das espécies em cada arquipélago.

Açores

Madeira

Canárias

Total

Controlo/eliminação de ameaças

20

18,5%

8

9,1%

45

22,7

73

18,5%

Manutenção/conservação do habitat

20

18,5%

15

17,0%

21

10,6

56

14,2%

3

2,8%

17

19,3%

33

16,7

53

13,5%

12

11,1%

17

19,3%

19

9,6

48

12,2%

Reforço de (sub)populações

8

7,4%

12

13,6%

28

14,1

48

12,2%

Restauração do habitat

8

7,4%

6

6,8%

15

7,6

29

7,4%

Campanhas de informação

8

7,4%

3

3,4%

17

8,6

28

7,1%

Outras

10

9,3%

6

6,8%

5

2,5

21

5,3%

Estabelecimento de áreas protegidas

8

7,4%

2

2,3%

5

2,5

15

3,8%

Estabelecimento de corredores

2

1,9%

0

-

6

3,0

8

2,0%

Gestão sustentável do uso da espécie

2

1,9%

2

2,3%

3

1,5

7

1,8%

Cursos de formação

4

3,7%

0

-

1

0,5

5

1,3%

Transladação de (sub)populações

3

2,8%

-

-

-

-

3

0,8%

(Re)introdução de novas (sub) populações Campanhas de consciencialização social

Como segunda prioridade considera-se importante levar a cabo trabalhos de manutenção e conservação dos habitats (especialmente nos Açores), assim como acções de introdução e reintrodução de novos núcleos populacionais ou de reforço dos existentes (especialmente na Madeira e nas Canárias). Está patente também a necessidade de colocar em marcha campanhas de consciencialização social que, junto com as campanhas de formação, constituem uma ferramenta fundamental para garantir a efectividade das acções de gestão. A importância relativa das acções propostas é similar nos três arquipélagos, embora existam algumas particularidades. Nas Canárias dá-se maior ênfase à intervenção directa para o controlo das ameaças detectadas. Na Madeira requerem maior atenção as acções de conservação dos habitats e das populações (mediante reforços e criação de novos núcleos populacionais), assim como as campanhas de consciencialização social. Nos Açores, além das acções anteriores, destaca-se também a importância de se

417 pt

418 pt

estabelecer novas áreas protegidas e de se produzir planos legais de recuperação (incluindo a parte relativa a “Outras”), evidenciando a necessidade de se instaurarem leis e normas que dêem cobertura legal à preservação das espécies.

Deficiências na informação Já foi referido em secções anteriores que das várias espécies seleccionadas não dispomos de dados sobre o tamanho populacional e sobre a sua área de distribuição, nem tão pouco sobre a evolução que estas terão sofrido durante a última década; para estas e para outras espécies tão pouco se pode determinar com certeza qual a sua tendência para as próximas décadas. Mas as carências na informação vão mais além e em muitos casos torna-se necessário desenvolver estudos de investigação específicos sobre diversos aspectos de modo que as suas conclusões facilitem a avaliação do estado de conservação das espécies e orientem na tomada de decisões para uma gestão efectiva. A importância dos diferentes estudos e investigações efectuados estão referidos no Quadro XXII. Ampliar conhecimentos sobre a biologia e ecologia das espécies estimase necessário quase em três de cada quatro espécies. É também fundamental em muitos casos (63 taxa) desenvolver estudos de dinâmica populacional que forneçam informação sobre as flutuações populacionais, as taxas de crescimento e sobrevivência e outros parâmetros de ecologia das populações. E em terceiro lugar existe uma necessidade importante de estudos de genética (50 taxa) que nos ajudem a conhecer a estruturação genética espacial das populações. Quadro XXII. Estudos e investigações que se consideram necessários por deficiências na informação disponível.

Açores

Madeira

Canárias

Total

Biologia e ecologia

14

14,3%

26

26,0%

34

26,2%

74

22,6%

Dinâmica de populações

13

13,3%

23

23,0%

27

20,8%

63

19,2%

Genética

10

10,2%

22

22,0%

18

13,8%

50

15,2%

Efeito de acções de conservação

9

9,2%

9

9,0%

18

13,8%

36

11,0%

Estado de conservação do habitat

17

17,3%

5

5,0%

9

6,9%

31

9,5%

Ameaças

11

11,2%

7

7,0%

8

6,2%

26

7,9%

Distribuição

9

9,2%

5

5,0%

10

7,7%

24

7,3%

Taxonomia

10

10,2%

2

2,0%

3

2,3%

15

4,6%

Nível de uso e aproveitamento

2

2,0%

1

1,0%

2

1,5%

5

1,5%

Relevância cultural

2

2,0%

-

-

-

-

2

0,6%

Outros

1

1,0%

-

-

1

0,8%

2

0,6%

Cap. II A perspectiva macaronésica

BIBLIOGRAFIA Borges, P. A. V., C. Abreu, A. M. F. Aguiar, P. Carvalho, R. Jardim, I. Melo, P. Oliveira, C. Sérgio, A. R. M. Serrano & P. Vieira (eds.). 2008b. A list of the terrestrial fungi, flora and fauna of Madeira and Selvagens archipelagos. Direcção Regional do Ambiente da Madeira and Universidade dos Açores, Funchal and Angra do Heroísmo. Borges, P. A. V., I. R. Amorim, R. Cunha, R. Gabriel, A. F. Martins, L. Silva, A. Costa & V. Vieira. 2008a. Azores – Biology. In: R. Gillespie & D. Clagu (eds.). Encyclopedia of Islands, in press. University of California Press, California. Borges, P. A. V., R. Cunha, R. Gabriel, A. F. Martins, L. Silva & V. Vieira (eds.). 2005. A list of the terrestrial fauna (Mollusca and Arthropoda) and flora (Bryophyta, Pteridophyta and Spermatophyta) from the Azores. Direcção Regional do Ambiente and Universidade dos Açores, Horta, Angra do Heroísmo and Ponta Delgada. Gaspar, C. 2007. Arthropod diversity and conservation planning in native forests of the Azores archipelago. Ph.D. Thesis. Department of Animal and Plant Sciences. University of Sheffield. Sheffield. Gaston K. J. (1994). Rarity. Chapman & Hall, London. Gaston, K. J. & R. A. Fuller. 2008. Commonness, population depletion and conservation biology. Trends in Ecology and Evolution, 23: 14-19. Lawton, J. H. 2000. Community ecology in a changing world. International Ecology Institute, Oldendorf/Luhe, Germany. Martín, J. L., M. C. Marrero, N. Zurita, M. Arechavaleta & I. Izquierdo. 2005. Biodiversidad en gráficas. Especies silvestres de las islas Canarias. Consejería de Medio Ambiente y Ordenación Territorial, Gobierno de Canarias. 56 pp.

419 pt

Canárias. Foto: Daniel Montero Vítores.

421 pt

A perspectiva arquipelágica: Açores Pedro Cardoso1, Paulo A. V. Borges1, Ana C. Costa2, Regina Tristão da Cunha2, Rosalina Gabriel1, António M. de Frias Martins2, Luís Silva2, Nídia Homem1, Mónica Martins2, Pedro Rodrigues2, Berta Martins1 & Enésima Mendonça1 1

Universidade dos Açores, Dep. de Ciências Agrárias – CITA-A (Azorean Biodiversity Group), Terra-Chã, 9700-851 Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, Portugal. e-mail: [email protected] 2

CIBIO (Research Center in Biodiversity and Genetic Resources) – Pólo Açores, Departamento de Biologia, Universidade dos Açores, 9501-801 Ponta Delgada, S. Miguel, Açores, Portugal.

INTRODUÇÃO Sendo constituído por nove ilhas oceânicas relativamente pequenas e de origem recente (entre 0,3 e 8 milhões de anos) e com um grande isolamento em relação ao continente mais próximo (cerca de 1600 km), o arquipélago dos Açores apresenta uma diversidade de espécies de fauna e flora terrestres relativamente pobre e com uma baixa percentagem de endemismos (10%; Borges et al., 2005c), pelo menos quando comparado com os outros arquipélagos Macaronésicos da Madeira (19%; Borges et al., 2008) e Canárias (28%; Izquierdo et al., 2001). No entanto, como em qualquer arquipélago oceânico, pouca diversidade não é equivalente a um baixo interesse do ponto de vista da conservação, já que nos Açores ocorre um conjunto de espécies únicas. Os Açores contam na actualidade com cerca de 20% do seu território legalmente protegido, entre Sítios de Importância Comunitária (SIC), Zonas Especiais de Conservação (ZEC), e Zonas de Protecção Especial (ZPE), que em conjunto formam a Rede Natura 2000. Existem ainda muitas outras áreas classificadas como Reservas Naturais, Monumentos Naturais, Paisagens Protegidas, entre outras. Todas estas áreas estão neste momento a sofrer uma mudança no seu sistema de gestão, já que irão ser incluídas em 9 Parques Naturais, um por ilha. As áreas protegidas dos Açores englobam os habitats terrestres mais importantes, das zonas costeiras até às zonas de montanha, incluindo um número considerável de habitats, desde os matos costeiros até ao zimbral e à floresta Laurissilva que actualmente apenas subsiste relativamente intacta em zonas de altitude nas ilhas Terceira, Pico

422 pt

e Flores. Muitas das espécies agora classificadas como prioritárias são exclusivas das poucas e relativamente esparsas manchas de habitat natural que resistiram à pressão humana. Dada a inexistência de um catálogo nacional ou regional de espécies ameaçadas, e considerando que muitas das espécies endémicas dos Açores, raras e sujeitas a várias ameaças, não se encontram abrangidas por directivas e convenções internacionais, nem foram alvo de avaliação por nenhum tipo de critérios (IUCN ou outros), houve necessidade de uma definição de prioridades em termos de acções de conservação baseada numa fundamentação tanto quanto possível clara e objectiva. Nesse sentido, a lista agora apresentada permite-nos realizar uma análise de prioridades para os Açores. Com base nos mesmos critérios e pontuações já referidos em capítulos anteriores, organizou-se o Top 100 dos Açores (Quadro I), listagem que permitirá a prioritização de esforços e recursos (humanos, financeiros ou outros) a nível regional de forma objectiva, previamente acordada entre os intervenientes (gestores e cientistas). Pretende-se assim diminuir a subjectividade que, mais frequentemente do que é em geral admitido, está inerente à atribuição de recursos para a conservação do nosso património natural.

Lagoa Fogo, São Miguel, Açores

Foto: Paulo Borges.

Cap. III A perspectiva arquipelágica: Açores

Quadro I. Listagem dos 100 taxa de gestão prioritária no arquipélago dos Açores.

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Responsabilidade Valor Valor Singularidade Ameaças ecológico social de tutela 1.1 Briófitos Aphanolejeunea azorica Aphanolejeunea madeirensis Aphanolejeunea sintenisii Cheilolejeunea cedercreutzii Colura calyptrifolia Cyclodictyon laetevirens Echinodium renauldii Sphagnum nitidulum Tetrastichium fontanum Tetrastichium virens Thamnobryum rudolphianum Tylimanthus azoricus

2.1 2.2 2.3

Sinergias extrínsecas

Biologia

3.1

3.2

4.1

1.1

1.2

2.1

2.2

2.3

3.1

Avaliador

4

1

1

1

3

3

2

3

3

3

3

3

2

R. Gabriel

4

2

2

1

4

3

2

3

3

3

3

3

2

R. Gabriel

4

1

2

1

2

2

2

3

3

3

3

2

2

R. Gabriel

4

2

2

1

4

3

2

3

3

3

3

3

2

R. Gabriel

4

1

2

1

2

2

2

3

3

3

3

2

3

R. Gabriel

2

1

2

1

2

3

1

3

3

3

2

3

3

R. Gabriel

1

2

2

4

4

3

1

3

2

2

2

3

3

R. Gabriel

1

4

3

1

4

2

1

3

3

3

2

3

1

R. Gabriel

2

1

1

2

3

2

1

3

3

3

2

3

3

R. Gabriel

2

2

1

2

4

2

1

3

3

3

2

2

3

R. Gabriel

2

2

2

1

4

2

1

3

3

3

2

3

2

R. Gabriel

1

2

2

1

4

3

1

3

3

3

2

2

2

R. Gabriel

3

2

2

1

4

2

2

3

3

2

2

3

2

L. Silva

3

2

1

1

4

2

2

3

3

3

2

3

2

L. Silva

Azorina vidalii

3

2

1

3

4

2

4

3

3

3

3

2

2

L. Silva

Bellis azorica

2

2

1

1

4

3

2

3

3

2

2

3

1

L. Silva

Cerastium azoricum

2

2

1

1

4

2

2

3

3

2

2

3

2

L. Silva

Chaerophyllum azoricum

2

2

1

1

4

3

2

3

3

2

2

3

2

L. Silva

Corema album subsp. azoricum

3

2

1

3

4

3

2

3

3

3

2

3

2

L. Silva

Culcita macrocarpa

3

1

1

1

3

1

3

4

2

3

2

3

2

L. Silva

Daboecia azorica

3

2

1

2

4

3

2

3

3

3

2

3

2

L. Silva

Plantas vasculares Angelica lignescens Arceuthobium azoricum

423 pt

424 pt

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Responsabilidade Valor Valor Singularidade Ameaças ecológico social de tutela

Sinergias extrínsecas

Biologia

3.1

3.2

4.1

1.1

1.2

2.1

2.2

2.3

3.1

Avaliador

1

4

2

2

3

3

2

2

3

1

L. Silva

4

1

4

4

2

3

3

2

2

2

3

L. Silva

2

1

1

4

3

2

3

2

2

3

3

2

L. Silva

2

2

2

1

4

4

2

3

3

2

2

3

2

L. Silva

3

2

2

1

4

2

3

3

3

2

3

3

2

L. Silva

2

3

4

1

4

3

2

3

3

2

2

3

2

L. Silva

4

2

1

1

4

2

3

3

3

2

3

3

2

L. Silva

3

2

2

1

4

2

2

3

3

2

2

3

2

L. Silva

4

2

1

1

4

2

3

4

3

2

3

3

2

L. Silva

2

2

2

1

4

3

2

3

3

2

2

4

2

L. Silva

Laurus azorica

4

2

1

1

4

2

3

4

3

2

3

3

2

L. Silva

Leontodon filii

3

2

1

1

4

2

2

3

3

2

2

3

2

L. Silva

Lotus azoricus

2

2

1

1

4

3

2

4

3

3

2

2

2

L. Silva

Marsilea azorica

4

4

3

1

4

4

2

4

3

3

2

4

2

L. Silva

Myosotis azorica Myosotis maritima Pericallis malvifolia subsp. caldeirae Pericallis malvifolia subsp. malvifolia

2

2

3

1

4

3

2

3

3

2

2

3

1

L. Silva

3

2

1

1

4

2

2

3

2

3

2

2

2

L. Silva

2

3

3

1

4

3

2

3

3

3

2

4

2

L. Silva

2

2

1

1

4

2

2

3

3

3

2

2

2

L. Silva

Picconia azorica

4

2

1

1

4

2

3

4

2

2

2

2

2

L. Silva

2

2

2

1

4

3

2

3

3

2

2

3

2

L. Silva

3

2

3

1

4

3

3

4

3

2

2

3

2

L. Silva

Rostraria azorica

3

3

1

1

4

2

2

3

3

2

2

2

2

L. Silva

Rumex azoricus

2

2

2

1

4

3

2

3

3

2

2

3

3

L. Silva

Sanicula azorica

2

2

1

1

4

3

2

3

3

2

2

2

2

L. Silva

1.1

2.1 2.2 2.3

Euphorbia stygiana

3

2

1

Euphorbia stygiana subsp. santamariae

3

3

Euphrasia azorica

2

Euphrasia grandiflora Frangula azorica Grammitis marginella subsp. azorica Ilex perado subsp. azorica Isoetes azorica Juniperus brevifolia Lactuca atsoniana

Platanthera azorica Prunus lusitanica subsp. azorica

Cap. III A perspectiva arquipelágica: Açores

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Responsabilidade Valor Valor Singularidade Ameaças ecológico social de tutela

Sinergias extrínsecas

Biologia

3.1

3.2

4.1

1.1

1.2

2.1

2.2

2.3

3.1

Avaliador

1

4

3

2

4

3

3

2

4

2

L. Silva

1

1

4

2

3

3

3

2

3

3

2

L. Silva

2

3

1

4

4

2

3

3

2

2

3

2

L. Silva

3

2

1

1

4

2

2

3

3

2

3

2

2

L. Silva

Charonia lampas

3

1

1

1

1

3

4

4

4

4

1

3

2

A. C. Costa

Charonia variegata

3

1

1

1

1

1

4

4

4

4

1

3

2

A. C. Costa

Helixena sanctaemariae

2

3

2

1

4

1

1

3

3

2

2

3

2

R. Cunha & A. M. Frias

Leiostyla tesselata

2

4

2

1

4

2

1

3

3

2

2

3

2

R. Cunha & A. M. Frias

Leptaxis caldeirarum

2

4

3

1

4

3

1

3

3

2

2

3

2

R. Cunha & A. M. Frias

Leptaxis drouetiana

2

4

2

1

4

1

1

3

3

2

2

2

2

R. Cunha & A. M. Frias

Leptaxis minor

2

4

2

1

4

1

1

3

3

2

2

3

2

R. Cunha & A. M. Frias

Moreletina obruta

2

4

2

1

4

1

1

3

3

2

2

2

2

R. Cunha & A. M. Frias

Oxychilus agostinhoi

2

4

3

1

4

3

1

3

3

2

2

3

2

R. Cunha & A. M. Frias

Oxychilus miceui

2

4

2

1

4

1

1

3

3

2

2

3

2

R. Cunha & A. M. Frias

Oxychilus spectabilis

2

4

2

1

4

1

1

3

3

2

2

3

2

R. Cunha & A. M. Frias

Oxychyus lineolatus

2

4

3

1

4

3

1

3

3

2

2

3

2

R. Cunha & A. M. Frias

Patella candei gomesii

4

1

1

1

3

2

4

4

2

3

1

3

2

A. C. Costa

Patella ulyssiponensis aspera

4

1

1

1

3

2

4

4

2

3

1

3

2

A. C. Costa

Plutonia angulosa

2

4

3

1

4

3

1

3

3

2

2

3

2

R. Cunha & A. M. Frias

1.1

2.1 2.2 2.3

Silene uniflora subsp. cratericola

4

3

4

Vaccinium cylindraceum

3

2

Veronica dabneyi

2

Viburnum tinus subsp. subcordatum Moluscos

425 pt

426 pt

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Responsabilidade Valor Valor Singularidade Ameaças ecológico social de tutela 1.1

2.1 2.2 2.3

Sinergias extrínsecas

Biologia

3.1

3.2

4.1

1.1

1.2

2.1

2.2

2.3

3.1

Avaliador

Artrópodes Calacalles azoricus

1

3

1

1

4

2

1

4

3

2

2

4

3

P. A. V. Borges

Calacalles droueti

4

2

3

1

4

2

1

4

4

3

2

4

2

P. A. V. Borges

Calathus carvalhoi

2

4

2

1

4

3

1

4

2

2

1

1

2

P. A. V. Borges

Calathus lundbladi

2

4

2

1

4

4

1

4

2

2

3

4

2

P. A. V. Borges

2

4

1

1

4

2

1

3

2

2

2

4

3

P. A. V. Borges

2

3

1

3

4

2

1

2

2

2

2

4

2

P. A. V. Borges

4

4

2

1

4

2

2

4

3

3

1

1

2

2

4

1

1

4

2

1

3

2

2

2

4

3

4

4

1

2

4

2

1

3

3

2

2

4

2

2

3

1

1

4

3

1

4

2

2

2

4

2

P. A. V. Borges

4

4

2

3

4

2

2

4

3

3

1

1

2

P. A. V. Borges

Maja brachydactila

2

1

1

1

2

2

4

4

3

4

1

2

2

A. C. Costa

Megabalanus azoricus

3

2

1

1

4

3

4

4

4

4

1

2

2

A. C. Costa

Ocydromus derelictus

2

4

1

1

4

2

1

3

2

2

2

4

2

P. A. V. Borges

Orchestina furcillata

2

4

1

1

4

1

1

3

3

2

2

4

2

P. A. V. Borges

Palinurus elephas

3

1

1

1

1

2

4

4

4

4

1

2

1

A. C. Costa

Pseudoblothrus oromii

4

4

2

1

4

2

2

4

3

3

1

1

2

P. A. V. Borges

Pseudoblothrus vulcanus

4

2

2

1

4

2

1

4

3

3

1

1

2

P. A. V. Borges

Scyllarides latus

3

1

1

1

2

3

4

4

4

4

1

2

2

A. C. Costa

Tarphius pomboi

2

4

1

1

4

2

1

3

2

2

2

4

3

P. A. V. Borges

Caulotrupis parvus Cedrorum azoricus caveirensis Cixius cavazoricus Donus multifidus Gietella faialensis Hipparchia miguelensis borgesi Macarorchiestia martini

P. A. V. Borges P. A. V. Borges P. A. V. Borges

Cap. III A perspectiva arquipelágica: Açores

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Responsabilidade Valor Valor Singularidade Ameaças ecológico social de tutela 1.1

2.1 2.2 2.3

Sinergias extrínsecas

Biologia

3.1

3.2

4.1

1.1

1.2

2.1

2.2

2.3

3.1

Avaliador

Tarphius serranoi

2

4

1

1

4

2

1

3

2

2

2

4

3

P. A. V. Borges

Thalassophilus azoricus

4

4

2

1

4

2

2

4

3

3

2

1

2

P. A. V. Borges

Trechus isabelae

4

4

2

1

4

2

2

3

3

3

2

4

2

P. A. V. Borges

Trechus jorgensis

4

4

2

1

4

2

2

4

3

3

1

1

2

P. A. V. Borges

Trechus montanheirorum

3

3

2

1

4

2

2

4

3

3

2

1

2

P. A. V. Borges

Trechus oromii

4

4

2

1

4

2

2

4

3

3

2

1

2

P. A. V. Borges

Trechus pereirai

3

3

2

1

4

2

2

4

3

3

2

1

2

P. A. V. Borges

Turinyphia cavernicola

4

4

2

2

4

2

2

3

3

4

3

4

2

P. A. V. Borges

Bulweria bulwerii

4

1

1

2

1

2

2

4

3

2

2

3

1

R. Cunha & A. M. Frias

Buteo buteo rothschildi

4

2

1

1

4

1

4

3

3

2

2

2

1

R. Cunha & A. M. Frias

Calonectris diomedea borealis

4

1

1

2

3

3

2

4

3

2

3

2

1

R. Cunha & A. M. Frias

Oceanodroma castro

4

1

1

1

2

2

2

4

3

2

2

3

1

R. Cunha & A. M. Frias

Puffinus assimilis barollii

4

1

1

1

2

2

2

4

3

2

2

3

1

R. Cunha & A. M. Frias

Pyrrhula murina

3

4

3

1

4

2

3

4

3

2

3

4

1

R. Cunha & A. M. Frias

Sterna dougallii

4

1

1

1

3

2

2

4

3

2

3

3

1

R. Cunha & A. M. Frias

Sterna hirundo

4

1

1

1

1

2

2

4

3

2

3

3

2

R. Cunha & A. M. Frias

Vertebrados

427 pt

428 pt

ANÁLISE POR GRUPO Briófitos Os briófitos são pequenas plantas, essencialmente terrestres, caracterizadas pela ausência de tecidos vasculares (sem raízes, caules ou folhas) e pela dominância da geração gametófita em relação à geração esporófita. O número total de espécies presente nos Açores (439 espécies e subespécies de briófitos: 285 musgos, 149 hepáticas e cinco antocerotas; Gabriel et al., 2005) está dentro da mesma ordem de grandeza do número de taxa citado para os arquipélagos da Madeira (529) (Sérgio et al., 2008) e das Canárias (464) (Losada-Lima et al., 2004). Refere-se ainda que os briófitos, apesar de terem taxas de crescimento relativamente baixas e demorarem muitas décadas a desenvolver uma boa cobertura dos substratos, são plantas cuja área de ocupação, diversidade e vitalidade são extraordinárias nos Açores, provavelmente devido à diversidade de substratos disponíveis e às condições ambientais (humidade, luz e temperatura) favoráveis ao seu desenvolvimento. Em termos de conservação, a lista Europeia publicada em 1995 (ECCB, 1995), inclui 57 espécies presentes nos Açores, incluindo todas as endémicas do arquipélago e outras, que, sendo mais raras na Europa, apresentam no arquipélago áreas de refúgio, ou se referem a pontos avançados na sua distribuição (Gabriel & Sérgio, 1995; Sjögren, 2006).

Açores.

Foto: Michel de Nijs (istockphoto).

Cap. III A perspectiva arquipelágica: Açores

Para a obtenção da lista focal, foram considerados os taxa endémicos dos Açores, da Macaronésia e da Europa, e os incluídos na Lista Vermelha de Briófitos da Europa (ECCB, 1995), num total de 93 espécies e subespécies. Desta lista focal, 12 espécies estão incluídas no Top 100 dos Açores (ver Quadro I) e uma espécie, a hepática endémica Cheilolejeunea cedercreutzii, pertence ao Top 100 da Macaronésia. Os briófitos agora seleccionados ocorrem principalmente em dois habitats, florestas naturais e entradas de cavidades vulcânicas. Com efeito, a grande maioria das espécies está representada em florestas naturais, nomeadamente nas florestas Laurissilvas (dominadas por Laurus azorica), de azevinho (dominadas por Ilex perado ssp. azorica) e zimbrais (dominadas por Juniperus brevifolia). A espécie Sphagnum nitidulum foi colhida apenas numa localidade (Furnas do Enxofre, Terceira), que se assemelha a uma turfeira embora com emanações sulfurosas. As principais ameaças que os briófitos enfrentam estão relacionadas com a degradação dos habitats e com a perda de área florestada. Aliás, ambos os processos estão relacionados, por exemplo, a redução da área florestada altera também o seu perímetro, aumentando o efeito de margem e modificando a exposição aos ventos, o que pode conduzir ao desaparecimento de certas espécies mais sensíveis à dessecação (nomeadamente as hepáticas). Esta será uma das razões que limita o aparecimento de espécies epífilas (que vivem sobre folhas de outras plantas) em fragmentos florestais de menores dimensões. Entre os principais factores limitantes à conservação de muitas espécies destacam-se a sua baixa densidade populacional e as baixas taxas de germinação e crescimento populacional que se verificam na maioria das briófitos agora listados. A sua recuperação passará por acções de informação e educação acerca da sua existência nos Açores. Com efeito, um número reduzido de pessoas está familiarizado com a presença de briófitos nos ecossistemas açorianos, apesar de estas plantas apresentarem valores de cobertura notáveis em alguns dos mais emblemáticos habitats do arquipélago (turfeiras, florestas naturais, entradas de grutas e algares), desempenhando funções vitais nos ecossistemas, nomeadamente na captação de água e de nutrientes e na diminuição da erosão do solo. No entanto, além da sensibilização e formação, é de primordial importância que se desenvolvam acções sobre o habitat, nomeadamente na manutenção e conservação das áreas protegidas onde as espécies ainda ocorrem e no estabelecimento de novas áreas protegidas, por exemplo para a espécie Echinodium renauldii na Terceira (Homem, 2005) ou Aphanolejeunea azorica na Graciosa, onde ocorrem em cotas de altitude relativamente baixas (até 450 m) estando fora das áreas actualmente protegidas nessas ilhas. A posição taxonómica da espécie Sphagnum nitidulum necessita de ser esclarecida, pelo que se aconselham estudos mais aprofundados da sua biologia, ecologia e sistemática.

429 pt

430 pt

Acredita-se que os 12 briófitos listados poderão aumentar a sua área de distribuição se forem seguidas as medidas de conservação propostas, nomeadamente conseguir a manutenção dos fragmentos florestais e a sua recuperação, bem como a protecção das entradas de grutas e algares. A divulgação de briófitos a grupos populacionais diversos pode também facilitar a valorização destas espécies e consequentemente permitir uma gestão mais participada pelo público, por exemplo na criação de microreservas.

Plantas vasculares As plantas vasculares incluem nos Açores cerca de 1000 taxa, considerando espécies e subespécies endémicas, nativas e introduzidas (Silva et al., 2005). No que respeita aos endemismos, este grupo inclui cerca de 74 taxa endémicos dos Açores (dois extintos) e 10 taxa endémicos da Macaronésia (1 extinto). Para a obtenção da lista focal foram inicialmente considerados todos os taxa endémicos e nativos não duvidosos (aqueles que se aceita em geral como indígenas dos Açores), num total de 179. Excluíram-se assim espécies como Dracaena draco, Smilax aspera e Urtica morifolia, cujo indigenato nos Açores não é totalmente aceite. Também os taxa com identificação ambígua, incluindo espécies ainda não descritas como “Leontodon sp. nova ined.”, referida por Schäfer (2005) foram eliminados. Foram também excluídas as espécies dadas como extintas, como é o caso de Vicia denesiana ou muito provavelmente extintas como Taxus baccata e Armeria maritima ssp. azorica. Posteriormente, rejeitaram-se todas as espécies que obedecessem simultaneamente a duas condições: serem consideradas não ameaçadas nos Açores (de acordo com Furtado, 1984 e Schäfer, 2003, 2005), e não estarem inscritas em nenhuma directiva ou convenção de protecção, designadamente na Directiva “Habitats”. Desta forma, por exemplo, Erica azorica não foi incluída por não ser considerada como ameaçada, enquanto que Culcita macrocarpa foi incluída por estar abrangida pela Directiva Habitats, encontrando-se ameaçada noutras regiões. Um total de 90 taxa constituíram a lista focal, entre os quais um total de 37 (41%; 36 dos quais endémicos) estão incluídos no Top 100 dos Açores e oito (9%; todos endémicos) pertencem também ao Top 100 da Macaronésia. Entre os últimos, encontram-se não só espécies muito raras e ameaçadas como Marsilea azorica, mas também outras de elevado valor ecológico como Laurus azorica e Juniperus brevifolia. Podemos assim afirmar que, entre as plantas vasculares endémicas dos Açores, 50% são prioritárias em termos de futuras acções de conservação nos Açores, e 11% são-no na Macaronésia. No que diz respeito aos 37 taxa do Top 100 dos Açores, ocorrem sobretudo nas florestas naturais (floresta Laurissilva e zimbral), nos matos nativos e também na zona cos-

Cap. III A perspectiva arquipelágica: Açores

teira. Assim, as principais ameaças a que estão sujeitos estão relacionadas com a perturbação de áreas sensíveis, através da degradação dos habitats (35 taxa) associada à alteração do uso do solo (33 taxa), consequência do aumento da área agrícola (31 taxa) e florestal (23 taxa). Para além disso, na grande maioria dos casos (36 taxa), há ainda a referir o efeito da competição com espécies invasoras, não sendo de excluir a hipótese de existir um impacte provocado pela fauna invasora para metade dos taxa. Os principais factores limitantes para a recuperação destes taxa são o isolamento das populações (32 taxa), o pequeno tamanho das áreas onde ainda ocorrem (23 taxa) e a sua reduzida densidade populacional (21 taxa). A maioria dos taxa exige medidas de manutenção e recuperação do seu habitat, embora se recomende, no que respeita a cada taxon, a elaboração de um plano de recuperação muito objectivo e com carácter legal, à semelhança do que já se faz nas Canárias. Será importante proceder ao reforço das populações de vários taxa, sendo a definição de métodos de propagação essencial, bem como a manutenção de populações ex situ. Para a generalidade dos taxa são essenciais estudos sobre as ameaças a que estão sujeitos, sobre a sua biologia, ecologia e dinâmica de populações. Em alguns casos serão também necessários estudos taxonómicos (Euphorbia stygiana ssp. santamariae) e/ou corológicos (Lactuca watsoniana). Num cenário futuro em que as grandes alterações ao nível do uso do solo terão já ocorrido e havendo até a hipótese de reconverter algum território para a área da conservação da biodiversidade e considerando ainda a entrada em vigor, de modo progressivo, de vários instrumentos de ordenamento do território, restará apenas garantir o rápido desenvolvimento dos estudos de base que suportem a elaboração dos planos de recuperação das espécies consideradas como prioritárias, em termos de acções de conservação. Por uma questão de eficácia, estes planos devem assumir um carácter legal.

Invertebrados marinhos O ambiente marinho dos Açores tem um elevado interesse conservacionista, biológico e biogeográfico essencialmente devido à idade recente e posição isolada do Arquipélago no meio do Oceano Atlântico (Briggs, 1974). As comunidades marinhas nos Açores são constituídas por uma mistura de espécies temperadas frias, temperadas e tropicais adquirindo o arquipélago uma posição de encruzilhada de faunas de diferentes origens (Santos et al., 1995). No entanto, apresenta um baixo grau de endemismo provavelmente relacionado com a sua recente idade e os efeitos das últimas alterações climáticas e do nível das águas relacionados com as últimas glaciações (Briggs, 1966). Os ambientes marinhos são mais diversos a níveis taxonómicos elevados (Grassle et al., 1991; Reaka-Kudla, 1997); já que a quase totalidade dos filos existentes, representando formas de vida diferentes, está aí representada (Ray & Grassle, 1991). Nos Açores, a fau-

431 pt

432 pt

na do subtidal de baixa profundidade é diversa e abundante mas o seu conhecimento taxonómico é apenas relativamente adequado no que diz respeito aos organismos de maiores dimensões. Apesar da importância do papel ecológico dos pequenos invertebrados, existe ainda um grande desconhecimento desta componente do biota marinho, reflexo das dificuldades técnicas e logísticas de amostrar o subtidal parcialmente ultrapassadas, com o desenvolvimento do escafandro autónomo (Winston, 1992). O acesso facilitado a bases de dados on-line, chaves de identificação informatizadas e listas de discussão especializadas para cada taxon têm contribuído para alargar e disponibilizar o conhecimento taxonómico, mas uma maior integração da taxonomia, ecologia e genética, particularmente a nível local, é ainda necessária para compreender melhor todos os aspectos da biodiversidade marinha nos Açores. A situação no arquipélago dos Açores é agravada por duas razões: i) a taxonomia não ter sido uma prioridade na investigação local e ii) a grande extensão de linha de costa do arquipélago limitar grandemente os esforços de inventariação necessários para o correcto conhecimento da distribuição das populações. Assim, é possível que a baixa taxa de endemismos marinhos seja, pelo menos em parte, um reflexo do baixo conhecimento da maioria dos taxa já que nos moluscos e anfípodes existem claras tendências de endemismo (e.g. Lopes et al., 1993; Ávila, 2005). A inventariação incompleta (possivelmente mais de 1000 espécies conhecidas) para a maior parte do grande número dos taxa de invertebrados marinhos, a grande extensão da costa relativamente ao território, a literatura dispersa e com tendências geográficas e taxonómicas (as primeiras reflectindo acessibilidades e as segundas especialidades dos investigadores locais e estrangeiros que nos visitam) e as dificuldades derivadas deste grupo ainda estar em fase de carregamento na base de dados Atlantis, dificultaram a escolha das espécies focais, já que à insuficiência de dados disponíveis na base se aliam o desconhecimento taxonómico e o desconhecimento da biologia e ecologia da maioria das espécies. Pesem embora as limitações expostas, a escolha acabou por recair nas espécies que habitam o litoral rochoso, dominante no litoral açoriano, quer intertidal quer subtidal que são alvo de alguma forma de exploração devido sobretudo à sua valorização económica, o que as torna conhecidas do público e dos gestores. Por outro lado, estas são de facto espécies que se encontram em risco de sobre-exploração (e algumas mesmo de extinção local), quer aquelas cuja biologia é conhecida (Patella spp.; Scyllarides latus) ou com boas perspectivas de conhecimento (Megabalanus azoricus), quer aquelas cujo desconhecimento da biologia aliado aos poucos efectivos populacionais e/ou populações esparsas aumentam grandemente o risco, já de si elevado, do seu desaparecimento. Por outro lado, as ameaças a que estão sujeitas, sobretudo sobre-exploração e degradação de habitats, serão relativamente fáceis de controlar e, por extrapolação de experiências noutros locais em situações si-

Cap. III A perspectiva arquipelágica: Açores

milares, existem boas perspectivas de recuperação das populações, caso venham a ser tomadas medidas para a sua protecção.

Moluscos De origem Paleárctica e Macaronésica, os moluscos terrestres dos Açores somam apenas 111 espécies mas contêm a mais elevada percentagem de endemismos (44%) no arquipélago (Cunha et al., 2005). Embora estes endemismos estejam presentes em todas as ilhas numa percentagem relativamente homogénea face à totalidade da malacofauna nelas existente, constatam-se grandes diferenças quando se analisam os endemismos exclusivos das várias ilhas. Assim, apenas quatro ilhas apresentam endemismos insulares típicos, sobressaindo entre elas Santa Maria com 70% de espécies endémicas exclusivas (Martins, 1981, 2002; Martins & Ripken, 1991; Mordan & Martins, 2001); seguem-se-lhes São Miguel e Terceira com pouco mais de 20% e o Faial com cerca de 10%. Esta disparidade da riqueza de Santa Maria em relação às outras ilhas é tanto mais digna de registo quando se tem em conta as dimensões respectivas; São

Açores.

Foto: Esemelwe (iphotostock).

433 pt

434 pt

Miguel, por exemplo, cerca de oito vezes maior, tem na totalidade 76 espécies enquanto Santa Maria possui 62. A riqueza endémica de Santa Maria só poderá explicar-se por ser esta ilha a mais antiga do arquipélago, com cerca de 8 M.A. (Feraud et al., 1984). Na produção da lista focal foram seleccionadas, de entre os 111 taxa presentes nos Açores (Cunha et al., 2005), 11 espécies para a Listagem dos 100 taxa prioritários (Top 100 dos Açores) (ver Quadro I). A conjuntura de elevada percentagem de endemismos associada à relativa exiguidade espacial em Santa Maria determinou os critérios para selecção da maioria das espécies focais (oito), atendendo a que quaisquer alterações de habitat trarão consigo uma probabilidade maior de ameaça para as espécies ali existentes. O mesmo critério aplica-se às espécies não marienses, atendendo à sua distribuição extremamente restrita nas respectivas ilhas. A ausência de moluscos terrestres endémicos dos Açores no Top 100 da Macaronésia reflectirá mais as limitações metodológicas subjacentes aos critérios utilizados na produção da referida lista do que o interesse conservacionista intrínseco de cada espécie ou a sua probabilidade de extinção. Um exemplo desta reflexão pode ser ilustrado por Leptaxis caldeirarum, endemismo exclusivo de São Miguel, cuja área de distribuição está restrita a menos de 16 km2 nas Sete Cidades, espaço aliás muito intervencionado por acções antropogénicas (Vieira, 2001). Os endemismos açorianos estão naturalmente associados à laurissilva uma vez que, segundo registos históricos, este tipo de cobertura florestal estender-se-ia das montanhas à beira-mar. No entanto, após a destruição maciça da floresta primitiva, os moluscos terrestres têm vindo a adaptar-se a coberturas vegetais alternativas que foram sendo introduzidas, sobretudo a partir do séc. XIX. Assim, as florestas secundárias de acácias e incensos bem como a cobertura por conteira constituem substratos onde frequentemente se encontram moluscos endémicos. A ilha de Santa Maria, mercê de haver mantido uma agricultura com carácter mais artesanal, tem conservado áreas relativamente favoráveis à sobrevivência dos endemismos que a caracterizam. Para além disso, as zonas xéricas costeiras abrigam variados endemismos marienses (e.g. Moreletina obruta e outros em processo de descrição). Importa, por isso, reforçar as zonas já protegidas por classificação apropriada e salvaguardar que, um pouco por toda a ilha, não só extensas áreas de floresta, mesmo secundária, sejam preservadas mas ainda que as zonas costeiras, secas e quentes, sejam mantidas intocadas, de modo a assegurar que habitats variados sejam mantidos e assim preservadas as condições de sobrevivência daquele rico património natural biológico. Acresce ainda o facto de que alguns grupos (e.g. Leptaxis, Drouetia, Plutonia) têm apresentado interesse especial para o estudo de processos evolutivos, dada a radiação evolutiva que neles se constata nas várias ilhas; pela sua idade geológica, Santa Maria contém a fauna malacológica tida como a referência temporal imprescindível para tais estudos.

Cap. III A perspectiva arquipelágica: Açores

Artrópodes Os artrópodes constituem o grupo de animais terrestres mais diverso dos Açores com cerca de 2209 espécies e subespécies pertencentes a 1433 géneros (Borges et al., 2005a). Também em termos de endemismos, os artrópodes dominam com cerca de 393 espécies e subespécies (80% dos endemismos da fauna e flora) (Borges et al., 2005a). Para a selecção das espécies focais de artrópodes decidiu-se avaliar a raridade das espécies e subespécies endémicas. Um total de 230 taxa para os quais havia informação adequada na base de dados Atlantis – Açores, foram sujeitos a uma avaliação da sua distribuição a uma escala de 500x500 m. Seguindo o critério de Gaston (1994), as 25% espécies mais raras antes de 1965 e/ou depois de 1965 foram seleccionadas, totalizando a lista final 76 taxa focais. Desta lista, um total de 24 (32%) estão incluídas no Top 100 das espécies dos Açores e 11 destas pertencem também ao Top 100 da Macaronésia. Podemos assim afirmar que do total de 393 espécies e subespécies de artrópodes endémicas do arquipélago, 3% (11 taxa) são prioritários em termos de gestão e conservação na Macaronésia e 6% (24 taxa) são-no para os Açores. Estes valores reflectem um facto importante: também as espécies de artrópodes estão sujeitas aos factores erosivos da fragmentação e diminuição da área dos habitats nativos dos Açores (ver ainda Dunn, 2005). No que diz respeito aos 24 taxa do Top 100 dos Açores, 12 (50%) são cavernícolas e 10 outros ocorrem em vários tipos de floresta nativa. Não é assim de estranhar que as principais ameaças a que estão sujeitos estejam relacionadas com a degradação dos habitats (20 casos), e as alterações do uso do solo (13 casos). O principal factor limitante para a recuperação destas espécies é a fragmentação e o pequeno tamanho das áreas onde ainda ocorrem. Os dados conhecidos sobre a abundância das espécies de artrópodes endémicos dos Açores (ver Borges et al., 2005b; Gaston et al., 2006) também nos indicam que a densidade de muitas populações em algumas das áreas protegidas está bem abaixo dos valores de equilíbrio, o que reforça a necessidade de medidas urgentes de gestão. Infelizmente muitas destas espécies encontram-se fora da rede regional de áreas protegidas, pelo que o estabelecimento de novas áreas protegidas (13 casos) é essencial para a sua conservação. Para 20 dos taxa, são ainda imprescindíveis acções de manutenção e conservação do seu habitat actual, enquanto cerca de metade destas espécies beneficiaria da realização de estudos mais detalhados que nos permitam conhecer a sua distribuição espacial e dinâmica de populações. Num cenário futuro de impactos continuados em termos de espécies invasoras e perturbação dos habitats é urgente a criação de medidas eficazes para a protecção do

435 pt

436 pt

Açores.

Foto: Luís Silva.

habitat cavernícola e gestão eficaz dos poucos fragmentos de vegetação natural que ainda subsistem.

Vertebrados Os vertebrados constituem 1% dos taxa terrestres existentes na Região Autónoma dos Açores (Borges et al., 2005c), correspondendo a aproximadamente 60 espécies. Devido ao grande isolamento dos Açores, é muito compreensível que a grande maioria dos vertebrados existentes sejam aves, com cerca de 38 espécies nidificantes. Existem nove espécies de mamíferos, todas elas introduzidas pelo homem à excepção de um endémico, o morcego-dos-Açores, Nyctalus azoreum, duas espécies de anfíbios e uma de répteis. Existem ainda cerca de 11 espécies de peixes de água doce nas lagoas e ribeiras da região, todas elas introduzidas, à excepção da enguia, Anguilla anguilla. Para a selecção das espécies focais decidiu-se avaliar a raridade das espécies e subespécies endémicas com estatuto de protegidas por convenções internacionais. Devido aos critérios da lista agora apresentada, são oito os vertebrados que surgem no Top 100 das Açores e somente uma ficou contemplada no Top 100 da Macaronésia. Todas as espécies de vertebrados presentes nas listas pertencem à classe das Aves, facto que se justificará quer pelo isolamento dos Açores, quer pela disponibilidade de uma vasta

Cap. III A perspectiva arquipelágica: Açores

linha de costa com escarpas íngremes e inúmeros ilhéus adjacentes. Após o povoamento do arquipélago, nos meados do século XV, diversas espécies de aves que anteriormente nidificavam nos Açores deixaram de o fazer, não só devido à sua utilização como alimento e fonte de óleo para populações humanas, bem como devido à introdução de predadores e à destruição do seu habitat, chegando mesmo a ocorrer a extinção de algumas espécies (Frutuoso, 1561). Mesmo assim, a Região Autónoma dos Açores destaca-se pela ocorrência de uma espécie e nove subespécies de aves endémicas, para além de importantes colónias de aves marinhas nidificantes. O priôlo, Pyrrhula murina, endémico dos Açores, é o passeriforme mais ameaçado da Europa e encontra-se entre as aves mais ameaçadas do mundo, estimando-se a sua população em aproximadamente 150 casais. Em meados do século XVIII e princípios do século XIX foi considerada praga e perseguida até ao limiar da extinção. Presentemente, esta espécie restringe-se à parte Este da ilha de São Miguel, nas imediações do Pico da Vara, Tronqueira e Ribeira do Guilherme (Ramos, 1994; Health & Evans, 2000). As populações de Procellariiformes nidificantes estão entre as mais importantes da Europa. Nos Açores ocorre a maior população de cagarro no mundo (subespécie Calonectris diomedea borealis), com mais de 180.000 casais, o que corresponde a aproximadamente quatro quintos da população europeia (Bolton, 2001). Apesar da espécie não se encontrar ameaçada, a população tem uma distribuição restrita ao Atlântico e Mediterrâneo. Também importantes são as concentrações de angelito, Oceanodroma castro (915 a 1240 casais, correspondendo a 29% da população europeia) e de frulho, Puffinus assimilis (800 a 1500 casais, correspondendo a 21% da população europeia) e uma população residual de alma-negra, Bulweria bulwerii (cerca de 50 a 70 casais) (Monteiro et al., 1996). Nos Açores nidificam ainda duas espécies que, embora sejam relativamente comuns a nível mundial, constituem importantes populações a nível europeu e nacional, respectivamente, o garajau-rosado, Sterna dougallii (cerca de 1000 casais, correspondendo a 63% da população europeia) e o garajau-comum, Sterna hirundo (cerca de 2000 casais, correspondendo a 5% da população europeia) (Gochfeld, 1983; Del Nevo et al., 1993). Das nove subespécies de aves nidificantes na região destaca-se o milhafre Buteo buteo rothschildi que, por ser um predador de topo, e única ave de rapina diurna existente na região, mereceu destaque na lista agora apresentada. Devido à importância das populações de aves nos Açores no contexto Europeu, foram implementas diversas Zonas de Protecção Especial (ZPEs) em todas as ilhas do arquipélago com o intuito de proteger os principais habitats das espécies de avifauna prioritárias à conservação definidas na Directiva Aves (Rodrigues & Nunes, 2002).

437 pt

438 pt

ANÁLISE CONJUNTA Tenciona-se neste capítulo analisar a listagem Top 100 dos Açores de acordo com a origem, posição sistemática e ecologia preferencial das espécies nela incluídas. Em relação à origem, é notório que a maioria das espécies incluídas na listagem Top 100 é endémica do arquipélago (Fig. 1). Analisando a figura 2, é possível observar grosso modo, dois grupos diferentes: um, onde se inserem os artrópodes, moluscos e plantas vasculares que incluem exclusivamente (caso dos moluscos e artrópodes) ou maioritariamente (plantas vasculares) espécies endémicas dos Açores, e um segundo grupo, formado pelos vertebrados e pelos invertebrados marinhos e, até certo ponto pelos briófitos, que além das espécies endémicas dos Açores, incluem espécies endémicas de outros arquipélagos Macaronésicos (briófitos) e também espécies nativas (vertebrados e invertebrados marinhos). Neste segundo grupo, estão incluídas espécies com uma capacidade de dispersão muito grande e que portanto têm poucos endemismos.

Figura 1. Distribuição das 100 espécies de gestão prioritária dos Açores de acordo com a sua origem.

O número de espécies da listagem Top 100 Açores não está distribuído de forma equitativa por cada um dos grupos taxonómicos analisados (Quadro I, Fig. 2): enquanto as plantas vasculares incluem mais de um terço do total das espécies (37%), e os artrópodes cerca de um quarto (24%), os restantes quatro grupos apresentam valores próximos dos 10%. A análise dos habitats ocupados pelas 100 espécies prioritárias para a conservação nos Açores evidencia que o habitat mais importante para a manutenção da maioria das espécies é a floresta natural (Fig. 3), onde se encontram mais de metade das espécies seleccionadas. De facto os habitats de floresta, sendo de certa forma heterogéneos na sua composição, albergam uma grande diversidade de espécies. Entre os vários tipos de floresta presentes nos Açores, destacam-se pela sua riqueza específica em espécies raras, as florestas Laurissilvas e o zimbral, que deveriam recobrir grande parte da super-

Cap. III A perspectiva arquipelágica: Açores

fície disponível das ilhas antes da chegada dos primeiros povoadores (Frutuoso, 1561; Silveira, 2007). Sabendo-se que a floresta Laurissilva representa hoje em dia apenas 2% da superfície terrestre do arquipélago (Gaspar, 2007) e que alberga mais de 50% das espécies agora consideradas prioritárias, a necessidade de uma conservação eficaz deste habitat torna-se evidente e premente, devendo ser considerada como a primeira prioridade em termos de conservação nos Açores. Dever-se-á assim apostar não só na preservação das manchas actualmente existentes como na sua expansão, a partir dos fragmentos nucleares que ainda permanecem.

Figura 2. Distribuição das 100 espécies de gestão prioritária dos Açores de acordo com os taxa superiores e a sua origem.

439 pt

440 pt

Figura 3. Distribuição das 100 espécies de gestão prioritária dos Açores de acordo com a sua ocorrência nos diversos habitats. O gráfico da direita representa a distribuição pelos diversos tipos de floresta natural, o habitat com maior número de espécies.

Com menor, embora importante, contribuição para a lista de espécies prioritárias para a conservação nos Açores, encontram-se, por ordem decrescente, as zonas húmidas interiores, zonas litorais, prados naturais, cavidades vulcânicas e matos de Erica, albergando cada um destes tipos de habitat mais de 10% das espécies seleccionadas. As cavidades vulcânicas são de realçar, uma vez que várias espécies de artrópodes endémicas estão adaptadas a viver apenas neste habitat (i.e., espécies troglóbias) e muitas delas restritas apenas a uma cavidade. Os espaços bentónicos e o domínio pelágico, embora se caracterizem por incluir uma reduzida percentagem das espécies conside-

Cap. III A perspectiva arquipelágica: Açores

radas, destacam-se pela sua exclusividade, ou seja as espécies lá presentes não podem subsistir noutros habitats. A evolução nos últimos 30 anos do tamanho populacional e área de distribuição da vasta maioria das espécies prioritárias é preocupante (Fig. 4), com cerca de dois terços dos taxa com a sua abundância a diminuir e três quartos dos taxa com a sua área de distribuição em declínio. O mesmo se passa com a tendência futura de ambos os parâmetros: tendo em conta que as florestas naturais, que albergam a grande maioria destas populações, estão em regressão, muitas espécies estarão em processo de relaxamento (Borges et al., 2006), isto é, não se extinguiram imediatamente após a destruição do seu habitat preferencial, mas a sua densidade encontra-se em regressão continuada. Este processo pode levar a extinções futuras, ainda não visíveis passado relativamente pouco tempo sobre a destruição dos habitats. Estas extinções, começando por ser locais (desaparecimento de populações), podem chegar a ser globais, encontrando-se assim muitas espécies em risco sério de extinção. Um exemplo de um projecto que pretende precisamente reverter este processo é o referente ao priôlo, a única espécie de ave endémica dos Açores.

Figura 4. Distribuição das 100 espécies de gestão prioritária dos Açores de acordo com a sua população e área de distribuição no passado (últimos 30 anos) e futuro.

441 pt

442 pt

A primeira questão a responder num programa de conservação é saber quais os factores que colocam as espécies em risco. O principal factor de ameaça identificado nesta análise foi a perda e degradação dos habitats (Fig. 5), que atinge mais de 90% das espécies, independentemente do seu habitat preferencial. Este factor, que opera principalmente à escala local, tem impactos à escala regional, por exemplo na dinâmica fonte-sumidouro (sensu Shmida & Wilson, 1985). A redução drástica de habitats naturais durante as últimas décadas e séculos explica assim a presença destas 100 espécies numa lista que pretende servir como guia à aplicação de medidas de conservação a nível regional. Aliás, além da degradação dos habitats, foram considerados como importantes as espécies exóticas e as mudanças de uso do solo, factores considerados como os de maior impacto actual na extinção das espécies no nosso planeta (Gaston & Fuller, 2008).

Figura 5. Distribuição das 100 espécies de gestão prioritária dos Açores, de acordo com os principais factores de risco. O gráfico da direita representa a distribuição pelos diversos tipos de risco dentro da perda e degradação de habitats, o factor que afecta maior número de espécies. As prioridades referem-se aos factores que afectam cada espécie (cada espécie pode ser afectada por diversos factores de risco em graus diferentes).

Como medida complementar e desencadeadora da protecção efectiva de qualquer espécie está a sua classificação como legalmente protegida. Em Portugal a maioria das espécies protegidas tem este estatuto por transposição a nível nacional de directivas

Cap. III A perspectiva arquipelágica: Açores

Europeias. É o caso das Directivas Habitats e Aves, cujos anexos incluem espécies estritamente protegidas, de modo a que a sua presença em determinado local obriga o estado português a algum tipo de preservação. Estas directivas são assim um dos principais instrumentos de protecção efectiva das espécies. No entanto, estas directivas foram realizadas com base num conjunto de critérios subjectivos, que reflectem sobretudo o conhecimento da época e a existência de especialistas para os diferentes grupos e regiões da Europa, de forma que, a vasta maioria das espécies cuja gestão é prioritária não estão legalmente protegidas, o que se reflecte também no arquipélago Açoriano (Fig. 6). O uso de critérios transparentes, objectivos e quantificáveis na elaboração da lista agora apresentada (Quadro I) resulta na definição de prioridades que tendem a reflectir melhor a realidade, sem um enviesamento tão evidente para grupos taxonómicos carismáticos como os vertebrados ou as plantas vasculares. A abordagem agora seguida deveria idealmente assumir um carácter legal, de forma a tornar eficiente e efectiva a conservação do património natural regional. Outros grupos presentes nos Açores, nomeadamente algas dulçaquícolas, fungos e líquenes, para os quais começa a haver informação disponível, deveriam também, a curto prazo ser incluídos neste tipo de análise.

Figura 6. Distribuição das 100 espécies de gestão prioritária dos Açores de acordo com a sua listagem nas Directivas Habitats e Aves e nas Convenções de Berna e Bona.

Não tendo um carácter legal mas sendo aceite mundialmente e sendo realizada com base em critérios objectivos, a classificação de espécies pela World Conservation Union (IUCN) revela-se um instrumento útil no alerta da situação de risco de muitas espécies (http://www.iucnredlist.org). A classificação segundo estes critérios é no entanto em grande parte voluntária, dependendo da disponibilidade de associações, investigadores ou grupos de pressão. Sendo assim, a grande maioria das espécies por nós listadas não foi sequer avaliada até à actualidade (Fig. 7). Curiosamente, de todas as avaliadas,

443 pt

444 pt

a maioria não está classificada como estando em perigo a nível mundial. É no entanto necessário referir que uma listagem de espécies em perigo não é equivalente a uma listagem de espécies prioritárias para conservação. Se por um lado apenas esta última poderá ter um estatuto legal, por outro lado a prioritização de um taxon apenas poderá ser feita em relação a outro taxon, de forma que uma avaliação sem enviesamento e com critérios objectivos deverá ser sempre seguida para o maior número de espécies possível.

Figura 7. Distribuição das 100 espécies de gestão prioritária dos Açores de acordo com a sua classificação na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN.

De preferência com um estatuto legal, a protecção das 100 espécies prioritárias do arquipélago deverá passar por uma série de medidas concretas. De acordo com a avaliação realizada, e reflectindo a maior ameaça para as espécies, a principal medida a adoptar deveria ser a manutenção e conservação dos seus habitats (Fig. 8). Garantindo este aspecto provavelmente estaremos a garantir a sobrevivência da vasta maioria das espécies. Na verdade, todas as medidas que garantam as melhores condições para os habitats são julgadas como fundamentais para este objectivo. As campanhas de informação e consciencialização ambiental são também consideradas fundamentais pois a conservação das espécies passa necessariamente pelo conhecimento e compreensão das populações acerca da importância do seu património natural. De futuro, e para garantir uma estratégia de conservação o mais eficiente e eficaz possível para cada espécie, uma série de estudos são apontados como fundamentais (Fig. 9). Desde estudos de base em biologia e ecologia das espécies, à monitorização dos efeitos das acções de conservação, apontamos como essencial a realização de estudos específicos para cada uma das espécies prioritárias. Só com boa informação de base se poderão evitar erros de estratégia que, além de críticos para as espécies, podem ser financeiramente dispendiosos, pois os escassos recursos existentes podem ser desperdiçados. Surge assim como premente a necessidade de realizar estudos que permitam não só conhecer melhor as espécies agora listadas, como outras que eventualmente se possam prioritizar de futuro.

Cap. III A perspectiva arquipelágica: Açores

Figura 8. Distribuição das 100 espécies de gestão prioritária dos Açores de acordo com as acções julgadas importantes para a sua conservação. As prioridades referem-se à importância de cada acção para cada espécie (cada espécie pode ser afectada por diversas acções em graus diferentes).

A gestão e conservação dos 100 taxa agora listados para os Açores como devendo ser objecto de gestão prioritária, poderá ser uma tentativa de salvaguardar parte de um património mais vasto que inclui muitos outros taxa também em perigo ocorrendo nos mesmos habitats. Este será um desafio importante para as autoridades regionais e para os gestores da natureza no arquipélago dos Açores.

Figura 9. Distribuição das 100 espécies de gestão prioritária dos Açores de acordo com os estudos julgados importantes para a sua conservação. As prioridades referem-se à importância de cada tipo de estudo para cada espécie (cada espécie pode ser afectada por diversos estudos em graus diferentes).

445 pt

446 pt

BIBLIOGRAFIA Ávila, S. (2005). Processos e Padrões de Dispersão e Colonização nos Rissoidae (Mollusca: Gastropoda) dos Açores. PhD Thesis, Universidade dos Açores, Ponta Delgada. Bolton, M. (2001). Population census of a threatened seabird, Cory’s shearwater Calonectris diomedea, in the Azores archipelago. Relatório final. Borges, P.A.V., Vieira, V., Dinis, F. Jarroca, S., Aguiar, C., Amaral, J., Aarvik, L., Ashmole, P., Ashmole, M., Amorim, I. R., André, G., Argente, M. C., Arraiol, A., Cabrera, A., Diaz, S., Enghoff, H., Gaspar, C., Mendonça, E.P., Gisbert, H. M., Gonçalves, P., Lopes, D.H., Melo, C., Mota, J.A., Oliveira, O., Oromí, P., Pereira, F., Pombo, D.T., Quartau, J. A., Ribeiro, S. P., Rodrigues, A. C., Santos, A. M. C., Serrano, A.R.M., Simões. A.M., Soares, A.O., Sousa, A. B., Vieira, L., Vitorino, A. and Wunderlich, J. (2005a). List of arthropods (Arthropoda). In: Borges, P.A.V., Cunha, R., Gabriel, R., Martins, A.M.F., Silva, L. & Vieira, V. (Eds.) A list of the terrestrial fauna (Mollusca and Arthropoda) and flora (Bryophyta, Pteridophyta and Spermatophyta) from the Azores. Direcção Regional de Ambiente and Universidade dos Açores, Horta, Angra do Heroísmo and Ponta Delgada. pp. 163-221. Borges, P.A.V., Aguiar, C., Amaral, J., Amorim, I.R., André, G., Arraiol, A., Baz A., Dinis, F., Enghoff, H., Gaspar, C., Ilharco, F., Mahnert, V., Melo, C., Pereira, F., Quartau, J.A., Ribeiro, S., Ribes, J., Serrano, A.R.M., Sousa, A.B., Strassen, R.Z., Vieira, L., Vieira, V., Vitorino, A. & Wunderlich, J. (2005b). Ranking protected areas in the Azores using standardized sampling of soil epigean arthropods. Biodiversity and Conservation, 14: 2029-2060. Borges, P.A.V., Cunha, R., Gabriel, R., Martins, A.M.F., Silva, L., Vieira, V., Dinis, F., Lourenço, P. & Pinto, N. (2005c). Description of the terrestrial Azorean biodiversity. In: Borges, P.A.V., Cunha, R., Gabriel, R., Martins, A.M.F., Silva, L. & Vieira, V. (Eds.) A list of the terrestrial fauna (Mollusca and Arthropoda) and flora (Bryophyta, Pteridophyta and Spermatophyta) from the Azores. Direcção Regional de Ambiente and Universidade dos Açores, Horta, Angra do Heroísmo and Ponta Delgada. pp. 21-68. Borges, P.A.V., Lobo, J.M., Azevedo, E. B., Gaspar, C., Melo, C. & Nunes, L.V. (2006). Invasibility and species richness of island endemic arthropods: a general model of endemic vs. exotic species. Journal of Biogeography, 33: 169-187. Borges, P.A.V., Abreu, C., Aguiar, A.M.F., Carvalho, P., Jardim, R., Melo, I., Oliveira, P., Sérgio, C., Serrano, A.R.M. & Vieira, P. (Eds.) (2008). A list of the terrestrial fungi, flora and fauna of Madeira and Selvagens archipelagos. Direcção Regional do Ambiente da Madeira and Universidade dos Açores, Funchal and Angra do Heroísmo. Briggs, J. C. (1966). Zoogeography and evolution. Evolution, 20: 282-289. Briggs, J. C. (1974). Marine zoogeography. McGraw-Hill.

Cap. III A perspectiva arquipelágica: Açores

Cunha, R., Martins, A.M.F., Lourenço, P. & Rodrigues, A. (2005). Lista dos Moluscos. In: Borges, P.A.V., Cunha, R., Gabriel, R., Martins, A.M.F., Silva, L. & Vieira, V. (Eds.) A list of the terrestrial fauna (Mollusca and Arthropoda) and flora (Bryophyta, Pteridophyta and Spermatophyta) from the Azores. Direcção Regional de Ambiente and Universidade dos Açores, Horta, Angra do Heroísmo and Ponta Delgada. pp. 157-161. Del Nevo, A.J., Dunn, E.K., Medeiros, F.M., Le Grand, G., Akers, P., Avery, M.I. & Monteiro, L.R. (1993). The status of Roseate Terns Sterna dougallii and Common Terns Sterna hirundo in the Azores. Seabird, 15: 30-37. Dunn, R.R. (2005). Insect extinctions, the neglected majority. Conservation Biology, 19: 10301036. ECCB (1995). Red data book of European bryophytes. European Committee for the Conservation of Bryophytes. Trondheim. Feraud, G., Schimincke, H.U., Lietz, J., Gostaud, J., Pritchard, G. & Bleil, U. (1984). New K-Ar ages, chemical analyses and magnetic data from the islands of Santa Maria (Azores), Porto Santo and Madeira (Madeira Archipelago) and Gran Canaria (Canary Islands). Arquipélago - Life and Earth Sciences, 5: 213-240. Frutuoso, G. (1561). Saudades da Terra, 2ª ed., publicado em 6 volumes de 1978 a 1983. Rodrigues, J.B.O. (Ed.). Instituto Cultural de Ponta Delgada, Ponta Delgada. Furtado, S.D. (1984). Status e Distribuição das Plantas Vasculares Endémicas dos Açores. Arquipélago - Life and Earth Sciences, 5: 197–209. Gabriel, R. & Sérgio, C. (1995). Bryophyte survey for a first planning of conservation areas in Terceira (Açores). Cryptogamica Helvetica, 18: 35-41. Gabriel, R., Sjögren, E., Schumacker, R., Sérgio, C., Frahm, J.-P. & Sousa, E. (2005). List of Bryophytes. In: Borges, P.A.V., Cunha, R., Gabriel, R., Martins, A.M.F., Silva, L. & Vieira, V. (Eds.) A list of the terrestrial fauna (Mollusca and Arthropoda) and flora (Bryophyta, Pteridophyta and Spermatophyta) from the Azores. Direcção Regional de Ambiente and Universidade dos Açores, Horta, Angra do Heroísmo and Ponta Delgada. pp. 117-133. Gaspar, C. (2007). Arthropod diversity and conservation planning in native forests of the Azores archipelago. Ph.D. Thesis. Department of Animal and Plant Sciences. University of Sheffield. Sheffield. Gaston K.J. (1994). Rarity. Chapman & Hall, London. Gaston, K.J., Borges, P.A.V., He, F & Gaspar, C. (2006). Abundance, spatial variance and occupancy: arthropod species distribution in the Azores. Journal of Animal Ecology, 75: 646-656. Gaston, K.J. & Fuller, R.A. (2008). Commonness, population depletion and conservation biology. Trends in Ecology and Evolution, 23: 14-19. Gochfeld, M. (1983). The Roseate Tern: world distribution and status of a threatened species. Biological Conservation, 25: 103-125. Grassle, J., Lassere, P., McIntyre, A. & Ray, G. (1991). Marine biodiversity and ecosystem function. Biology International Special Issue, 23: i-iv, 1-19.

447 pt

448 pt

Health, M.F. & Evans, M.I. (2000). Important Birds Areas in Europe: Priority sites for conservation. BirdLife Conservations Series 8. BirdLife International, Cambridge. Homem, N. (2005). Biodiversidade, conservação e gestão de briófitos, em diferentes escalas espaciais, nas florestas naturais dos Açores: Ilhas Terceira e Pico. Mestrado em Gestão e Conservação da Natureza. Departamento de Ciências Agrárias. Universidade dos Açores. Angra do Heroísmo. Izquierdo, I., Martín, J.L., Zurita, N. & Arechavaleta, M. (Eds.) (2001). Lista de Especies Silvestres de Canarias (Hongos, Plantas y Animales Terrestres). Consejería de Política Territorial y Medio Ambiente, Gobierno de Canarias, Santa Cruz de Tenerife. Lopes, M.F., Marques, J. & Bellan-Santini, D. (1993). The benthic amphipod fauna of the Azores (Portugal): an up-to-date annotated list of species, and some biogeographic considerations. Crustaceana, 65: 204-217. Losada-Lima, A., Dirkse, G.M. & Rodríguez-Núñez, S. (2004). División Bryophyta. In: Izquierdo, I., Martín, J.L., Zurita, N. & Arechavaleta, M. (Eds.) Lista de Especies Silvestres de Canarias (Hongos, Plantas y Animales Terrestres). Consejeria de Medio Ambiente y Ordenación Territorial, Gobierno de Canarias. pp. 85-95. Martins, A.M.F. (1981). Oxychilus (Drouetia) agostinhoi new species (Stylommatophora: Zonitidae) from the Azores islands, its anatomy and phylogenetic relationships. Occasional Papers on Mollusks, The Department of Mollusks, Harvard University, 4: 245-264. Martins, A.M.F. (2002). Moreletina, a new genus of Hygromiidae (Pulmonata: Stylommatophora) from Santa Maria, Açores. Journal of Molluscan Studies, 68: 205-215. Martins, A.M.F. & Ripken, T.E.J. (1991). Oxychilus (Ortizius) lineolatus n.sp. (Gastropoda: Zonitidae) from Santa Maria Island, Azores. Basteria, 55: 45-53. Monteiro, L.R., Ramos, J.A. & Furness, R.W. (1996). Past and present status and conservation of the seabirds breeding in the Azores archipelago. Biological Conservation, 78: 319-328. Mordan, P.B. & Martins, A.M.F. (2001). A systematic revision of the vitrinid semislugs of the Azores (Gastropoda: Pulmonata). Journal of Molluscan Studies, 67: 343-368. Ramos, J. (1994). The annual cycle of the Azores bullfinch, Pyrrhula murina Goldman, 1866 (Aves: Passeriformes). Arquipélago - Life and Marine Sciences, 12: 101-109. Ray, G. & Grassle, J. (1991). Marine biological diversity. Bioscience, 41: 453-469. Reaka-Kudla, M. (1997). The global biodiversity of coral reefs: a comparison with rain forests. In: Reaka-Kudla, M. & Wilson, D.E. (Eds.) Biodiversity II: Understanding and protecting our biological resources. Joseph Henry Press, Washington, DC. pp. 83-108. Rodrigues, P. & Nunes, M. (2002). Caracterização dos territórios mais apropriados para a conservação das populações de aves selvagens do Anexo I da Directiva Aves no arquipélago dos Açores. SPEA. Relatório final. Santos, R., Hawkins, S., Monteiro, L., Alves, M. & Isidro, H. (1995). Marine Research, resources and conservation in the Azores. Aquatic Conservation of Marine and Freshwater Ecosystems, 5: 311-354.

Cap. III A perspectiva arquipelágica: Açores

Schäfer, H. (2003). Chorology and Diversity of the Azorean Flora. Dissertationes Botanicae, Band 374. Borntraeger Verlagsbuchhandlung. Berlin, Stuttgart. Schäfer, H. (2005). Endemic vascular plants of the Azores: an updated list. Hoppea, Denkschriften der Regensburgischen Botanischen Gesellschaft, 66: 275-283. Sérgio, C., Sim-Sim, M., Fontinha, S. & Figueira, R. (2008). The bryophytes (Bryophyta) of Madeira and Selvagens Archipelagos. In: Borges, P.A.V., Abreu, C., Aguiar, A.M.F., Carvalho, P., Jardim, R., Melo, I., Oliveira, P., Sérgio, C., Serrano, A.R.M. & Vieira, P. (Eds.) A list of the terrestrial fungi, flora and fauna of Madeira and Selvagens archipelagos. Direcção Regional do Ambiente da Madeira and Universidade dos Açores, Funchal and Angra do Heroísmo. Shmida, A. & Wilson, M.V. (1985). Biological determinants of species diversity. Journal of Biogeography, 12: 1-20. Silva, L., Pinto, N., Press, B., Rumsay, F., Carine, M., Henderson, S. & Sjögren, E. (2005). List of vascular plants (Pteridophyta and Spermatophyta). In: Borges, P.A.V., Cunha, R., Gabriel, R., Martins, A.M.F., Silva, L. & Vieira, V. (Eds.) A list of the terrestrial fauna (Mollusca and Arthropoda) and flora (Bryophyta, Pteridophyta and Spermatophyta) from the Azores. Direcção Regional de Ambiente and Universidade dos Açores, Horta, Angra do Heroísmo and Ponta Delgada. pp. 131-155. Silveira, L.M.A. (2007). Aprender com a história: modos de interacção com a natureza na ilha Terceira do povoamento ao século XX. Mestrado em Educação Ambiental. Departamento de Ciências Agrárias. Universidade dos Açores. Angra do Heroísmo. Sjögren, E. (2006). Bryophytes (Musci) unexpectedly rare or absent in the Azores. Arquipélago Life and Marine Sciences, 23: 1-17. Vieira, S. (2001). Status e distribuição de Leptaxis caldeirarum (Morelet & Drouët) (Pulmonata: Hygromiidae). Tese de Licenciatura em Biologia, ramo Ambiental e Evolução, Universidade dos Açores. Winston, J. (1992). Systematics and marine conservation. In: Eldredge, N. (Ed.) Systematics, ecology, and the biodiversity crisis. Columbia University Press. New York. pp. 144-168.

449 pt

Caldeira St. Bárbara, Terceira, Açores. Foto: Paulo Borges.

451 pt

A perspectiva arquipelágica: Madeira Bernardo Favila Faria1, Cristina Abreu2, Antonio Franquinho Aguiar3, José Augusto4, Carlos Lobo4, & Roberto Jardim4, Paulo Oliveira5 Dinarte Teixeira1. 1 Secretaria Regional do Ambiente e dos Recursos Naturais - Direcção Regional do Ambiente – Rua Dr. Pestana Júnior nº 6 3º Dto 9064-506, Funchal, Madeira, Portugal; e-mail: bernardofaria. [email protected]; [email protected]

2 Universidade da Madeira, Dep. Biologia/CEM, Campus da Penteada, 9000-390 Funchal, Portugal; e-mail: [email protected]

3

Núcleo de Entomologia, Laboratório Agrícola da Madeira, Caminho dos Caboucos 61, 9135372 Camacha, Madeira, Portugal; e-mail: [email protected] 4

Jardim Botânico da Madeira, Caminho do Meio, 9064-512 Funchal, Portugal; e-mail: [email protected] 5

Parque Natural da Madeira/CEM, Quinta do Bom Sucesso, Caminho do Meio, 9050–251, Funchal, Madeira, Portugal; e-mail: [email protected]

INTRODUÇÃO O arquipélago da Madeira é formado pelo conjunto das ilhas da Madeira, Porto Santo, Desertas e Selvagens e constitui um dos arquipélagos da Região Geográfica da Macaronésia, localizada na margem oriental do Oceano Atlântico Norte, entre o arquipélago dos Açores a Norte e o arquipélago das Canárias a Sul. Este arquipélago oceânico de origem vulcânica, possui actualmente uma rica biodiversidade indígena e endémica que se mantém até hoje, apesar da crescente pressão e competição com o Homem pelo espaço disponível. A colonização do arquipélago da Madeira, ao longo de quase 500 anos, marcou negativamente a sua Biodiversidade à semelhança do resto do mundo humanizado. Este processo iniciou-se com a descoberta do arquipélago no início do século XV, primeiro na ilha do Porto Santo onde a cobertura vegetal original praticamente desapareceu em poucos anos, fruto da utilização das madeiras nativas na construção das habitações, mobiliário e embarcações. Este fenómeno foi mais grave no Porto Santo, fruto da conjugação de dois factores: a orografia suave, que ao contrário da ilha da Madeira, deixa passar os ventos alísios predominantes sem os obrigar a subir e a condensar, conferindo a esta ilha um clima mais seco; o aproveitamento agrícola do solo e conjugado

452 pt

com a introdução do coelho e da cabra pelos colonos, impedindo a regeneração do coberto vegetal. Na ilha da Madeira a colonização iniciou-se um ano mais tarde, com o desbravamento pelo fogo de vastas áreas florestais destinadas à agricultura e ao povoamento do território. Numa fase posterior o abate da floresta, especialmente na costa Sul, teve por objectivo a obtenção de lenha como fonte de energia associada à produção do açúcar a partir da cana sacarina, principal actividade económica da Ilha desde 1425 até aos finais do século XVI. A indústria sacarina prosperou na ilha da Madeira aproximadamente durante duzentos anos, tendo sido ferida de morte com a introdução do açúcar do Brasil e da América Espanhola, com custos de produção muito mais baixos com os quais não pôde rivalizar. O clima, o relevo e a proximidade do mar moldaram, sem dúvida, o padrão da colonização da Madeira e consequentemente a distribuição da sua Biodiversidade, explicando a distribuição e a riqueza actual dos habitats e dos ecossistemas presentes. Como qualquer observador atento pode constatar, a floresta Laurissilva da Madeira, principal ecossistema terrestre autóctone, situa-se actualmente quase exclusivamente na vertente Norte da ilha, onde as manchas mais bem conservadas estão associadas aos vales mais abruptos e encaixados de difícil acesso. No Porto Santo os “hot spots” de biodiversidade localizam-se sobretudo na área do Pico Branco e nos Ilhéus adjacentes, fruto da dificuldade de acesso e isolamento a que estiveram sujeitos, comparativamente com o resto da ilha. A riqueza natural das ilhas Desertas e das Ilhas Selvagens, são uma feliz consequência do facto da sua colonização não ter vingado ao longo da história, tendo ficado por isso geograficamente isoladas e mais protegidas da influência humana. Com o objectivo de conservar o valioso património natural do arquipélago, o Governo Regional da Madeira criou, ao longo dos últimos 30 anos, um conjunto de áreas protegidas como são exemplos o Parque Natural da Madeira, as Reservas Naturais das Ilhas Selvagens e das Ilhas Desertas, ou a Rede Natura 2000. Em simultâneo, foram também desenvolvidos diversos projectos dirigidos à protecção, conservação e recuperação de espécies e habitats ameaçados, como os projectos LIFE do Pombo Trocaz (Columba trocaz) e o projecto de Conservação de Espécies Vegetais Prioritárias e Raras da Madeira, ou os projectos LIFE de Recuperação dos Habitats Terrestres da Deserta Grande e da Selvagem Grande, a título de exemplos respectivamente. A Região Autónoma da Madeira tem vindo a dar corpo a uma política Regional, Nacional, Comunitária e Global consistente e responsável, reconhecida internacionalmente, como se comprova pela declaração da Floresta Laurissilva da Madeira como Património Mundial Natural pela UNESCO, ou pela atribuição do Diploma Europeu à Reserva Natural das Ilhas Selvagens pelo Concelho da Europa.

Cap. IV A perspectiva arquipelágica: Madeira

Quadro I. Listagem dos 100 taxa de gestão prioritária no arquipélago da Madeira.

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Valor Responsabilidade Valor Singularidade Ameaças ecológico de tutela social 1.1

2.1 2.2 2.3

3.1

3.2

4.1

Sinergias Biologia extrínsecas

1.1 1.2 2.1 2.2 2.3

3.1

Avaliador

Briófitos Aphanolejeunea madeirensis

4

2

2

1

4

3

2

1

3

1

2

3

2

C. Lobo

Echinodium setigerum

1

4

3

4

4

1

1

3

3

1

2

4

1

C. Lobo

Thamnobryum fernandesii

3

4

4

1

4

2

1

2

3

1

2

4

1

C. Lobo

Agrostis obtusissima

2

4

1

1

4

1

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Aichryson dumosum

3

4

3

1

4

4

1

4

3

2

2

1

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Andryala crithmifolia

2

4

4

1

4

2

1

4

3

2

2

1

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Anthyllis lemanniana

2

4

1

1

4

1

1

4

3

2

2

4

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Arachniodes webbianum

1

4

2

1

4

1

1

4

3

2

2

3

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Argyranthemum dissectum

2

4

2

1

4

1

2

4

3

2

2

3

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Argyranthemum haematomma

2

2

3

1

4

1

2

4

3

2

2

2

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Argyranthemum pinnatifidum subsp. succulentum

2

4

2

1

4

1

2

4

3

2

2

3

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Argyranthemum thalassophilum

3

4

3

1

4

3

1

4

2

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Armeria maderensis

2

4

2

1

4

1

1

4

3

2

2

4

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Asparagus nesiotes subsp. nesiotes

2

4

4

1

4

3

1

4

2

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Asparagus umbellatus subsp. lowei

2

2

2

1

4

1

2

4

3

2

2

2

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Asplenium trichomanes subsp. maderense

2

4

3

1

4

1

1

2

2

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Autonoe maderensis var. melliodora

3

2

1

1

4

2

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Berberis maderensis

2

4

2

1

4

1

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Plantas vasculares

453 pt

454 pt

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Valor Responsabilidade Valor Singularidade Ameaças ecológico de tutela social 1.1

2.1 2.2 2.3

3.1

3.2

4.1

Sinergias Biologia extrínsecas

1.1 1.2 2.1 2.2 2.3

3.1

Avaliador

Beta patula

2

2

4

1

4

2

1

4

4

3

2

4

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Bunium brevifolium

2

4

2

1

4

1

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Bystropogon maderensis

2

4

3

1

4

1

2

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Cerastium vagans var. vagans

2

2

3

1

4

1

1

4

3

2

2

4

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Ceterach lolegnamense

2

4

2

1

4

1

1

4

3

2

2

2

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Chamaemeles coriacea

2

2

2

3

4

1

1

4

3

2

2

2

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Crepis noronhaea

2

3

1

1

4

2

1

4

3

2

2

1

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Crepis vesicaria subsp. andryaloides

2

4

1

1

4

1

1

4

3

2

2

4

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Culcita macrocarpa

2

1

4

1

3

2

3

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Deschampsia maderensis

2

4

1

1

4

1

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Diphasiastrum maderense

2

2

1

1

4

1

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Dracaena draco subsp. draco

3

2

4

1

4

4

4

4

4

2

2

1

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Drusa glandulosa

1

2

4

2

4

4

1

4

3

2

2

1

1

R. Jardim & J. A. Carvalho

Elaphoglossum semicylindricum

2

2

1

1

4

1

2

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Erysimum arbuscula

2

4

3

1

4

2

1

4

3

2

2

1

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Erysimum maderense

2

4

4

1

4

2

1

4

3

2

2

1

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Euphorbia anachoreta

4

4

4

1

4

4

1

4

1

1

2

4

1

R. Jardim & J. A. Carvalho

Geranium maderense

2

4

3

1

4

2

4

4

4

2

2

2

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Geranium rubescens

2

4

3

1

4

1

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Goodyera macrophylla

2

4

3

1

4

2

2

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Helichrysum devium

2

4

1

1

4

1

1

4

3

2

2

3

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Cap. IV A perspectiva arquipelágica: Madeira

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Valor Responsabilidade Valor Singularidade Ameaças ecológico de tutela social 1.1

2.1 2.2 2.3

3.1

3.2

4.1

Sinergias Biologia extrínsecas

1.1 1.2 2.1 2.2 2.3

3.1

Avaliador

Helichrysum monizii

2

4

4

1

4

2

1

4

3

2

2

1

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Hymenophyllum maderense

2

4

4

1

4

2

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Isoplexis sceptrum

2

4

2

2

4

1

2

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Jasminum azoricum

2

4

4

1

4

4

4

4

3

2

2

1

1

R. Jardim & J. A. Carvalho

Juniperus cedrus subsp. maderensis

3

2

4

1

4

2

2

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Juniperus turbinata subsp. canariensis

2

2

3

1

4

2

2

4

3

2

2

1

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Lavandula pinnata

3

2

3

1

4

1

1

4

3

2

2

1

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Lavandula stoechas subsp. maderensis

3

2

4

1

4

1

1

4

3

2

2

1

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Limonium ovalifolium subsp. pyramidatum

3

3

2

1

4

1

1

4

3

2

2

1

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Limonium papillatum var. callibotryum

3

2

1

1

4

3

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Lobularia canariensis subsp. rosula-venti

2

2

1

1

4

2

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Lobularia canariensis subsp. succulenta

2

2

1

1

4

2

1

4

3

2

2

4

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Lotus loweanus

2

4

1

1

4

1

2

4

3

2

2

1

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Lotus macranthus

2

2

2

1

4

1

1

4

3

2

2

2

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Luzula seubertii

2

4

2

1

4

1

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Marcetella maderensis

3

4

3

2

4

1

1

4

3

2

2

2

1

R. Jardim & J. A. Carvalho

Melanoselinum decipiens

2

3

2

3

4

1

4

4

3

2

2

3

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Monanthes lowei

3

4

2

1

4

2

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Monizia edulis

2

2

4

3

4

2

2

4

3

2

2

3

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Musschia wollastonii

2

4

3

2

4

1

2

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Normania triphylla

1

4

4

2

4

2

1

3

3

2

2

4

1

R. Jardim & J. A. Carvalho

455 pt

456 pt

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Valor Responsabilidade Valor Singularidade Ameaças ecológico de tutela social 1.1

2.1 2.2 2.3

3.1

3.2

4.1

Sinergias Biologia extrínsecas

1.1 1.2 2.1 2.2 2.3

3.1

Avaliador

Orchis scopulorum

2

4

2

1

4

1

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Parafestuca albida

2

4

1

3

4

1

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Peucedanum lowei

1

4

2

1

4

1

1

4

3

2

2

3

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Pittosporum coriaceum

3

4

4

1

4

2

2

4

2

2

2

4

1

R. Jardim & J. A. Carvalho

Plantago afra var. obtusata

2

1

2

1

4

2

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Plantago malato-belizii

2

4

3

1

4

1

1

4

3

2

2

4

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Polystichum drepanum

2

4

4

1

4

2

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Prunus lusitanica subsp. hixa

2

2

4

1

4

1

2

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Rubia fruticosa subsp. fruticosa

2

2

4

1

4

1

1

4

3

2

2

2

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Rumex simpliciflorus subsp. maderensis

2

4

2

1

4

2

1

4

3

2

2

1

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Sambucus anceolata

3

4

2

1

4

1

4

4

3

2

2

3

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Saxifraga portosanctana

2

4

2

1

4

1

1

4

3

2

2

1

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Scrophularia racemosa

2

4

2

1

4

2

1

4

3

2

2

1

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Sedum brissemoretii

2

4

1

1

4

1

1

4

3

2

2

2

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Sedum fusiforme

2

4

1

1

4

1

1

4

3

2

2

1

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Sinapidendron frutescens subsp. frutescens

2

4

1

1

4

1

1

4

3

2

2

4

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Sinapidendron frutescens subsp. succulentum

2

4

4

1

4

1

1

4

3

2

2

1

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Sinapidendron rupestre

2

4

3

1

4

1

1

4

3

2

2

3

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Sinapidendron sempervivifolium

2

4

3

1

4

1

1

4

3

2

2

4

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Cap. IV A perspectiva arquipelágica: Madeira

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Valor Responsabilidade Valor Singularidade Ameaças ecológico de tutela social 1.1

2.1 2.2 2.3

3.1

3.2

4.1

Sinergias Biologia extrínsecas

1.1 1.2 2.1 2.2 2.3

3.1

Avaliador

Solanum patens

2

4

2

1

4

1

1

4

3

2

2

3

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Sorbus maderensis

2

4

4

1

4

2

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Teucrium butiloides

2

4

4

1

4

2

2

4

3

2

2

3

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Vicia costae

2

4

2

1

4

1

1

4

3

2

2

1

3

R. Jardim & J. A. Carvalho

Vicia ferreirensis

1

4

4

1

4

2

1

4

3

2

2

1

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Viola paradoxa

2

4

1

1

4

1

1

4

3

2

2

4

2

R. Jardim & J. A. Carvalho

Geomitra turricula

1

4

2

1

4

4

1

4

4

2

2

4

3

D. Teixeira & C. Abreu

Idiomela subplicata

1

4

2

3

4

2

1

4

4

2

2

4

3

D. Teixeira & C. Abreu

Leiostyla monticola

1

4

2

1

4

2

1

3

3

3

2

1

3

D. Teixeira & C. Abreu

Leiostyla relevata

1

4

2

1

4

2

1

3

3

3

2

4

3

D. Teixeira & C. Abreu

Lemniscia michaudi

1

4

2

3

4

3

1

4

1

1

2

3

3

D. Teixeira & C. Abreu

Chrysolina fragariae

2

4

3

2

4

1

1

4

4

3

3

4

1

A. F. Aguiar

Deucalion oceanicum

4

4

4

3

4

1

1

1

1

1

3

4

1

A. F. Aguiar

Gonepteryx maderensis

3

4

3

1

4

1

2

3

4

2

2

4

2

A. F. Aguiar

Paradeucalion desertarum

4

4

4

3

4

1

1

2

1

1

2

4

1

A. F. Aguiar

Columba trocaz

4

3

1

1

4

1

2

4

3

2

1

4

3

P. Oliveira

Monachus monachus

4

1

2

2

1

4

4

4

4

3

3

4

1

P. Oliveira

Nyctalus leisleri verrucosus

3

2

2

1

4

1

2

3

3

2

2

3

2

P. Oliveira

Pterodroma feae

1

2

2

1

4

1

2

4

4

2

2

4

1

P. Oliveira

Pterodroma madeira

1

4

3

1

4

1

2

4

4

2

2

4

1

P. Oliveira

Tarentola bischoffi

3

4

1

1

4

1

1

4

1

1

2

4

3

P. Oliveira

Moluscos

Artrópodes

Vertebrados

457 pt

458 pt

ANÁLISE POR GRUPO Briófitos Os briófitos constituem um grupo de plantas com uma anatomia, morfologia e ciclo de vida muito característicos e bem diferenciados dos restantes membros do Reino Vegetal. Não formam flores nem sementes e não apresentam verdadeiros tecidos e vasos condutores (xilema e floema), como os existentes nas plantas vasculares. Os briófitos podem ser encontrados em praticamente todo o tipo de habitat, exceptuando os marinhos. São capazes de viver sobre uma extensa variedade de substratos, como sejam o solo, rocha, ritidoma, madeira, matéria orgânica, detritos e folhas. Apesar disso, a maioria das espécies deste tipo de plantas apresentam amplitudes ecológicas bastante restritas e bem definidas, tornando-os bons indicadores da ecologia dos habitats que ocupam. A brioflora do arquipélago da Madeira apresenta fortes relações com a brioflora europeia, em especial com a mediterrânea, algumas afinidades com a região africana e menos com a americana e australiana (Fontinha et al., 2001). A posição geográfica da região Macaronésica, intermédia entre as regiões biogeográficas europeia, africana e americana, permitiu a coexistência de elementos da brioflora dessas áreas biogeográficas nesta região. Presentemente, a brioflora do arquipélago da Madeira compreende cerca de 529 taxa, dos quais 350 são musgos e 179 hepáticas e antocerotas. Do total de taxa existentes no arquipélago, 47 são endémicos da Macaronésia, correspondendo a 33 musgos e 14 hepáticas (Sérgio et al., 2006). Do total de taxa endémicos da Macaronésia, 15 são exclusivos do

Madeira.

Foto: Govert Nieuwland (isotckphoto).

Cap. IV A perspectiva arquipelágica: Madeira

arquipélago da Madeira, correspondendo a 11 musgos, dos quais o género Nobregaea (N. latinervis) é endémico e monoespecífico, e 4 hepáticas (Fontinha et al., 2006). Na ilha da Madeira os briófitos estão amplamente distribuídos, ocorrendo desde o litoral marinho até às altas montanhas do interior. A localização geográfica da ilha, o clima atlântico moderado e a orografia com vales profundos e escarpas abruptas determinam a existência de uma importante diversidade de habitats, que permitem o desenvolvimento e a manutenção de uma elevada riqueza florística. A floresta perenifólia Laurissilva inclui um número significativo destes habitats. A série de vegetação vascular correspondente à Laurissilva do Til (Clethro arboreaeOcoteetum foetentis) é a comunidade florestal onde se observa o expoente máximo de diversidade briofítica e de cobertura. A existência de um clima com temperatura amena, elevada precipitação e elevada humidade atmosférica permite não apenas o desenvolvimento de extensos cobertos de briófitos sobre o solo e rochas, mas também de elevada diversidade de briófitos epífitos e epífilos. Esta comunidade florestal reúne ainda vários taxa de briófitos endémicos da Macaronésia e exclusivos da Madeira. Aqui, podem ser encontradas aproximadamente 80% dos briófitos endémicos da Macaronésia e 87% dos endémicos do arquipélago da Madeira. Nas zonas costeiras e áridas do litoral da ilha da Madeira, Porto Santo e Desertas predominam os elementos mediterrâneos, mais tolerantesà secura e à elevada temperatura e luminosidade. Duas espécies endémicas da Madeira existem neste tipo de habitat. Uma dessas espécies, Riccia atlantica, existe na ilha da Madeira e nas ilhas Desertas e outra, Frullania sergiae, na Deserta Grande e no Porto Santo. Em termos de protecção legal, a maior parte da diversidade de briófitos beneficia de uma protecção indirecta, principalmente por estar inserida em áreas que possuem estatuto de áreas protegidas, muitas vezes por razões alheias à riqueza de briófitos. Na Madeira, os briófitos beneficiam da protecção legal resultante de legislação regional, nacional, comunitária e internacional. Destaque-se a criação do Parque Natural da Madeira em 1982 que atribuiu protecção legal a vários ecossistemas prioritários da Madeira, a ratificação por parte de Portugal da Convenção sobre a Diversidade Biológica em 1994, os habitats e espécies de briófitos incluídos na a Directiva Habitats (92/43/CEE), os 11 sítios do arquipélago da Madeira considerados Sítios de Importância Comunitária da Rede Natura 2000 e ainda o galardão de Património Natural Mundial sob a égide da UNESCO atribuído à Laurissilva da Madeira. Para a obtenção da lista focal do livro verde, foram considerados os taxa endémicos do arquipélago da Madeira, da Macaronésia e da Europa, e os incluídos na Lista Vermelha de Briófitos da Europa (ECCB, 1995). De um total de 58 taxa seleccionados, 3 espécies encontram-se incluídas no Top 100 da Madeira.

459 pt

460 pt

A área de distribuição destas espécies está incluída na Laurissilva da Madeira, área que goza de especial protecção legal. As principais ameaças que os briófitos listados enfrentam estão relacionadas com a eventual degradação dos habitats, principalmente devida a processos naturais, tais como derrocadas ou seca. Neste aspecto, destaquese o musgo Thamnobryum fernandesii, espécie que vive em habitats com quedas de água, cujas principais ameaças estão relacionadas com a modificação da estrutura das linhas de água ou alterações das condições hidrográficas do habitat. Entre os principais factores limitantes à conservação das espécies aqui listadas, destacam-se a sua baixa densidade e crescimento populacional. Apesar das espécies encontrarem-se em locais com especial protecção legal, é fundamental que se desenvolvam acções de sensibilização sobre os habitats destas espécies, numa lógica de reforço da promoção e conservação.

Plantas vasculares Nos arquipélagos da Madeira e Selvagens estão contabilizados 1204 taxa (espécies e subespécies) de plantas vasculares. Destes, 154 (a que correspondem 136 espécies e 21 subespécies) são endemismos dos arquipélagos da Madeira e Selvagens (12,8%), 74 endemismos macaronésicos (6,1%), 480 taxa nativos (39,9%), 66 nativos prováveis (5,5%), 29 introduzidos prováveis (2,4%) e 401 (33,3%) são taxa introduzidos (Jardim & Sequeira, 2008). Para a obtenção da lista das espécies focais de plantas vasculares foram considerados todos os 85 taxa ameaçados e endémicos dos arquipélagos da Madeira e das Selvagens incluídos no livro “Fauna e Flora da Madeira: Espécies endémicas ameaçadas”. A esta lista foram adicionados os taxa endémicos da Macaronésia considerados ameaçados de extinção nos arquipélagos da Madeira e Selvagens, bem como o pteridófito não endémico Culcita macrocarpa, num total de 100 taxa. Desta lista, 81 taxa de plantas vasculares foram incluídas no Top 100 das espécies dos arquipélagos da Madeira e das Selvagens e 20 no Top100 da Macaronésia. As alterações biofísicas resultantes das diversas actividades humanas provocaram alterações nos habitats naturais. Esta degradação e fragmentação de habitats originou a redução acentuada do número de populações e efectivo populacional de muitas espécies de plantas vasculares, colocando-as presentemente em elevado risco de extinção. As espécies incluídas no Top 100 dos arquipélagos da Madeira e Selvagens e no Top 100 da Macaronésia enfrentam diversos factores que ameaçam a sua sobrevivência. Os factores que apresentam um maior grau de ameaça incluem a pressão turística, por aumentar o risco de pisoteio e a colheita de exemplares, e a degradação e fragmen-

Cap. IV A perspectiva arquipelágica: Madeira

tação do habitat por ocupação de espécies invasoras, construções, desabamentos e incêndios. Algumas espécies apresentam riscos inerentes à própria situação em que se encontram remetidas, com um número muito reduzido de indivíduos, do qual decorre uma baixa variabilidade genética e morfológica. Esta situação acarreta riscos de reduzida capacidade adaptativa às alterações climáticas. A situação de algumas espécies, em zonas de reduzida altitude, coloca como principal factor de ameaça à sua sobrevivência as mudanças climáticas, e a consequente subida do nível dos oceanos. A conservação efectiva de cada uma das espécies está dependente da implementação de estratégias de conservação específicas, as quais já existem para algumas espécies, devendo incluir estudos multidisciplinares e acções de conservação in situ e ex situ, complementadas com medidas de sensibilização e divulgação ambiental. Para além de estratégias específicas para cada uma das espécies, o estado de conservação dos habitats naturais constitui um factor de importância fundamental. No entanto, algumas espécies possuem a sua área de distribuição fora das áreas com estatuto de protecção legal, pelo que esta situação dificulta a tomada de medidas directas de recuperação e gestão dos habitats naturais em que ocorrem. No âmbito da conservação de espécies ameaçadas, a conservação de sementes em banco de germoplasma tem sido um instrumento imprescindível para salvaguardar o património genético a longo prazo.

Madeira.

Foto: Manuel Arechavaleta.

461 pt

462 pt

Moluscos terrestres Os moluscos terrestres são invertebrados pulmonados, geralmente providos de concha e que ocupam um vasto leque de habitats. São vulgarmente animais de hábitos nocturnos, detritívoros e na sua maioria hermafroditas (Barker, 2001). Este grupo de animais ocupa um lugar de destaque na fauna do arquipélago da Madeira, que, com apenas 800 km2, pertence ao grupo de ilhas oceânicas com maior diversidade de moluscos terrestres por unidade de área, a par do arquipélago do Havai e das ilhas Maurícias (Waldén, 1983). Presentemente, estão referidas para o arquipélago da Madeira 289 espécies e subespécies distribuídas por 81 géneros, 25 dos quais endémicos da Madeira, e 33 famílias (Bank et al., 2002). Este é o arquipélago Macaronésico que apresenta a maior riqueza de espécies, apenas ultrapassado pelas ilhas Canárias ao nível de taxa endémicos (Groh et al., 2004, 2005; Cunha et al,. 2005; Bank et al., 2002). Apesar de inferior, a taxa de endemismo registada no conjunto de ilhas que constituem o arquipélago da Madeira é igualmente assinalável, encerrando 211 espécies endémicas (73%), das quais 40 ocorrem apenas em estado fóssil (Bank et al., 2002). Não obstante a maior proximidade do arquipélago ao continente Africano, a fauna malacológica da Madeira teve origem na fauna do Noroeste Europeu do período Terciário, tendo sido gradualmente substituída por géneros Paleárticos (Waldén, 1983; Cameron & Cook, 1989, 1992). Tal como verificado em outras ilhas oceânicas, a malacofauna madeirense é taxonomicamente desequilibrada, sendo que as famílias Hygromiidae, Pupillidae e Ferussaciidae representam mais de 90% da fauna actual (Cameron & Cook, 1989). Constata-se ainda a ausência de espécies de grandes dimensões, uma vez que a maior espécie registada até ao presente, Pseudocampylaea loweii, já se encontra extinta desde o séc. XIX (Cameron & Cook, 1992, 1996; Cameron, 1998; Cook, 1996; Goodfriend et al., 1994; Seddon, 1995, 1998). A presença humana no arquipélago produziu um efeito nefasto na biodiversidade local, comprovado pelo nível de introduções de plantas e animais e pelo número de extinções verificadas após a colonização destas ilhas (Cameron & Cook, 1996). Das 14 espécies de moluscos terrestres extintas que constam dos depósitos fósseis do Quaternário, 9 desapareceram nos últimos 600 anos (Goodfriend et al., 1994). Existe uma pronunciada diferenciação geográfica na fauna nativa do arquipélago, sendo poucas as espécies que são comuns a mais de uma ilha (Madeira, Porto Santo, Desertas e Selvagens). A elevada especificidade de cada sub-arquipélago, fruto das distintas colonizações a que foram sujeitos, das barreiras geográficas existentes e, acima de tudo, da baixa mobilidade e capacidade de dispersão deste grupo de animais, geraram um conjunto de endemismos muito localizados e próprios de cada ilha.

Cap. IV A perspectiva arquipelágica: Madeira

Para a obtenção da lista focal de moluscos terrestres, foram considerados os taxa endémicos e nativos não duvidosos da Madeira e Macaronésia. Posteriormente, rejeitaramse todas as espécies que verificassem em simultâneo duas condições: serem consideradas não ameaçadas na Madeira (Seddon, 1995, 1998; IUCN, 2007) e não se encontrarem inscritas no Anexo II/IV da Directiva Habitats ou na Convenção de Berna. No entanto, salvaguardaram-se todas aquelas que, não verificando as condições anteriores, ocupavam áreas restritas ou eram exclusivas de determinadas áreas (i.e. ilhéus ou áreas com menos de 300 m2). Para os 65 taxa seleccionados, aferiu-se a distribuição a uma escala de 500x500 m, com recurso à informação existente na Base de Dados Atlantis – Madeira. Do conjunto de espécies consideradas, apenas 5 (8%) foram incluídas no Top 100 da Madeira, a saber, Leiostyla relevata, Leiostyla monticola, Lemniscia michaudi, Geomitra turricula e Idiomela subplicata, sendo que estes dois últimos taxa constam igualmente do Top 100 da Macaronésia. As espécies Geomitra turricula e Idiomela subplicata são endémicas da ilha do Porto Santo e exclusivas do ilhéu de Cima (5 ha) e do Ilhéu de Baixo (139 ha), respectivamente. Encontram-se protegidas pela Convenção de Berna e Directiva Habitats, possuindo o estatuto de vulneráveis de acordo com a IUCN. Entre as principais ameaças a que se encontram sujeitas destacam-se a degradação do habitats e o aumento da pressão turística que, com o respectivo aporte de visitantes, terá consequências danosas para as áreas sensíveis, culminando com a deterioração do habitat actual e possível introdução de espécies invasoras. Assim sendo, as reduzidas áreas que estas espécies ocupam, aliadas à fragmentação do seu habitat e à existência de barreiras geográficas que condicionam a sua dispersão, tornam necessário a implementação de um conjunto de medidas agressivas de manutenção, conservação e protecção do seu habitat actual, que permitam uma gestão satisfatória dos fragmentos de vegetação que ainda subsistem. O facto dos ilhéus do Porto Santo pertencerem à Rede Natura 2000 facilita de sobremaneira a implementação destas medidas. De forma a efectuar uma conservação sustentada de Geomitra turricula e Idiomela subplicata, torna-se essencial a realização de estudos mais detalhados que visem conhecer a sua biologia, ecologia e a dinâmica das populações.

Artrópodes (insectos) A estimativa mais recente acerca do número de artrópodes terrestres (insectos, aracnídeos, diplópodes, crustáceos, miriápodes, etc) existentes no arquipélago da Madeira e

463 pt

464 pt

ilhas Selvagens aponta para 3890 espécies e subespécies. Destas, cerca de 87% (3393 taxa) são insectos, dos quais 978 são endémicos (68%) (Borges et al., 2008). Apesar da sua importância em número absoluto e em número de endemismos, ao nível da Macaronésia apenas foram seleccionadas da Madeira as espécies Gonepteryx maderensis e Chrysolina fragariae para fazerem parte da Lista Prioritária “Top 100 da Macaronésia”. Para a Lista Prioritária “Top 100 da Madeira”, que diz respeito apenas ao arquipélago da Madeira e às ilhas Selvagens, foram adicionadas outras duas espécies, Paradeucalion desertarum e Deucalion oceanicum. A razão deste facto reside na falta de informação para a maioria das espécies endémicas de insectos no que diz respeito a: tamanho e tendência das suas populações, áreas actuais de distribuição, sua evolução e tendência futura, conhecimento aprofundado da sua biologia e ecologia, dos seus habitats, ameaças e factores de risco naturais a que estão sujeitas. Para suprir este vazio de conhecimento dever-se-á no futuro complementar os frequentes trabalhos de taxonomia e sistemática, com a avaliação dos impactes das actividades humanas na abundância e distribuição das espécies endémicas, o estado de conservação do seu habitat, o estudo da sua biologia, genética e ecologia, dinâmica de populações e identificação de ameaças. A borboleta diurna Gonepteryx maderensis é um dos 331 taxa da ordem Lepidoptera existentes nestas ilhas, dos quais 80 constituem endemismos. É uma espécie caracte-

Madeira.

Foto: Govert Nieuwland (isotckphoto).

Cap. IV A perspectiva arquipelágica: Madeira

rística da floresta laurissilva assim como a sua planta alimentar, Rhamnus glandulosa, a qual é considerada pouco frequente no seu habitat. As outras 3 espécies pertencem todas à ordem Coleoptera, a qual conta com 1039 taxa, dos quais 415 são endémicos (40%). São elas o crisomelídeo Chrysolina fragariae, mais raro que a sua planta hospedeira – Bystropogon maderensis – também ambos nativos da floresta laurissilva. As restantes pertencem à família Cerambycidae e representam géneros monotípicos: Paradeucalion desertarum, um endemismo das ilhas Desertas (Deserta Grande e Bugio) e Deucalion oceanicum endémico das ilhas Selvagens. Este último é tão importante como a sua planta hospedeira, Euphorbia anachoreta e ambos os taxones apenas existem no minúsculo ilhéu de Fora nas ilhas Selvagens.

Vertebrados Apesar de no arquipélago da Madeira os vertebrados (Chordata) não serem o grupo animal mais numeroso em indivíduos ou taxa, constituem um grupo bastante diverso numa perspectiva evolutiva, variando actualmente dos anfíbios até aos mamíferos terrestres e marinhos. No geral, os vertebrados terrestres diferem grandemente no seu potencial de dispersão, e apenas um pequeno número tem a capacidade de chegar pelos seus próprios meios a ilhas remotas, como as dos arquipélagos da Madeira e das Selvagens. De acordo com um levantamento recente (Borges et al., 2008), para estes arquipélagos estão contabilizadas 61 espécies e subespécies de vertebrados terrestres, correspondendo a 49 géneros, 32 famílias e 18 ordens. As Aves, que no geral têm uma elevada capacidade de dispersão, são a classe de vertebrados com maior número de taxa, registando 38 espécies e subespécies (62%). Outras quatro classes de vertebrados terrestres ocorrem na Madeira e Selvagens: Mammalia, com 12 espécies e subespécies (20%); Reptilia, com sete espécies e subespécies (11%); Actinopterygii, com três espécies (5%); e Amphibia, com uma espécie (2%). Nem todas as espécies de vertebrados terrestres que ocorrem actualmente no arquipélago da Madeira são indígenas destas ilhas. Um total de 13 taxa, correspondendo a 21% das espécies e subespécies de vertebrados terrestres registados, foram introduzidos após a colonização humana: dois peixes de água doce, uma ave, dois répteis (osgas), sete mamíferos e um anfíbio. Para a selecção das espécies focais foram considerados todos os vertebrados (excluindo cetáceos e répteis marinhos), que de acordo com os critérios e categorias da IUCN apresentam um estatuto de conservação Ameaçado, na mais actual avaliação apresentada no Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal (Cabral et al., 2005). Adicional-

465 pt

466 pt

mente foi efectuada uma extensiva pesquisa de informação complementar, publicada ou não, no sentido de detectar alguma alteração recente no estatuto de conservação de alguma espécie, que viesse a justificar a sua inclusão/exclusão na avaliação efectuada. Neste contexto, foram avaliados um total de 18 taxa pertencentes a três classes: 12 aves, cinco mamíferos (4 terrestres e um marinho) e um réptil. Os taxa avaliados correspondem a cerca de 38% daqueles que estão presentes (não introduzidos) nos arquipélagos da Madeira e das Selvagens. Desta lista um total de 6 taxa (33%) foram incluídos no Top 100 das espécies da Madeira e Selvagens e dois (11%) deles no Top 100 da Macaronésia. Podemos assim verificar que do total das 49 espécies e subespécies de vertebrados terrestres e marinhos (excluindo os cetáceos e os répteis) indígenas do arquipélago, 4% são prioritários, de acordo com os critérios aqui aplicados, em termos de gestão e conservação na Macaronésia, e 12% são-no para os arquipélagos da Madeira e Selvagens. No que diz respeito aos dois taxa do Top 100 da Macaronésia, temos uma ave Columba trocaz e um mamífero marinho Monachus monachus. Os restantes taxa presentes no Top 100 da Madeira e das Selvagens são duas aves (Pterodroma madeira e P. feae), um mamífero (Nyctalus leisleri verrucosus) e um réptil (Tarentola bischofi). Com a diversidade de taxa incluídos nestes Top 100, aliada à sua alargada dispersão geográfica, não é de estranhar que as principais ameaças a que estão sujeitas sejam também bastante diversas, podendo contudo ser agregadas em dois grandes grupos: degradação de habitat (nas suas múltiplas vertentes) e reduzida área de ocorrência. O principal factor limitante para a recuperação destas espécies é exactamente o pequeno tamanho e a fragmentação das áreas onde ainda ocorrem, ou para onde se podem dispersar. Neste contexto, é importante referir que todas as espécies em consideração, ocorrem em áreas com elevado estatuto de protecção e são actualmente alvo, ou pelos abrangidas, por transversais programas de gestão e recuperação de espécies e habitats.

Cap. IV A perspectiva arquipelágica: Madeira

BIBLIOGRAFIA Bank R. A., K. Groh, T. E. J. Ripken 2002. Clecom Project: catalogue and bibliography of the nonmarine Mollusca of Macaronesia. In Falkner M, K. Groh, M. C. D. Speight. 2002. Colectanea Malacologica, Verlag der Friedrich-Held-Gesellschaft, 547 pp. Barker, M. G. 2001. Gastropods on land: phylogeny, diversity and adaptive morphology. In: Barker, M. G. (ed.). The biology of terrestrial mollusks. New York: CABI Publishing, p. 1-146. Borges, P. A. V., C. Abreu, A. M. F. Aguiar, P. Carvalho, R. Jardim, I. Melo, P. Oliveira, C. Sérgio, A. R. M. Serrano & P. Vieira (eds.). 2008. A list of the terrestrial fungi, flora and fauna of Madeira and Selvagens archipelagos. Direcção Regional do Ambiente da Madeira and Universidade dos Açores, Funchal and Angra do Heroísmo. Borges, P. A. V., A. M. F. Aguiar, M. Boieiro, M. Carles-Tolrá & A. R. M. Serrano. 2008. The Arthropods (Arthropoda) of Madeira and Selvagens Archipelagos. In: Borges, P. A. V., C. Abreu, A. M. F. Aguiar, P. Carvalho, R. Jardim, I. Melo, P. Oliveira, C. Sérgio, A. R. M. Serrano & P. Vieira (eds.). A list of the terrestrial fauna and flora from Madeira. Direcção Regional do Ambiente da Madeira and Universidade dos Açores, Funchal and Angra do Heroísmo. Cabral, M. J., J. Almeida, P. R. Almeida, T. Dellinger, N. Ferrand de Almeida, M. E. Oliveira, J. M. Palmeirim, A. I. Quieroz, L. Rogado & M. Santos-Reis (coord). 2005. Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal. Peixes Dulciaquícolas e Migradores, Anfibios, Répteis, Aves e Mamíferos. Instituto da Conservação da Naturaleza, Lisboa. Cameron R. A. D., L. M. Cook. 1989. Shell size and shape in Madeiran land snails: do niches remain unfilled? Biological Journal of the Linnean Society, 36: 79-96. Cameron R. A. D., L. M. Cook. 1992. The development of diversity in the land snail fauna of the Madeiran archipelago. Biological Journal of the Linnean Society, 46: 105-114. Cameron R. A. D., L. M. Cook. 1996. Diversity and durability: responses of the Madeiran and Porto-Santan snail faunas to natural and human-induced environmental change. American Malacological Bulletin, 12 (1/2): 3-12. Cameron R. A. D. 1998. Dillemas of rarity: Biogeographucal insights amd conservation priorities for land mollusca, Journal of Conchology Special Publication n.º2, 51-60. Cook L. M. 1996. Habitat, isolation and the evolution of Madeiran landsnails, Biological Journal of the Linnean Society, 59: 457-470. Cunha, R., A. Frias Martins, P. Lourenço & A. Rodrigues. 2005. List of Molluscs (Mollusca) In: Borges, P. A. V., R. Cunha, R. Gabriel, A. M. F. Martins, L. Silva, e V. Vieira) (orgs.) A list of the terrestrial fauna (Mollusca and Arthropoda) and flora (Bryophyta, Pteridophyta and Spermatophyta) from the Azores. Direcção Regional de Ambiente and Universidade dos Açores, Horta, Angra do Heroísmo and Ponta Delgada. pp. 157-161. Diário da República Portuguesa. 1981. Decreto-Lei nº 95/81, de 23 de Julho. Diário da República Portuguesa. 1989. Decreto-Lei nº 316/89, de 22 de Setembro. ECCB. 1995. Red Data Book of European bryophytes. Part. 1-3: Threatened mosses and liverworts in Europe including Macaronesia. ECCB.- European Committee Conservation of Bryophytes. Trondheim: 291.

467 pt

468 pt

European Treaty Series N.º 104. 1979. Convention on the European WildLife and Natural Habitats. Fontinha S. & R. Jardim. 1999. Notes on Vascular Flora of Porto Santo’s Islets. Portug. Acta Biol. Sér. B 18: 169-177. Fontinha, S., M. Sim-Sim, & C. Lobo. 2006. Os Briófitos da Laurissilva da Madeira – Guia de algumas espécies. Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais. Fontinha, S., M. Sim-Sim, C. Sérgio & L. Hedenäs. 2001. Briófitos endémicos da Madeira. Colecção Biodiversidade Madeirense: Avaliação e Conservação, vol. 1, pp. 9 – 18. Goodfriend, G. A., R. A. D. Cameron & L. M. Cook. 1994. Fossil evidence of recent human impact on the land snail fauna of Madeira, Journal of Biogeography, 21: 309-320. Groh, K. & A. Garcia 2004. “Mollusca”, in I. Izquierdo, J. L. Martín, N. Zurita & M. Arechavaleta (eds.). Lista de Especies Silvestres de Canarias (Hongos, Plantas y Animales Terrestres), Consejería de Medio Ambiente y Ordenación Territorial, Gobierno de Canarias, pp. 149-154. Groh, K. & A. Garcia. 2005. “Mollusca”. In: Arechavaleta, M., N. Zurita, M. C. Marrero & J. L. Martín (eds.). Lista de Especies Silvestres de Cabo Verde (Hongos, Plantas y Animales Terrestres), Consejería de Medio Ambiente y Ordenación Territorial, Gobierno de Canarias, pp. 58-59. IUCN. 2007. 2007 IUCN Red List of Threatened Species. . Downloaded on 2 February 2008. Jardim, R. & M. Sequeira. 2008. As Plantas Vasculares (Pteridophyta e Spermatophyta) dos Arquipélagos da Madeira e das Selvagens. In: Borges, P. A. V., C. Abreu, A. M. F. Aguiar, P. Carvalho, R. Jardim, I. Melo, P. Oliveira, C. Sérgio, A. R. M. Serrano & P. Vieira (eds.). A list of the terrestrial fauna and flora from Madeira. Direcção Regional do Ambiente da Madeira and Universidade dos Açores, Funchal and Angra do Heroísmo. Jardim, R., F. Fernandes & J. Carvalho. 2006. Flora vascular endémica ameaçada. In Faria, B. (coord.). Fauna e Flora da Madeira. Espécies endémicas ameaçadas: vertebrados e flora vascular. D. R. Amb. Governo Regional da Madeira. Journal of European Communities. 1992. Council Directive 92/43/EEC of 21 May 1992 on the conservation of natural habitats and of wild fauna and flora. Seddon, M. 1995. Endangered land snails of Porto Santo (Madeira Island Archipelago): monitoring changes in species diversity and implications for their conservation, Biodiversity and Conservation: 171-204. Seddon, M. 1998. Red Listing for Molluscs: a tool for conservation?, Journal of Conchology Special Publication, 2, 27-44. Sérgio, C. 1984. The distribution and origin of Macaronesian bryophyte flora. Journal Hattori Botanical Lab, nº 56, pp. 7 – 13. Sérgio, C., C. Sim-Sim & M. Carvalho. 2006 (in press). Annotated checklist of Madeira bryophytes. Boletim do Museu Municipal do Funchal (História Natural). Waldén H. W. 1983. Systematic and biogeographical studies of the terrestrial Gastropoda of Madeira. With an annotated Check-list. Ann. Zool. Fennici, 20: 255-275.

469 pt

A perspectiva arquipelágica: Canárias Manuel Arechavaleta* & José Luis Martín* *Servicio de Biodiversidad, Consejería de Medio Ambiente y Ordenación Territorial, Gobierno de Canarias. Centro de Planificación Ambiental, La Laguna, Santa Cruz de Tenerife, España. email: [email protected]; [email protected]

Introdução É sabido que o arquipélago das Canárias alberga uma flora e fauna extraordinariamente rica e diversa com uma elevada proporção de formas endémicas. Do meio terrestre conhecem-se quase 12000 espécies nativas, das quais quase um terço (30,9 %) são exclusivas do arquipélago. Além disso, uma grande parte dos endemismos –2371 espécies– são exclusivas de uma única ilha, o que lhes confere ainda uma maior importância. Destacam-se neste aspecto Gran Canaria e Tenerife, ilhas em que a proporção de endemismos insulares supera os 10 e os 15%, respectivamente, do seu biota nativo. Além do mais, ter-se-ão descrito cerca de 120 géneros endémicos, muitos deles monotípicos (Izquierdo et al., 2004; Martín et al., 2005b). Este facto torna as ilhas num “hotspot” de biodiversidade de importância mundial, sendo este arquipélago uma das zonas com maior densidade de endemismos dentro da região bioclimática mediterrânea, que foi considerada um dos “hotspot” de biodiversidade do planeta (Myers et al., 2000). Por outro lado, é também considerável a biodiversidade do litoral e dos fundos marinhos do arquipélago. Das águas das Canárias ter-se-ão citado mais de 5200 espécies, entre as quais se contam pelo menos 164 endemismos das Canárias (Moro et al., 2003). É do consenso geral que esta enorme biodiversidade se concentra num arquipélago submetido a grande pressão. A população humana actual atinge os 2 milhões de habitantes e durante os últimos 500 anos, desde que o arquipélago foi conquistado pelos castelhanos, o meio natural das ilhas tem sofrido as consequências de uma sobre-ex-

470 pt

ploração continuada dos recursos naturais primeiro como consequência do desenvolvimento agrário e depois do desenvolvimento urbanístico. Consequentemente, não é de estranhar que grande parte dos ecossistemas do arquipélago tenham sido reduzidos ou alterados de forma dramática. Isto terá provocado a regressão, ou mesmo o desaparecimento, de muitas das espécies nativas e entre estas dos endemismos. A consequência é que actualmente muitos taxa das Canárias se encontram ameaçados e envolvidos numa dinâmica progressiva de diminuição gradual da sua área de distribuição ou da sua abundância, que em casos extremos pode desencadear processos irreversiveis de extinção (Martín et al., 2005a). Em resposta a esta situação implementaram-se mecanismos legais destinados a garantir a conservação dos habitats naturais e das espécies que albergam. Do ponto de vista territorial, estabeleceram-se normas legais que prentendem racionalizar o ordenamento do território e estabeleceram-se áreas protegidas, onde são regulados os usos e actividades desenvolvidas. De resto, cerca de 40% do território do arquipélago foi declarado espaço natural protegido pela Rede de Espaços Naturais das Canárias (Martín et al., 1995; Carralero, 2001), e 47% do território faz parte dos espaços protegidos pela Rede Natura 2000 (SIC e ZPE); a estes têm de se adicionar outros 28 espaços marinhos declarados SIC ou ZPE, que formam um total de mais de 1800 km2 das águas marinhas do arquipélago (Vera et al., 2008). No que respeita à conservação das espécies selvagens, existem diferentes normas e disposições legais de âmbito europeu, estatal e autonómico que conferem protecção às espécies das Canárias consideradas ameaçadas ou que necessitam de protecção por alguma outra razão. Por um lado, as Directivas europeias Aves e Habitats possuem nos seus anexos numerosas espécies presentes no arquipélago, por outro lado o Catálogo Nacional de Espécies Ameaçadas e o Catálogo de Espécies Ameaçadas das Canárias dão cobertura legal à protecção de muitas outras espécies (179 e 450 taxa, respectivamente), assim como a redacção e aplicação dos seus correspondentes planos legais de conservação destinados a recuperar as suas populações. No entanto, apesar de mais de 500 espécies das Canárias se encontrarem protegidas por estas disposições, nem todas elas se podem considerar ameaçadas, exceptuando, claro, as espécies que por impacte do Homem estão actualmente em declínio ou o terão estado em tempos passados e o seu estado actual de conservação é preocupante. Nesta situação estão pelo menos 156 espécies das Canárias, que são as que foram consideradas taxa focais ou candidatas na elaboração deste livro (Martín et al., 2005a). Destes 156 taxa seleccionámos as 100 espécies que maior pontuação obtiveram de acordo com os parâmetros e os pesos relativos atribuídos aos critérios de prioridade, obtendo-se assim o Top 100 das espécies das Canárias com prioridade de gestão (Quadro I).

Cap. V A perspectiva arquipelágica: Canárias

Quadro I. Listagem dos 100 taxa de gestão prioritária no arquipélago das Canárias.

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Valor Responsabilidade Valor Sinergias Singularidade Ameaças Biologia ecológico de tutela social extrínsecas 1.1

2.1 2.2 2.3

3.1

3.2

4.1

1.1 1.2 2.1 2.2 2.3

3.1

Avaliador

Plantas vasculares Adenocarpus ombriosus

2

4

2

1

4

1

1

4

4

3

2

4

3

R. Mesa

Androcymbium psammophilum

3

4

1

1

4

2

1

4

2

2

2

3

2

A. Reyes / A. Santos

Argyranthemum lidii

2

4

1

1

4

1

1

4

3

2

2

4

2

A. Reyes / A. Santos

Argyranthemum sundingi

1

4

1

1

4

1

1

3

4

3

2

4

3

R. Mesa

Argyranthemum winteri

2

4

2

1

4

4

1

3

3

3

2

4

3

S. Scholz

Atractylis arbuscula

2

4

1

1

4

1

1

4

3

2

2

4

2

A. Reyes / A. Santos

Bencomia brachystachya

1

4

3

2

4

4

1

4

3

2

2

4

1

J. Naranjo

Bencomia exstipulata

1

4

3

2

4

1

1

4

4

2

2

4

1

M. Marrero / E. Carqué

Bencomia sphaerocarpa

1

4

3

1

4

1

1

4

4

2

2

4

2

R. Mesa

Carduus bourgeaui

2

4

2

1

4

3

1

3

3

1

2

4

3

S. Scholz

Cheirolophus arboreus

1

4

1

1

4

1

1

4

4

4

2

4

2

A. Acevedo

Cheirolophus duranii

1

4

2

1

4

1

1

4

4

3

2

3

2

R. Mesa

Cheirolophus homerythus

1

4

2

1

4

2

1

4

4

3

2

4

3

E. Ojeda

Cheirolophus metlesicsii

1

4

2

1

4

1

1

4

4

3

2

4

3

E. Ojeda

Cheirolophus santos-abreui

1

4

3

1

4

1

1

4

3

3

2

4

2

A. Acevedo

Cheirolophus sventenii subsp. gracilis

1

3

2

1

4

1

1

4

4

4

2

4

2

A. Acevedo

Convolvulus lopezsocasi

3

4

2

1

4

1

2

4

3

2

2

4

1

A. Reyes / A. Santos

Convolvulus subauriculatus

2

4

2

1

4

1

1

4

4

2

2

3

2

M. L. Rodríguez

Crambe scoparia

1

4

1

1

4

2

1

4

3

3

2

4

2

J. Naranjo

Crambe sventenii

2

4

2

1

4

1

1

4

3

3

2

3

4

S. Scholz

Crambe wildpreti

1

4

3

1

4

1

1

4

4

2

2

4

3

R. Mesa

Cymodocea nodosa

4

1

1

1

1

2

3

4

3

4

3

3

1

R. Herrera / A. Cabrera

Dorycnium broussonetti

1

4

2

2

4

3

1

4

4

3

2

4

2

J. Naranjo

Dorycnium spectabile

1

4

3

1

4

2

1

4

4

3

2

4

3

E. Ojeda

471 pt

472 pt

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Valor Responsabilidade Valor Sinergias Singularidade Ameaças Biologia ecológico de tutela social extrínsecas 1.1

2.1 2.2 2.3

3.1

3.2

4.1

1.1 1.2 2.1 2.2 2.3

3.1

Avaliador

Echium acanthocarpum

2

4

2

1

4

1

2

4

3

2

3

3

2

M. Marrero / E. Carqué

Echium handiense

2

4

3

1

4

3

1

3

3

3

2

4

3

S. Scholz

Euphorbia mellifera

1

2

3

1

4

2

1

4

4

3

2

4

3

E. Ojeda

Globularia ascanii

2

4

3

1

4

1

1

4

4

3

2

4

2

J. Naranjo

Globularia sarcophylla

2

4

2

1

4

1

1

4

4

3

2

4

2

J. Naranjo

Helianthemum aganae

1

4

4

1

4

4

1

4

3

3

2

1

3

R. Mesa

Helianthemum bramwelliorum

2

4

3

1

4

4

1

4

2

2

1

2

3

A. Reyes / A. Santos

Helianthemum bystropogophyllum

2

4

2

1

4

3

1

4

3

2

1

3

2

A. Reyes / A. Santos

Helianthemum gonzalezferreri

2

4

3

1

4

4

1

4

3

3

2

4

3

A. Reyes / A. Santos

Helianthemum inaguae

2

4

4

1

4

4

1

4

4

3

2

4

3

J. Naranjo

Helianthemum juliae

1

4

2

1

4

1

1

4

3

2

2

4

3

M. Marrero / E. Carqué

Helianthemum teneriffae

1

4

3

1

4

3

1

3

3

2

2

4

3

E. Ojeda

Helianthemum tholiforme

2

4

1

1

4

1

1

4

4

4

2

4

3

J. Naranjo

Helichrysum alucense

2

4

2

1

4

1

2

3

3

3

2

4

3

S. Rodríguez

Hypericum coadunatum

1

4

2

1

4

4

1

4

3

2

2

3

1

J. Naranjo

Hypochoeris oligocephala

1

4

1

1

4

1

1

4

4

3

2

4

2

R. Mesa

Isoplexis chalcantha

2

4

2

2

4

3

1

4

3

3

2

4

1

M. Naranjo

Isoplexis isabelliana

2

4

1

1

4

2

1

4

3

2

2

3

2

J. Naranjo

Kunkeliella canariensis

1

4

4

2

4

4

1

4

3

3

2

4

1

J. Naranjo

Kunkeliella subsucculenta

2

4

2

2

4

3

1

4

3

2

2

4

1

M. L. Rodríguez

Limonium dendroides

1

4

4

1

4

1

1

4

4

2

2

3

1

R. Mesa

Limonium perezii

1

4

2

1

4

1

1

4

3

3

2

4

3

E. Ojeda

Limonium relicticum

1

4

3

1

4

1

1

4

4

3

2

1

2

R. Mesa

Limonium spectabile

2

4

3

1

4

2

1

4

4

4

2

4

2

A. Acevedo

Limonium vigaroense

1

4

2

1

4

4

1

4

4

4

2

4

2

J. Naranjo

Lotus arinagensis

1

4

1

1

4

2

1

4

3

3

2

3

2

J. Naranjo

Lotus berthelotii

1

4

3

1

4

3

4

4

4

3

2

4

2

E. Ojeda

Cap. V A perspectiva arquipelágica: Canárias

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Valor Responsabilidade Valor Sinergias Singularidade Ameaças Biologia ecológico de tutela social extrínsecas 1.1

2.1 2.2 2.3

3.1

3.2

4.1

1.1 1.2 2.1 2.2 2.3

3.1

Avaliador

Lotus eremiticus

1

4

4

1

4

3

1

4

4

2

2

4

2

K. Martín

Lotus kunkelii

2

4

4

1

4

4

3

4

3

2

2

4

2

J. Naranjo

Lotus maculatus

1

4

4

1

4

4

4

4

4

2

2

4

3

E. Ojeda

Lotus pyranthus

1

4

4

1

4

3

1

4

4

2

2

3

2

K. Martín

Ononis christii

2

4

2

1

4

2

1

3

3

3

2

4

3

S. Scholz

Onopordon carduelium

2

4

1

2

4

2

1

4

3

3

2

4

2

J. Naranjo

Onopordon nogalesii

2

4

3

1

4

1

1

3

2

3

2

4

3

S. Scholz

Parolinia glabrisucula

1

4

3

2

4

2

1

4

3

3

2

4

2

J. Naranjo

Pericallis hadrosoma

1

4

4

1

4

1

1

4

3

3

2

4

1

J. Naranjo

Plantago famarae

2

4

2

1

4

1

1

4

4

4

2

4

1

A. Reyes / A. Santos

Salvia herbanica

2

4

4

1

4

4

1

4

3

3

2

2

3

S. Scholz

Sambucus palmensis

1

4

3

1

4

1

2

3

3

3

2

4

3

E. Ojeda

Scrophularia calliantha

2

4

2

1

4

4

1

4

2

2

1

3

1

M. Naranjo

Sideritis amagroi

1

4

4

1

4

1

1

4

3

2

2

4

1

J. Naranjo

Sideritis discolor

2

4

3

1

4

3

1

4

3

3

2

4

2

M. Naranjo

Sideritis marmorea

2

4

1

1

4

1

2

3

4

3

2

4

3

S. Rodríguez

Silene nocteolens

3

4

1

1

4

1

1

4

3

3

2

4

2

M. Marrero / E. Carqué

Silene sabinosae

1

4

3

1

4

2

1

4

4

2

2

4

2

R. Mesa

Solanum vespertilio subsp. doramae

1

4

4

1

4

4

1

4

3

2

2

4

1

M. Naranjo

Solanum vespertilio subsp. vespertilio

2

4

2

1

4

1

2

4

3

3

2

4

3

M. L. Rodríguez

Sonchus gandogeri

2

4

2

1

4

1

1

4

4

3

2

3

2

R. Mesa

Stemmacantha cynaroides

2

4

3

1

4

3

2

4

3

2

2

4

2

M. Marrero / E. Carqué

Tanacetum oshanahanii

1

4

4

1

4

1

1

4

4

3

2

4

2

J. Naranjo

Tanacetum ptarmiciflorum

1

4

2

1

4

1

1

4

4

4

2

4

2

J. Naranjo

Teline nervosa

1

4

2

1

4

2

1

4

4

3

2

4

2

J. Naranjo

473 pt

474 pt

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Valor Responsabilidade Valor Sinergias Singularidade Ameaças Biologia ecológico de tutela social extrínsecas 1.1

2.1 2.2 2.3

3.1

3.2

4.1

1.1 1.2 2.1 2.2 2.3

3.1

Avaliador

Teline salsoloides

1

4

2

1

4

1

1

4

3

3

2

4

3

E. Ojeda

Teline splendens

1

4

2

1

4

1

1

4

3

4

1

2

3

K. Martín

Zostera noltii

4

1

1

1

1

4

2

4

4

2

2

1

3

R. Herrera / A. Cabrera

Hemicycla plicaria

2

4

1

1

4

2

1

4

3

3

2

1

3

S. de la Cruz / H. López / H. Morales

Parmacella teneriffensis

2

4

1

2

4

4

1

4

3

4

2

1

4

M. Arechavaleta

Patella candei candei

1

2

1

1

4

3

3

4

4

4

1

3

3

J. R. Docoito

Acrostira euphorbiae

2

4

1

2

4

1

1

4

4

3

2

4

2

H. López

Arthrodeis obesus gomerensis

2

4

2

1

4

1

1

3

3

3

1

4

2

S. de la Cruz

Cardiophorus cobossanchezi

2

4

2

1

4

1

1

3

3

4

2

4

2

H. Morales

Dicrodontus alluaudi

2

4

2

2

4

1

1

4

4

2

2

3

2

H. López

Loboptera subterranea

2

4

2

1

4

3

2

4

3

2

2

3

1

S. de la Cruz

Maiorerus randoi

4

4

3

3

4

2

2

4

3

3

2

1

1

S. de la Cruz

Pachydema gomerae

2

4

1

1

4

1

1

3

3

4

2

4

2

S. de la Cruz

Pimelia canariensis

2

4

1

1

4

2

1

4

3

3

2

2

2

H. López

Pimelia fernandezlopezi

2

4

1

1

4

4

1

4

3

4

2

4

2

H. Morales

Pimelia granulicollis

2

4

1

1

4

2

1

4

3

3

2

3

2

H. López

Rhopalomesites euphorbiae

2

2

1

2

4

3

1

4

4

3

2

4

4

M. Arechavaleta

Corvus corax canariensis

3

2

3

1

4

4

4

2

2

2

1

4

2

E. García del Rey

Fringilla teydea polatzeki

3

3

3

2

4

3

4

3

4

2

4

4

2

E. García del Rey

Gallotia bravoana

3

4

4

1

4

1

3

4

3

2

3

4

2

J. A. Mateo

Gallotia intermedia

3

4

1

1

4

1

2

4

3

3

2

4

2

J. A. Mateo

Moluscos

Artrópodes

Vertebrados

Cap. V A perspectiva arquipelágica: Canárias

PRIORIDADE EM FUNÇÃO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO

PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

Valor Responsabilidade Valor Sinergias Singularidade Ameaças Biologia ecológico de tutela social extrínsecas 1.1

2.1 2.2 2.3

3.1

3.2

4.1

1.1 1.2 2.1 2.2 2.3

3.1

Avaliador

Gallotia simonyi

3

4

2

1

4

1

3

4

3

2

4

4

2

J. A. Mateo

Neophron percnopterus majorensis

3

3

3

3

4

3

4

4

3

2

4

4

1

E. García del Rey

Parus caeruleus degener*

3

2

2

1

4

3

2

4

2

2

3

4

2

E. García del Rey

* Existem algumas dúvidas sobre a validade deste taxon (Dietzen et al., 2007), o que poderá afectar as pontuações 2.1 e 3.1.

TOP 100 DAS CANÁRIAS A lista de espécies seleccionadas como prioritárias de gestão no arquipélago das Canárias é maioritariamente formada por espécies terrestres. Só três vivem no meio marinho: a lapa Patella candei candei, que se distribui por diferentes zonas do litoral de Fuerteventura, e as fanerogâmicas marinhas Zostera noltii e Cymodosea nodosa; a primeira habita exclusivamente em fundos próximos de Arrecife (Lanzarote), enquanto que a segunda se distribui pela costa de todas as ilhas do arquipélago, formando, por vezes, extensas pradarias. Quanto às espécies terrestres, dominam as fanerogâmicas ou plantas com flor (79 taxa), seguidas por esta ordem, artrópodes (10 insectos e 1 aracnídeo) vertebrados (4 aves e 3 répteis) e moluscos (3 espécies) (Figura 1).

Figura 1. Distribuição por grupos taxonómicos das 100 espécies das Canárias de gestão prioritária.

475 pt

476 pt

Obviamente, esta distribuição por grupos taxonómicos não está em consonância com a que existe no conjunto do biota terrestre e marinho do arquipélago; por exemplo, os invertebrados terrestres são de longe o grupo mais rico em espécies (Izquierdo et al., 2004; Martín et al., 2005b), mas a informação que se tem sobre eles e sobre o seu estado de conservação é de modo geral insuficiente, daí que apresentem escasso protagonismo neste livro. Dá-se relevância, isso sim, à importância que têm as plantas vasculares entre os taxa que são de gestão prioritárias, apesar de tradicionalmente essa relevância ser dada às aves, répteis e outros grupos de vertebrados. À excepção das fanerogâmicas marinhas mencionadas, as restantes espécies que constituem o Top 100 das Canárias são taxa exclusivos da Macaronésia: três destes partilhados com a Madeira, outros oito exclusivos das Canárias e presentes em várias ilhas do arquipélago, e os restantes endemismos insulares de alguma das sete principais ilhas. Esta elevada proporção de taxa endémicos entre as espécies seleccionadas deve-se ao facto de que na valoração da prioridade de protecção, a condição de endemismo tem um peso relativo importante, tanto ao valorizar a raridade em termos de distribuição, como ao valorizar a responsabilidade de tutela que têm as administrações por se tratar de taxa restringidos à Macaronésia europeia. Muitas destas espécies não só são exclusivas de uma ilha, como têm uma distribuição muito localizada. De resto, 35% dos taxa seleccionados têm como área de ocupação a superfície mínima considerada, ou seja, uma quadrícula imaginária do território de 2x2 km.

Pico de El Teide, Tenerife, Canárias.

Foto: Tim Messick (istockphoto).

Cap. V A perspectiva arquipelágica: Canárias

Fm!m!I Fm!Ijfss Ijfs Ijf jfss ssp sp Mbbo{ Mbo{bspu Mbo o{{bsp bsspu puuf 5 uby ub byy/

Gvf vfsufwfouvs ufwfouvsb

7!!uby 7 ub byy/

Mbb!Q Mb!Q Mb! Qbmnb 6!!ub 6 ub by/ y

Mbb!H b!Hpnfsb Hp 24 uby/ 24 ub ub

sjggf byy/

OŒp!foenjdb 3!uby/

Foe/!nbdbspotjdp 4!uby/

Foe/!Dboˆsjbt )wbsjbt!jmibt* 9!uby/

Figura 2. Distribuição das 100 espécies das Canárias prioritárias de gestão segundo o seu nível de endemismo.

Com frequência a raridade em termos de distribuição das espécies está associada a tamanhos populacionais reduzidos. Neste caso, 75% das espécies seleccionadas conta com menos de 1000 indivíduos adultos (potencialmente reprodutores), e destas, 14 possuem um tamanho populacional inferior a 50 efectivos. Mais de metade das espécies (54%) apresentaram um declínio importante na última década ou durante três gerações —quer no seu tamanho populacional, quer na sua área de distribuição— ou, possuindo uma área de distribuição pequena esta sofreu uma diminuição nesse período. Para as restantes espécies (46%) tal declínio não se verificou ou não se dispõe de dados que permitam determinar em termos quantitativos a magnitude da sua regressão. Os factores de ameaça que incidem sobre as 100 espécies seleccionadas são de índole diversa. As ameaças mais importantes, pelo menos no que respeita ao número de espécies que afectam, são as que derivam da existência de espécies exóticas (73% dos casos) e as que implicam a perda ou degradação dos habitats (51% dos casos). Em segunda instância interferem outros factores, como o impacto de diversas actividades humanas (25%) –principalmente actividades turísticas e recreativas–, distintos usos e aproveitamentos que actuam especificamente sobre estes taxa (16%) e, por último, eventos de mortalidade acidental que por se repetirem constituem um factor de ameaça (12%). (Ver Figura 3).

477 pt

478 pt

Figura 3. Distribuição dos factores de ameaça segundo a sua afectação às 100 espécies das Canárias de gestão prioritárias.

O principal impacte das espécies exóticas deriva da pressão que exercem os herbívoros sobre as espécies de plantas (ver Figura 4A). Durante séculos existiu no arquipélago uma importante manada de gado de pastoreio livre, fundamentalmente cabras e ovelhas que provocaram a diminuição e ou até o desaparecimento das populações de muitas espécies de plantas nativas, até ao ponto de ter sido considerado o factor que mais negativamente incide sobre o conjunto da flora vascular do arquipélago (García Casanova et al., 2001). Muitas destas plantas nativas mantiveram-se restritas a escarpas e paredes, inacessíveis inclusive aos herbívoros exóticos, mas em numerosos casos as suas populações terão descido até níveis insustentáveis e a sua expansão fora desses limites está muito limitada, até ao ponto de que actualmente se encontram em situação de risco. É certo que nas últimas décadas a prática do pastoreio extensivo diminuiu sensivelmente e existe uma certa tendência para se criar o gado em estábulo, de modo que muitas espécies vegetais recuperaram parcialmente as suas populações graças à recolonização das áreas próximas; sem embargo, em muitas zonas do arquipélago o pastoreio extensivo não controlado continua a existir, constituindo hoje um relevante factor de ameaça. Em todo o caso, o efeito negativo do gado não se limita aos danos causados nas plantas ao alimentarem-se delas, mas também ao pisoteio intensivo das zonas de distribuição destas espécies e à alteração do habitat resultante do pisoteio. De resto, uma quinta parte das espécies seleccionadas é sensível a este fenómeno.

Cap. V A perspectiva arquipelágica: Canárias

Por outro lado, existe em todas as ilhas uma importante população de coelhos, cujo alimento principal são plântulas, limitando ainda mais a já precária capacidade de reprodução das espécies ameaçadas. E, por outro lado, em Tenerife e La Palma existem populações de muflão e carneiro-bárbaro, dois grandes herbívoros que foram introduzidos nas ilhas para fomentar a caça grossa e que se conseguiram adaptar aos habitats selvagens, causando danos na flora ameaçada das zonas altas de ambas as ilhas (Nogales et al., 2006). As causas de alteração dos habitats são também diversas (ver Figura 4B). A mais relevante, afecta 39% das espécies, é a degradação do meio em sentido amplo, é por assim dizer, a diminuição gradual da qualidade e disponibilidade do habitat natural das espécies. Outros processos determinantes são, a alteração do meio causada pela acção das espécies exóticas, o desenvolvimento urbanístico e de infraestruturas, o desenvolvimento agrícola e, de um modo geral, as mudanças no uso do solo. Uma grande parte das espécies seleccionadas (41%) habitam nas formações de bosque termófilo ou nas suas diferentes etapas de degradação. É sabido que este foi um dos ecossistemas das Canárias tradicionalmente mais afectados, e é por isso que muitas das espécies que formam parte da sua flora se encontram actualmente ameaçadas, para o que sem dúvida contribuiu o facto de ser um habitat comum nas redondezas dos principais assentamentos de população de então. O desaparecimento destes bosques deveu-se principalmente à desflorestação com o objectivo de convertê-los em terrenos de cultivo e ao aproveitamento de lenha para uso doméstico, fornos de telha e cal e sobretudo engenhos de produção de açúcar (Santos et al., 1985; Naranjo, 2001). Algo

Fuerteventura, Canárias.

Foto: Carlos Más.

479 pt

480 pt

semelhante ocorreu com os bosques de Laurissilva do arquipélago, não sendo por acaso que em séculos passados foram submetidos a intensos aproveitamentos, levando ao desaparecimento de uma importante proporção da sua área de ocupação (González et al., 1986; Naranjo op cit.). Actualmente a degradação da Laurissilva foi travada, e em algumas zonas foi até invertida, produzindo-se uma recuperação gradual nas últimas décadas. Este facto permitiu a recuperação, ou pelo menos a estabilização, das populações de numerosas espécies animais e vegetais que vivem nestas formações.

A

B

Figura 4. Distribuição dos principais factores de ameaça segundo a sua afectação às 100 espécies das Canárias de gestão prioritária: A) factores relacionados com a existência de espécies exóticas. B) factores que implicam a perda ou degradação do habitat.

Cap. V A perspectiva arquipelágica: Canárias

Posteriormente produziu-se um alargamento dos grandes núcleos de população humana até às zonas baixas e uma maior ocupação da franja litoral, o que provocou a degradação dos habitats naturais nestas zonas. Isto explica o facto de que muitas espécies consideradas prioritárias se encontram nestes habitats. Como se observa na Figura 5, 25% dos taxa formam parte dos matorrais xerófilos do piso basal, outros 21% vivem na franja litoral (escarpas marinhas, areais costeiros, etc.) e outros 12% nos matorrais costeiros não excessivamente halófitos. Por último, os bosques de pinhal e os matorrais de altitude também albergam várias das espécies consideradas prioritárias. São habitats mais bem conservados que os anteriores, sobretudo as zonas de alta montanha, mas não é por isso que as espécies que ocupam estas zonas estão isentas do efeito dos incêndios, herbívoros e outros factores de ameaça. Cerca de 16 espécies de animais e plantas das seleccionadas formam parte destas comunidades.

Figura 5. Distribuição dos habitats em que vivem as 100 espécies das Canárias de gestão prioritária.

De acordo com as avaliações realizadas pelos especialistas, o valor social das espécies das Canárias seleccionadas é, de modo geral, pouco significativo. Como seria de esperar são as aves e os répteis os que obtêm pontuações mais elevadas para este critério, pois despertam maior simpatia entre a população. Também algumas plantas utilizadas em jardinagem e muito apreciadas como ornamentais (por exemplo as espécies do género Lotus) têm valor social. Pelo contrário, a maioria das plantas e invertebrados terrestres (insectos e aracnídeos) são taxa amplamente desconhecidos para uma grande parte da comunidade.

481 pt

482 pt

Los Gigantes, Tenerife, Canárias.

Foto: Eva Serrabassa (istockphoto).

O estado de conservação das espécies, a sua condição de endemismos locais e a relevância social que têm, são os critérios que tradicionalmente se utilizam para catalogar as espécies como protegidas. Neste sentido, boa parte dos taxa seleccionados (91) estão incluídos no Catálogo de Espécies Ameaçadas das Canárias, (61 “em perigo de extinção”, 27 como ”sensíveis à alteração do seu habitat” e 3 como “vulneráveis”). Além dessas 60 outras espécies encontram-se no Catálogo Nacional de Espécies Ameaçadas (57 delas “em perigo de extinção”). Por outra parte, 2 das 4 espécies de aves estão incluídas no anexo I da Directiva Aves e outras 29 espécies são consideradas de interesse comunitário na Directiva Habitats (19 delas prioritárias). Como referido em capítulos anteriores, na altura de distribuir os recursos disponíveis de forma a optimizar as políticas de conservação das espécies ameaçadas, há que ter em consideração outros factores socio-económicos, relacionados principalmente com a viabilidade e o custo económico da gestão.

Cap. V A perspectiva arquipelágica: Canárias

Neste sentido, saber quais são as ameaças que incidem sobre as espécies, o seu impacto real e a capacidade que temos em controlá-las são factores cruciais para tornar prioritárias as espécies. Das espécies que formam o Top 100 das Canárias, para 99 delas as ameaças que as afectam são bem conhecidas e pelo menos em 85 casos conhece-se a importância que esses factores têm na dinâmica das suas populações. Além disso, a capacidade de controlo dos factores de ameaça é alta ou média em 94% das espécies e em 63% dos casos levá-lo a cabo não implica um custo excessivo, além dos gastos correntes da administração competente. Uma forma de tornar mais baratos os custos é contar com o apoio social para o desenvolvimento de acções de conservação e de recuperação das populações. No entanto, é muito raro isso ocorrer. Habitualmente (ou pelo menos assim se valorizou para 86% das espécies do Top 100 das Canárias) a sociedade mantém-se passiva ou neutra no que respeita às medidas de gestão necessárias e só em sete dos casos considerou-se que existia apoio da sociedade para levar a cabo ou colaborar em acções de conservação, circunstância que se dá principalmente em espécies com maior valor social. Finalmente, o facto de as populações destas espécies estarem maioritariamente dentro de áreas protegidas, a priori facilita também as tarefas de gestão, um factor a considerar na altura de estabelecer prioridades, embora a importância relativa deste critério em relação a outros seja baixa (de acordo com a avaliação feita pelos gestores e especialistas em conservação). Neste caso, 72% das espécies seleccionadas das Canárias têm a totalidade da sua área de distribuição dentro de um espaço natural protegido e outros 18% das espécies têm ao menos metade das suas populações. A lista Top 100 das espécies das Canárias prioritárias de gestão não deve ser um catálogo estático. Com o passar do tempo a situação das espécies irá alterar-se, com maior probabilidade nos taxa ameaçados em que as mudanças de estatuto são mais relevantes. Dito de outro modo, a médio ou longo prazo a lista das 100 espécies prioritárias das Canárias perderá vigência. Este facto não deixa de tornar útil esta lista porque define as prioridades de actuação a curto prazo e, de um modo geral, a necessidade de se tomarem decisões urgentes é mais imediata que a dinâmica de alterações das espécies.

483 pt

Figura 6. Distribuição das 100 espécies das Canárias de gestão prioritária em relação com as superficies protegidas pela Rede Canária de Espaços Naturais protegidos.

484 pt

Cap. V A perspectiva arquipelágica: Canárias

BIBLIOGRAFIA Carralero, I. 2001. La Red Canaria de Espacios Naturales Protegidos. En: Fernández-Palacios, J. M. & J. L. Martín (coord.). Naturaleza de las Islas Canarias. Ecología y Conservación. Ed. Publicaciones Turquesa. Madrid. pp.: 399-405. Dietzen, C., E. García del Rey, G. Delgado & M. Wink. 2007. Phylogeography of the blue tit (Parus teneriffae-group) on the Canary Islands, based on mitochondrial DNA sequence data and morphometrics. J. Onnithol, 149 (1): 1-12. García Casanova, J., J. L. Rodríguez Luengo & C. Rodríguez Piñero. 2001. Especies amenazadas. En: Fernández-Palacios, J. M. & J. L. Martín (coord.). Naturaleza de las Islas Canarias. Ecología y Conservación. Ed. Publicaciones Turquesa. Madrid. pp.: 167-172. González, M. N., J. D. Rodrigo & C. Suárez. 1986. Flora y Vegetación del Archipiélago Canario. Ed. Edirca. Las Palmas de Gran Canaria. 335 pp. Izquierdo, I., J. L. Martín, N. Zurita & M. Arechavaleta (eds.). 2004. Lista de especies silvestres de Canarias. Hongos, plantas y animales. Consejería de Política Territorial y Medio Ambiente, Gobierno de Canarias, 500 pp. Martín J. L., S. Fajardo, M. A. Cabrera, M. Arechavaleta, A. Aguiar, S. Martín & M. Naranjo. 2005a. Evaluación 2004 de especies amenazadas de Canarias. Especies en peligro de extinción, sensibles a la alteración de su hábitat y vulnerables. Consejería de Medio Ambiente y Ordenación Territorial, Gobierno de Canarias. 95 pp + CD. Martín, J. L., M. C. Marrero, N. Zurita, M. Arechavaleta & I. Izquierdo. 2005b. Biodiversidad en gráficas. Especies silvestres de las islas Canarias. Consejería de Medio Ambiente y Ordenación Territorial, Gobierno de Canarias. 56 pp. Martín, J. L., H. García, C. E. Redondo, I. García & I. Carralero. 1995. La Red Canaria de Espacios Naturales Protegidos. Consejería de Política Territorial, Gobierno de Canarias. Santa Cruz de Tenerife. 412 pp. Moro, L. J. L. Martín, M. J. Garrido & I. Izquierdo (eds.). 2003. Lista de especies marinas de Canarias. Algas, hongos, plantas y animales. Consejería de Política Territorial y Medio Ambiente, Gobierno de Canarias, 220 pp. Myers, N., R. A. Mittermeier, C. G. Mittermeier, G. A. B. de Fonseca & J. Kent. 2000. Biodiversity hotspots for conservations priorities. Nature, 403 : 853-858. Naranjo, J. 2001. Los aprovechamientos forestales. En: Fernández-Palacios, J. M. & J. L. Martín (coord.). Naturaleza de las Islas Canarias. Ecología y Conservación. Ed. Publicaciones Turquesa. Madrid. pp.: 269-274. Nogales, M. J. L. Rodríguez & P. MArrero. 2006. Ecological effects and distribution of invasive nonnative mammals on the Canary Islands. Mammal Rev., 36 (1): 49-65. Santos, A., W. Beltrán & J. Ruiloba. 1985. El hombre y el medio. En: Afonso, L. (ed.), Geografía de Canarias. Tomo II. Geografía Humana. Ed. Interinsular. Santa Cruz de Tenerife. pp.: 9-42. Vera, A., C. Samarín, G. Viera & G. Delgado. 2008. Natura 2000 en Macaronesia. Guía Técnica. Consejería de Medio Ambiente y Ordenación Territorial, Gobierno de Canarias.

485 pt

Anexo I

Anexo I

Madeira. Foto: Joop Snijder (isotckphoto).

487 pt

488 pt

TABLA A.

CRITÉRIOS DE PRIORIDADE EM TERMOS DE PROTECÇÃO

1. Valor ecológico

Valor

Valor = 4

Valor = 3

Taxon chave ou estruturante,

Taxon com um papel significativo

(superpredador, agente dispersor ou

no ecossistema, podendo partilhar esse papel

polinizador importante, hospedeiro

com uma ou duas espécies

importante de espécies endémicas).

do seu grupo taxonómico.

2.1. Raridade em

Espécie endémica de uma só ilha da

Espécie endémica de uma só ilha

termos de distribuição

Macaronésia e extremamente rara (área de

da Macaronésia ou subespécie endémica

ocupação < 5% da superfície da ilha).

de uma só ilha da Macaronésia

1.1. Papel ecológico

2. Singularidade

e extremamente rara (área de ocupação < 5% da superfície da ilha). 2.2 Raridade em

Taxon com menos de 50 indivíduos

Taxon com menos de 250 indivíduos

termos de abundância

reprodutores.

reprodutores.

2.3 Singularidade

Taxon de uma família monotípica.

Taxon de um género monotípico.

Taxon endémico da Macaronésia.

Mais de 50% da sua população ou da sua área

genética

3.1. Ocorrência

4. Valor social

3. Responsabilidade de tutela

de ocupação está na Macaronésia.

3.2. Declínio

Taxon cujo declínio (populacional ou de

Taxon cujo declínio (populacional ou de área

área de ocupação) tenha sido, pelo menos,

de ocupação) tenha sido, pelo menos, de 50%

de 70% em 10 anos ou 3 gerações, ou

em 10 anos ou 3 gerações, ou que contando

que contando com uma área de ocupação

com uma área de ocupação inferior a 2 km2,

2

inferior a 1 km , tenha mostrado um

tenha mostrado um declínio nos últimos

declínio nos últimos 10 anos ou 3 gerações.

10 anos ou 3 gerações.

4.1. Valor social do

Taxon de alto valor social para a

Taxon de alto valor social para a comunidade

taxon

comunidade na Macaronesia ou numa

de pelo menos uma das ilhas da Macaronésia.

parte significativa desta (arquipélago).

Anexo I

Valor = 2

Valor = 1

O papel ecológico no ecossistema é partilhado

O papel ecológico no ecossistema

por outros 3, 4 ou 5 espécies do seu grupo

é partilhado por mais de 5 espécies

taxonómico.

do seu grupo taxonómico.

Espécie endémica de duas ou mais ilhas

Taxon nativo na Macaronesia.

da Macaronésia ou subespécie endémica de uma ou mais ilhas da Macaronésia.

Taxon com menos de 1000 indivíduos

Taxon com mais de 1000 indivíduos

reprodutores.

reprodutores.

Taxon que pertence a um género

Taxon que pertence a um género

com quatro ou menos espécies.

com mais.

Entre 25% e 50% da sua população

Entre 25% da sua população ou área

ou área de ocupação está na Macaronésia.

de ocupação está na Macaronésia.

Taxon cujo declínio (populacional ou de área

Taxon nativo na Macaronésia cujos

de ocupação) tenha sido, pelo menos, de 25%

dados não permitam deduzir um

em 10 anos ou 3 gerações, ou que contando

declínio que alcance os limites anteriores.

2

com uma área de ocupação inferior a 3 km , tenha mostrado um declínio nos últimos 10 anos ou 3 gerações.

Taxon de alto valor social, no mínimo

Taxon geralmente desconhecido

para um grupo de interesse relevante

para a maioria da sociedade.

na região ou parte significativa desta (arquipélago).

489 pt

490 pt

TABLA B. CRITÉRIOS PARA DAR PRIORIDADE EM FUNÇAO DAS POSSIBILIDADES DE GESTÃO Valor 1.1. Conhecimento

Valor = 4

Valor = 3

Conhecem-se os factores de ameaça e

Conhecem-se os factores de ameaça

qual a sua importância relativa.

mas pouco se sabe acerca da sua

1. Ameaças

importância relativa.

1.2. Capacidade de controlo

2.Sinergias extrínsecas

2.1. Financiamento e custos

2.2. Apoio da sociedade

2.3 Protecção territorial

3. Según la biológia

3.1. Potencial biológico

A capacidade de controlar ou eliminar

A capacidade de controlar ou eliminar

os factores de ameaça é alta.

os factores de ameaça é média

É possível deter as ameaças sem

É possível deter as ameaças apenas

gastos de tipo algum.

com os gastos correntes.

Há suficiente apoio da sociedade para

Há suficiente apoio da sociedade

que ela mesma implemente acções

para que esta elabore

de recuperação da espécie, sob a

com a administração as actividades

supervisão regular da administração.

de recuperação.

A totalidade da população está em

Pelo menos 50% da população está

áreas protegidas.

em áreas protegidas.

A espécie tem capacidade para

A espécie tem capacidade

duplicar a sua população em menos

para duplicar a sua população

de um ano.

em menos de 5 anos.

Anexo I

Valor = 2

Valor = 1

Sabe-se que a espécie está em declínio

Não se sabe se a espécie está

mas não se conhecem os factores de ameaça.

em declínio para além de possíveis flutuações periódicas.

A capacidade de controlar ou eliminar

Não há capacidade de controlar

os factores de ameaça é baixa.

ou eliminar os factores de ameaça.

Deter as ameaças é possível apenas

Não é possível (ou necessário) controlar

com um compromisso financeiro

as ameaças, ou não se sabe quais

específico a longo prazo.

as ameaças a controlar.

Existe uma posição polarizada ou neutra

É muito provável que a sociedade resista

da sociedade acerca das medidas de gestão

à adopção das medidas requeridas

requeridas ou da catalogação da espécie

para a recuperação; são requeridas

como ameaçada; é necessário

importantes medidas de gestão, incluindo

um plano de recuperação.

a aplicação de normas.

Menos de 50% da população está

Não há população dentro

em áreas protegidas.

de áreas protegidas.

A espécie tem capacidade para duplicar

A espécie levaria mais de 10 anos

a sua população em menos de 10 anos.

a duplicar a sua população.

491 pt

Caldeira das Sete Cidades, S. Miguel, Açores. Foto: Manuel Arechavaleta.

493 pt

Anexo II FORMULÁRIO PARA A ELABORAÇÃO DAS FICHAS DAS 100 ESPÉCIES MACARONÉSICAS PRIORITÁRIAS. 1.- TAMANHO DA POPULAÇÃO (nº de exemplares adultos, potencialmente reprodutores)

50 indivíduos

50-250 indivíduos

250-1.000 indivíduos

> 1.000 indivíduos

Desconhecido, provavelmente > 1.000 indivíduos

Desconhecido 2.- EVOLUÇÃO DA ESPÉCIE (nas últimas três décadas) Evolução do tamanho populacional

Em aumento

Estável

Declínio

Desconhecida Evolução da área de distribuição

Em aumento

Estável

Declínio

Desconhecida 3.- TENDÊNCIA PREVISIVEL DA ESPÉCIE Tendência previsivel do tamanho populacional

Em aumento

Estável

Declínio

Desconhecida Tendência previsivel da área de distribuição

Em aumento

Estável

Declínio

Desconhecida

494 pt

4.- HABITATS Habitats de Açores Medio marino

Domínio pelágico

Domínio bentónico

Zona infralitoral, fundos com substratos duros

Zona infralitoral, fundos com substratos moles, arenosos ou fangosoarenosos

Zona circalitoral, fundos com substratos duros

Zona circalitoral, fundos com substratos moles, arenosos ou fangosoarenosos

Zona batial Medio terrestre

Zona litoral halófila

Dunas costeiras (vegetação dunar, prados costeiros)

Costas rochosas (mantos lávicos e calhaus), lavas encordoadas

Arribas

Zonas húmidas costeiras (juncais, prados encharcados, lagunas de águas salobras)

Intertidal

Enclaves do intertidal

Rasas? intertidais

Praias de calhau rolado ou areia

Terrenos cultivados e vegetação de origem antrópica

Matos costeiros (erica, faia, mistos)

Matos de Erica

Matos de stress (montanha, aluviões)

Florestas naturais

Faial (bosque de faia)

Floresta Laurissilva mésica

Floresta Laurissilva húmida

Floresta Laurissilva hiperhúmida

Florestas de Ilex

Zimbral

Zimbral com turfeira

Erical

Pastagens permanentes e semi-naturais

Prados naturais

Prados de Holcus

Prados de Festuca

Prados de Descampsia

Anexo II

Zonas húmidas interiores

Lagoas oligotróficas

Vegetação de zonas apauladas - prados

Vegetação de zonas apauladas - turfeiras

Vegetação de zonas apauladas - florestas de Ilex

Águas correntes

Charcos

Valas e sistemas de drenagem

Escoadas lávicas recentes com vegetação pioneira (matos pioneiros)

Cavidades vulcânicas

Zonas urbanizadas

Outros

Habitats de Madeira Medio marino

Domínio pelágico

Domínio bentónico

Zona infralitoral, fundos com substratos duros

Zona infralitoral, fundos com substratos moles, arenosos ou fangosoarenosos

Zona circalitoral, fundos com substratos duros

Zona circalitoral, fundos com substratos moles, arenosos ou fangosoarenosos

Zona batial Medio terrestre

Zona litoral halófila

Dunas costeiras (vegetação dunar, prados costeiros)

Costas rochosas (mantos lávicos e calhaus), Lavas encordoadas

Arribas

Zonas húmidas costeiras (juncais, prados encharcados, lagunas de águas salobras)

Intertidal

Enclaves do intertidal

Rasas intertidais

Praias de calhau rolado ou areia

Terrenos cultivados e vegetação de origem antrópica

Falésias com flora endémica das costas macaronésicas (escarpas rocosas e patamares com acumulação de solo)

Matos termo-mediterrânicos pré-desérticos

Matos de figueira-do-inferno

495 pt

496 pt

Urzais de substituição

Urzal de substituição da laurissilva do barbusano

Urzal de substituição da laurissilva do til

Florestas naturais

Zambujal

Microo-bosque de marmulano

Laurissilva do barbusano (laurissilva mediterrânica)

Laurissilva do til (laurissilva temperada)

Urzal de altitude

Laurissilva rupícola do sabugueiro (sabugal)

Laurissilva rupícola do vinhático

Seixal

Comunidades de plantas caulirrosuladas

Pastagens permanentes e semi-naturais

Prados naturais

Prados de Parafestuca

Prados de Descampsia

Zonas húmidas interiores

Lagoas oligotróficas

Vegetação de zonas apauladas

Águas correntes

Charcos

Valas e sistemas de drenagem

Comunidades casmo-comofíticas sobre rochas basálticas

Cavidades vulcânicas

Zonas urbanizadas

Outros

Hábitats de Canarias Medio marino

Domínio pelágico

Domínio bentónico

Zona infralitoral, fundos com substratos duros

Zona infralitoral, fundos com substratos moles, arenosos ou fangosoarenosos

Zona circalitoral, fundos com substratos duros

Zona circalitoral, fundos com substratos moles, arenosos ou fangosoarenosos

Zona batial

Anexo II

Medio terrestre

Zona litoral halófila

Areais costeiros

Costas rochosas

Arribas costeiras

Lagoas e zonas de encharcamento supralitorais

Intertidal

Charcos do intertidal

Rasas intertidais

Praias de calhau rolado ou areia

Terrenos cultivados e vegetação de origem antrópica

Matos de ambientes costeiros não excessivamente halófilos

Matos desérticos

Matos xerofíticos do piso basal

Bosque termófilo

Matos de montanha e de cume

Pinhal

Pinhal de montanha seco

Pinhal de montanha sobre escoadas lávicas

Pinhal de montanha húmidos

Pinhal de cume

Floresta húmida

Laurissilva arbórea húmida

Laurissilva arbórea mesófila

Laurissilva arbórea xerofitica

Urzal e faial-urzal arbustivo

Bosques de cumeeiras húmidas

Pastagens e zonas de gramíneas de ambientes modificados

Zonas húmidas interiores

Zonas apauladas

Águas correntes

Fontes de água e outras zonas húmidas

Charcos

Valas e sistemas de drenagem

Escoadas lávicas recentes com vegetação pioneira

Meio subterrâneo

Zonas urbanizadas

Outros

497 pt

498 pt

5.- AMEAÇAS (Factores de ameáça que nas últimas 3 décadas provocaram ou estão a provocar um declineo nas populações, quer nas sua abundância, quer na sua área de distribuição).

Não existem

Não se conhecem (mas sabe-se que existem)

Perda e degradação de habitats

Degradação de habitats

Desenvolvimento agrícola

Aquacultura

Plantações florestais

Mudanças no uso dos solos

Indústria extractiva

Pedreiras

Pescas

Aproveitamentos florestais

Desenvolvimento urbanístico

Desenvolvimento de infraestruturas

Contaminação

Espécies exóticas

Espécies exóticas

Competição com espécies exóticas

Predação por: _______

Herbivoria por: _______

Pisoteio

Patogénios ou parasitas

Hibridación / Hibridação

Usos e aproveitamentos das espécies

Uso alimentar

Uso medicinal

Uso cultural

Uso científico

Coleccionismo

Caça

Pesca

Anexo II

Mortalidade acidental

Fios de alta tensão

Colisão com veículos

Pesca/caça acidental

Encadeamentos

Insecticidas

Venenos

Pisoteio

Actividades humanas

Uso turístico-recreativo

Estudos e investigação

Incêndios

Perturbação de áreas sensíveis

6.- FACTORES OU RISCOS NATURAIS COMUNS OU PROVÁVEIS NA ZONA DE DISTRIBUIÇÃO DA ESPÉCIE E QUE PODEM AGRAVAR A SUA SITUAÇÃO

Secas

Tempestades e vendavais

Temperaturas extremas

Incêndios

Derrocadas

Hibridação com espécies nativas

Outros

7.- FACTORES LIMITANTES PARA A RECUPERAÇÃO DA ESPÉCIE

Baixa densidade populacional

Isolamento de subpopulações/indivíduos

Processos de endogamia ou empobrecimento genético

Sex ratio desviado

Plantas com polinização limitada

Plantas com dispersão limitada

Plantas com escassa germinação

Animais com baixa capacidade reprodutiva

Alta mortalidade juvenil

Baixa taxa de crescimento populacional

Superfície de habitat reduzida

Outros

499 pt

500 pt

8.- ACÇÕES DE CONSERVAÇÃO PROPOSTAS

Não são necessárias

Informação e educação

Campanhas de informação

Campanhas de consciencialização social

Cursos de formação

Outros

Acções sobre o habitat

Manutenção/conservação

Restauração

Estabelecimento de corredores

Estabelecimento de áreas protegidas

Controlo/eliminação de ameaças

Outras

Acções sobre la espécie

Reforço de (sub)populações

(Re)introdução de novas (sub)populações

Translocação de (sub)populações

Gestão sustentada do uso da espécie

Controlo/eliminação de ameaças

Outras 9.- ESTUDOS E INVESTIGAÇÕES QUE SE CONSIDERAM NECESSÁRIAS POR SE VERIVICAREM LACUNAS IMPORTANTES DE INFORMAÇÃO

Taxonomia

Distribuição

Biologia e Ecologia

Genética

Estado de conservação do habitat

Ameaças

Nivel de uso e aproveitamento

Relevância cultural

Efeito de acções de conservação

Dinâmica de populações

Outros

Loading...

(istockphoto). - Portal da Biodiversidade dos Açores - Universidade

Açores. Foto: Susana Carvalho (istockphoto). 367 pt A lista Top 100 José Luis Martín1, Paulo A. V. Borges2, Manuel Arechavaleta1, & Bernardo Faria3...

3MB Sizes 1 Downloads 18 Views

Recommend Documents

Marine fishes of the Azores - Portal da Biodiversidade dos Açores
sandy bottom at Vila Nova on the North coast of Terceira Island by Helder Ferreira. Also several slides by Peter Wirtz (

201 gabriel et al.: azorean bryophytes - Portal da Biodiversidade dos
ABSTRACT. On his way home, towards the end of the historic voyage of H.M.S.. Beagle, Charles Darwin stopped by the Azore

wolfredo wildpret de la torre - Portal da Biodiversidade dos Açores
Maquetación: Cande da Silva. Diseño de la cubierta del libro: Víctor M. ... In Beltrán Tejera, E., J. Afonso-Carrillo, A

Maria Scientia - Repositório da Universidade dos Açores
importantes ferramentas para a governação e a implementação política. O atual contexto económico força as regiões a dese

biodiversidade brasileira - Câmara dos Deputados
Avaliar e identificar áreas e ações prioritárias para a conser- vação dos biomas brasileiros – Floresta Amazônica, Cerra

térmitas - Universidade dos Açores
Mar 10, 2012 - legislativas, suspensão por motivos de ordem logística e cancelamento por falta de compromisso financeiro

referências bibliográficas - Repositório da Universidade dos Açores
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS. Academia das Ciências de Lisboa e Editorial .... (1993) Tourism Marketing and Management

Biodiversidade Brasileira - RS Biodiversidade
BASA - Banco da Amazônia S.A.. BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social .... quisas Ambientais da Am

Estado da biodiversidade da Mata Atlântica brasileira
Espécies no limiar da extinção: vertebrados terrestres criticamente em perigo . .... Cerrado, dois biomas dominados p

Monitoramento in situ da biodiversidade - ICMBio
de pontos de ruptura, ao reduzir de maneira alarmante a capacidade dos ..... refinados ao monitoramento. Comunidade. Esp